Opinião: São Mortes a Mais Para Que Possamos Sequer Esquecer Quanto Mais Perdoar!

Publicidade
Publicidade

Em tempo de guerra não se limpam armas, sagaz princípio mas que não serve para que se esqueça. São mortes a mais para que possamos sequer esquecer quanto mais perdoar.

Perdoar os carros brancos modernos que aparecem perante a vetustez dos carros vermelhos; perdoar quem se mete em bicos dos pés para aparecer no retrato e sempre de farda imaculada; perdoar os especialistas de tudo e mais alguma coisa que sabem tudo mas nunca propuseram nada porque deixa-me estar caladinho a ver que talhadame toca; perdoar a altivez de um terreiro do paço, de todas as cores políticas que eles todos mamam, que continua a ignorar metade de um país que teve o azar de ter nascido virado a espanha e com nababos no seu mando; perdoar os que não querem imagens, que dificultam o trabalho de quem informa, com rudeza e grosseria como se fosse possivel esconder uma tragédia destas; perdoar os mais de 30 anos que vamos levar para que os mais de 24 mil hectares ardidos possam voltar a pintar de verde as serras. Perdoar os que nos prometeram que estava tudo bem, que este era o melhor dispositivo de sempre e que afinal não aguentou uma trovoada e nem uma estrada conseguiu fechar; perdoar a falta de vergonha de um país que paga principescamente aos serventuários que tem no seu mando mas que na hora de assumpção das culpas assobiam para o lado e enxotam a mosca com medo que a merda lhes caia no focinho que ele nós nunca tivemos culpados de nada. Há sempre uma trovoada, há sempre uma falta de caminho, há sempre tudo e mais alguma coisa e afinal continuamos a ver que quando a tragédia é dantesca todos perdem o norte, refundidos num abraço como se há 15 dias já não se soubesse o que aí vinha. Não se poderia evitar? Talvez não mas poderia ter sido minorado, mitigado, reduzido. E isso são coisas que não perdoamos.

E também não vamos esquecer o que aconteceu para que nao nos prometam, no setembro que há-de vir, que para o ano é que vai ser que é o que têm feito desde há muitos anos com total complacência, também minha e dos meus, da sociedade que nunca pede contas aqueles que lhes administram a pátria.

Mas em tempo de guerra não se limpam armas e portanto, agora que aparecem cozinhas e refeições quentes; psicologos e especialistas forenses; médicos e curandeiros; aviões e botas cardadas, vamos esperar que nos apaguem o braseiro e que nos dêem a justificação que merecemos. E que não limpem as mãos borradas de merda à parede e que não crucifiquem os do costume que esses, bem ou mal, sempre fizeram, nunca fugiram e nem se desculparam. Fizeram sempre o melhor e muito mais do que se lhes exigia.

E que agradeçam a este povo magnanino que consegue transformar a solidariedade em actos concretos: comida para dar alento a quem tudo perdeu; água para matar a sede de quem combate e dinheiro, como fez a Gubenkian com massa que se veja, para que a população possa recomeçar.

Tudo o resto é uma tremenda miséria, uma indigência moral por omissão que este país e estas pessoas, que sempre ali estiveram mesmo quando lhes levaram as escolas, os bancos, os médicos, a justiça, a segurança; não merecem. Para que não nos esqueçamos não vamos perdoar o silêncio nem as desculpas do costume.

E já agora que somos todos do mais afectuoso que há, quando devíamos ser os mais velhacos dos cinicos mas enfim, que pespeguem uma medalha, das melhores que a Patria tem, aos Bombeiros no próximo 10 de Junho. É que na hora do caldeirão são esses que nos valhem. Os que todos vituperam, insultam, ignoram e a quem não provisionam o minimo para que nos acudam mas que arranjam forma de prover sempre o máximo para nos proteger.

E se em 1986; 1995; 1998; 2003; 2005 e 2013 não aprendemos que seja em 2017 que vamos aprender. Mas aprender fazendo! Que já chega de nos enrolarem com politiquices, desculpas, dificuldades e devaneios. Só a nossa raiva é que não aplacam. E por muito que me doa a alma não quero chorar enquanto não me passar esta raiva que me consome. Como é que isto foi possivel!

Até lá que não se limpem as armas e o nosso Bem-haja Bombeiros de Portugal que sois gesta do melhor que a Pátria tem. Mas não me digam que isto correu tudo bem que éa mais bera das falácias. Não não correu. Correu 61 vezes mal mais os que estão nos hospitais e ainda os que perderam a vida num fósforo do laxismo.

Não esquecerei nem perdoarei.

Amadeu Araújo

Commentários

Commentários