Bombeiros Retidos Horas na Urgência de Setúbal

Publicidade

A capacidade do Serviço de Urgência do Hospital de S. Bernardo, em Setúbal, voltou a ser posta à prova nos últimos dias. Devido a obras de melhoramento no Hospital do Barreiro, alguns dos doentes transportados em ambulâncias foram desviados para Setúbal e o amontoado de macas nos corredores da Urgência voltou a ser uma realidade.

“Já sabíamos disto há pelo menos uma semana e meia e não reforçaram as equipas, o que era possível pagando horas extraordinárias. Nós [funcionários] e os utentes somos prejudicados”, contou ao CM fonte hospitalar.

Também as corporações de bombeiros das áreas circundantes têm sido afetadas pela relatada falta de meios, em episódios de sobrelotação. “O mês passado tivemos uma ambulância retida três horas porque precisavam da nossa maca”, conta fonte dos bombeiros de Águas de Moura, no concelho de Palmela. De acordo com a mesma fonte, pode estar em causa o socorro.

“O que se tenta é que as macas dos bombeiros sejam libertadas assim que o utente faz a triagem. Enquanto isso não acontece, as ambulâncias ficam impossibilitadas de prestar socorro”, alerta a mesma fonte.
“Isto é uma vergonha de serviço. As pessoas deitadas em macas dos bombeiros porque o hospital não tem macas para todos os doentes”, conta ainda Ana Sombreiro, utente.

Contactada pelo CM, a administração do Centro Hospital de Setúbal apenas esclareceu que o encaminhamento de utentes entre o Centro Hospitalar Barreiro-Montijo e o Hospital de S. Bernardo foi atempadamente combinado entre as partes, tendo o equipamento de Setúbal recebido até ontem à tarde apenas 13 doentes encaminhados do Hospital do Barreiro.

Fonte: CM|sofiagarcia

Commentários

Commentários