Opinião: Bombeiro: Profissão de Risco? Sim!

Publicidade
Vamos por as coisas como elas são: há muito tempo que a ANBP e SNBP reivindicam o direito da reforma antecipada sem penalização para os bombeiros porque – sim – esta é uma profissão de desgaste rápido.
O que é isso de desgaste rápido? Trocando por linguagem corrente, significa que durante a sua carreira os bombeiros dão tudo por tudo para salvar pessoas e bens. Sim, significa arriscar a própria vida, como sabem.
Quando muitos assistem de longe ou na televisão ou – como está agora mais na moda – pelos videos partilhados nas redes sociais – a um grande incêndio urbano ou florestal, a um salvamento ou desencarceramento,  ou mesmo ao resgate de um gatinho preso na árvore, somos nós – bombeiros de Portugal – que estamos na primeira linha. A sentir o calor das chamas e o cheiro da cinza. A fazer toda a força humana possível para içar ou retirar uma pessoa em perigo. E a fazer tudo isto com os conhecimentos e competências que adquirimos ao longo da nossa carreira.
Mas chega a uma altura em que temos de parar!
Esta é uma profissão de grande exigência física e psicológica.
A exigência que temos que aplicar na selecção dos recrutas que serão os futuros bombeiros. Não é qualquer um que consegue resistir. Aos recrutas é pedida força, destreza,  capacidade, operacionalidade e alguns conhecimentos técnicos. Outros conhecimentos e competências irão adquirir ao longo dos anos…
E aos bombeiros com 40, 50 e mais anos de idade? O que se lhe pede? Não pode ser o mesmo nível de exigência. E sem “espaço” nos quartéis para estes bombeiros, muitos optam pela reforma. Só que essa decisão não é fácil…
A reforma antecipada com penalização – que corta de forma substancial o rendimento de alguns bombeiros – está a provocar sérios problemas sociais.
Por isso, ANBP e SNBP têm vindo a sensibilizar os partidos com representação do Parlamento, para defenderem – em nome dos seus associados que são os bombeiros profissionais (sapadores, municipais, força especial de bombeiros e profissionais das associações humanitárias) – a reforma até aos 55 anos de idade sem penalização.
Numa altura em que o governo discute com os parceiros na concertação social, o novo modelo para as reformas antecipadas, ANBP e SNBP chegam-se à frente, para retomar esta reivindicação. Estamos presentes nas mesas negociais em que temos assento para reivindicar o que achamos que é da mais elementar justiça.
Não é de agora que pedimos isto! Como em outras matérias, a ANBP e o SNBP têm vindo a exigir, ao longo de mais de duas décadas, o que entendem ser o melhor para os bombeiros. E com isso, estamos a exigir o que é melhor para as populações e para o país, em termos de protecção e socorro.
Neste caso das reformas antecipadas, porque não fazer-se um estudo sobre a média de idades nos corpos de bombeiros profissionais do Continente, Açores e Madeira? E avaliar o que é preciso mudar na política social ligada a esta profissão. Que é uma profissão de risco e de desgaste rápido. Que é exigente e complexa. Mas que é também uma profissão que muito dignifica os bombeiros, autarquias, associações humanitárias, Autoridade Nacional de Protecção Civil e Ministério da Administração Interna.
25 anos de SNBP
O Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais existe há 25 anos. Foi criado e tem existido para ser a estrutura sindical da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, a que presido.
Não posso deixar de lembrar os dirigentes que fizeram nascer o Sindicato e a todos agradecer o contributo. Foram outros tempos e outras lutas!
Nesta data de aniversário, devo também sublinhar o empenho e trabalho da actual equipa do SNBP, liderada pelo Sérgio Carvalho, que tem agora de enfrentar outras batalhas, como a questão que falo neste texto relativa à reforma antecipada para os bombeiros, e também o novo Estatuto Profissional.
O SNBP existe para os bombeiros profissionais de Portugal! Estamos todos de parabéns!

Commentários

Publicidade

Commentários