SEAI: “O CONAC Teve Um Momento Infeliz”

Publicidade
Publicidade

O secretario de estado da administração interna (SEAI), Jorge Gomes, afirmou esta noite, em entrevista ao Sexta às 9 da RTP que o “governo não se vai esquecer das vitimas dos incêndios” e relembrou que “serão entregues esta semana as chaves das ultimas quatro casas que foram reconstruidas em resultado dos incêndios do ano transacto”, afiançando ainda que “o primeiro ministro vai cumprir com aquilo que prometeu”.

Quando questionado acerca do número de mortos em resultado do incêndio de Pedrogão, o SEAI foi peremptório em dizer que dava a “palavra de honra que eram 64 mortos”.

No que concerne às associações humanitárias, aquele responsável afirmou que “tem um valor inestimável na comunidade” e coloca um ponto final no tema da profissionalização, “não existe qualquer ideia do governo em profissionalizar os bombeiros”.

Acerca do alerta emanado pelo comandante operacional nacional (CONAC) de que tragédias similares à de Pedrogão se podem repetir, Jorge Gomes diz que se tratou de “um momento infeliz do comandante nacional”.

Presente no debate estava João Saraiva, presidente da direcção da Associação de Protecção e Socorro que fez questão de garantir que perante um evento desta magnitude “o pais não esta preparado” e avançou com um exemplo:

“o INEM de forma a conseguir estar presente em Pedrogão comprometeu a sua capacidade de resposta, havendo tempos de resposta que chegaram às 4h.”

Commentários

Commentários