Pedrogão Grande: Conheça o Relatório Final da ANPC

Publicidade

O Governo disse que ia publicar o relatório da auditoria aos incêndios de Pedrógão Grande e cumpriu a promessa. Esta quinta-feira o documento, que data de Outubro de 2017, foi publicado na página do Ministério Público – mas com todas as referências à identidade das pessoas mencionadas apagadas.

O relatório não foi relevado durante seis meses por estar, alegadamente, em segredo de justiça. Esta quarta-feira, depois de o PÚBLICO ter revelado partes do documento, o Ministério da Administração Interna admitiu “não ver inconveniente” em tornar o documento público, desde que levantado o segredo de justiça, pela Procuradoria-Geral da República. De todos os documentos produzidos no rescaldo dos fogos de Junho de 2017, este foi o único que não foi divulgado, por ter “matéria susceptível de responsabilização disciplinar e/ou criminal”, afirmou o gabinete de Eduardo Cabrita, em resposta ao PÚBLICO, na tarde da última quarta-feira.

Agora, de acordo com o Ministério Público, o inquérito (do qual faz parte o documento, agora publicado), continua em “segredo de justiça”, mas “face à relevância do respectivo conteúdo para o esclarecimento público e por se considerar que não existe prejuízo para a investigação”, o relatório foi revelado. Não na totalidade, acrescenta o texto do MP, uma vez que foram retirados todos os nomes dos envolvidos.

No relatório, os auditores afirmam não ter tido acesso a todos os documentos relevantes por terem sido “apagados” ou “destruídos” – situação para a qual a comissão técnica independente, que realizou um dos relatórios sobre os incêndios de Pedrógão, já tinha alertado, salientando o “amadorismo” na recolha de informação.

In Publico

Commentários

Commentários