Braço de Ferro Por Meios Aéreos Pode Disparar Fatura Para o Estado

Foto: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens
Publicidade

Governo queria meios aéreos por 60 milhões, mas empresas pediram 130. O que falhou no concurso para alugar aeronaves para combater os fogos em 2018? Perceba como funciona o negócio dos meios aéreos.

“As empresas alemãs e francesas que alugam meios aéreos já esfregam as mãos de contentes!” A afirmação, ilustrativa, é de um empresário do setor que explica desta forma aquilo que considera ser um problema sério do governo para os próximos meses: como e onde encontrar, perto do verão, os meios aéreos para enfrentar a época de fogos?

O relatório da Secretaria Geral da Administração Interna ao primeiro concurso falhado revela não apenas que, dos 10 lotes a concurso, apenas um foi preenchido (as 10 aeronaves já alugadas, muito longe do objetivo de 50), mas também que o concurso não ficou deserto.

O documento a que a TSF teve acesso mostra que – numa atitude que fontes da Proteção Civil admitem ser rara nos concursos públicos – três empresas fizeram questão de apresentar propostas sabendo que iam perder porque o preço que propunham estava muito acima do máximo previsto, à partida, no concurso.

Fontes das empresas garantem que o objetivo destas propostas foi marcar uma posição de força, mostrando ao Governo que o preço que este estava a oferecer fica muito abaixo (menos cerca de 40%) do praticado no passado, num negócio onde afirmam que as margens rondam os 10%. Ou seja, teriam prejuízo.

Dos 10 lotes em jogo, em quatro a proposta mais baixa recebida ronda o dobro do máximo pedido pelo Estado e em duas o quádruplo.

Fazendo as contas, o Governo queria gastar 60 milhões de euros, mas a soma de todas as propostas mais baixas ultrapassa os 130 milhões de euros – e ainda falta um lote que não teve qualquer proposta.

por Nuno Guedes em https://www.tsf.pt
pode ver artigo original em https://www.tsf.pt/sociedade/seguranca/interior/governo-quer-meios-aereos-por-60-milhoes-empresas-exigem-mais-de-130-milhoes-9167200.html

Commentários

Commentários