Bombeiros de Elite Testaram Limites nos Escadórios do Bom Jesus

Publicidade
Publicidade

Paulo Santos, do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, demorou ontem 5, 57 minutos a subir os 566 degraus dos escadórios do Bom Jesus do Monte, vencendo a primeira edição de ‘Bombeiro de Elite’, prova organizada pela Associação Nacional de Bombeiros Profissionais com o apoio do Município de Braga.

A competição em contra relógio contou com 130 participantes de corporações de vários pontos do país e de um bombeiro profissional de Toledo, Espanha, perspectivando a organização para 2018 uma segunda edição de ‘Bombeiro de Elite’ mais alargada e de âmbito verdadeiramente ibérico.

Os bombeiros que subiram os escadórios do Bom Jesus com todo o seu equipamento de protecção individual, com peso estimado de 30 quilos, destacaram as características peculiares da prova bracarense num cenário monumental e ambiental únicos. Por norma, os exercícios que se assemelham ao ‘Bombeiro de Elite’ realizam-se em prédios ou em torres específicas para formação de bombeiros.

Vencedor da última edição da ‘Super Bombeiro – Twin Towers’, em Lisboa, Paulo Santos, considerou ‘Bombeiro de Elite’ “mais dura e mais longa”, ideal para “testar os limites”.
Ricardo Fernandes, bombeiro municipal em Braga e dirigente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, foi o ment or de ‘Bombeiro de Elite’. Ao Correio do Minho garantiu que estão criadas as condições para dar à prova de Braga uma dimensão ibérica já em 2018.

“Ultrapassámos as expectativas. Esta prova tem características únicas e pode ser projectada a nível europeu ou mundial dentro de três ou quatro anos”, adiantou o bombeiro bracarense, que registou um dos melhores tempos na subida do escadório do Bom Jesus.

“Mostrar o santuário do Bom Jesus do Monte e a beleza de Braga” foi objectivo conseguido com esta primeira edição de ‘Bombeiro de Elite’, competição que Fernando Curto, o presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, relevou também com potencialidades para ganhar estatuto internacional.

Segundo Ricardo Fernandes, este tipo de competição, para além do reforço do convívio entre bombeiros profissionais e voluntários, é importante no processo de formação dos ‘soldados da paz’, nomeadamente ao nível da avaliação da sua “capacidade de resposta física e mental”.

‘Bombeiro de Elite’ é a primeira competição do género que tem como pano de fundo um monumento português, constituindo mais um cartão de visita para o santuário do Bom Jesus, do Monte, local cada vez mais procurado por turistas e candidato à classificação de Património Mundial pela UNESCO.

In Correio do Minho

Commentários

Commentários