“As Pessoas Não Sabem Utilizar o Fogo”

Publicidade

Nas últimas semanas, os bombeiros voluntários da Covilhã têm sido chamados para vários incêndios. Estes fogos surgem, na maioria dos casos, de descuido nas queimas, refere o comandante dos Bombeiros Voluntários da Covilhã.

Realizadas sem as devidas regras de segurança, as queimas acabam por fugir ao controlo das pessoas e transformam-se em incêndios, alguns dos quais com consequências trágicas.

“Continuamos a ter todos os dias chamadas para queimas descontroladas, infelizmente com alguns acidentes com as pessoas, que é o pior. São proprietários já com idades avançadas e quendo as chamas atingem maiores proporções tentam apagar, mas o coração por vezes não aguenta, e aparecem queimados e até se verificaram este ano já algumas mortes”, refere Fernando Lucas.

O comandante dos Bombeiros Voluntários da Covilhã faz um veemente apelo à população para que “não use o fogo como se fosse um prato de sopa. Utilizem o fogo mas sempre em condições de segurança. As pessoas afirmam que é permitido por lei, se isso é verdade é necessário que o façam em locais que ofereçam total segurança e não encostados a zona florestais ou já com o pinhal a dois metros…isto não pode acontecer”.

Fernando Lucas defende que, se queremos passar a ter prevenção, uma das medidas que o Governo devia tomar “era proibir o uso do fogo para qualquer situação. As pessoas não o sabem utilizar. Sabemos que sempre foi uma ferramenta utilizada ao longos dos anos para a limpeza nas zonas de cultivo mas não tínhamos a floresta que hoje temos”, defende.

Relativamente a incêndios, o comandante da cooperação covilhanense mostra-se muito preocupado com a Primavera e o Verão que se aproxima.

“Acho que este ano vai acontecer a mesma coisa que em 2017 ou até pior porque as pessoas estão a limpar mas deixam nos terrenos os combustíveis finos e com isso vamos ter uma maior aceleração e propagação dos incêndios. Acho que a casa está ser iniciada pelo telhado porque primeiro deveríamos ter centrais de biomassa onde as pessoas eram obrigadas a colocar os resíduos. Assim não, ficam no meio do mato e pinhais e a situação apenas é diferente porque foram cortados”, observa.

Fonte: paulopinheiro|radiocovadabeira

Commentários

Commentários