Aniversário BPS: Amadeu Araújo – “Não Há Jornalista Que Varra a Internet e Não Tope o BPS”

Publicidade

“Em 2007 havia já 6 anos que deixara os Bombeiros, onde passara 16 longos e bons anos. Onde fizera carreira profissional, em 11 profícuos anos durante os quais ajudei a abrir o CCO do meu distrito, me tornei operador chefe e fiz outras coisas, boas, creio. Também algumas ruins, talvez…

Mas em 2017 levava já essa meia dúzia de anos sendo jornalista, numa veia que despontou cedo. Cobrir assuntos de bombeiros, escrever sobre defesa civil, reportar o safety tornou-se, por evidente sinergia, uma das áreas de especialização.

O Bombeiros para Sempre era então um blogue. Depois veio o domínio, a contenda em torno do .com e o conseguimento do .pt. E veio a Associação. E as transmissões do congresso, as tomadas de posição, a formação, a defesa da unidade e um olhar; intenso, válido e justo, sobre as questões da segurança contra as desgraças, sejam elas um acidente, um fogo, a falta de atavio, o brio que se ala… um jornalista, que varre toda a internet durante longas horas num quotidiano de rotinas firmes, haveria de topar o BPS.

E de aprender com ele, inspirando-se. Passados estes 11 anos acrescentei ao meu quotidiano a consulta, o apreço e a estima.

Nos bombeiros, como noutras forças da defesa civil, quem escreve por dentro municia melhor quem procura sugestões, quem tem que conhecer, quem precisa de saber. Sim, tal como na canção, eu sei que esta é arte difícil e que se me exige deontologia e ética. Acho, mesmo tendo feitio difícil, que a tenho cumprido. E sou escrutinado. Por quem dirige e por quem regula. Mas constatar uma evidência não me compromete, o discernimento continua farol. E a evidência é simples e salta aos olhos.

O BPS contribui, e não pede meças, para o debate em torno das questões da segurança civil, dos bombeiros e de todos os agentes da Proteção Civil. Veste de vermelho e assenta na sociedade civil. Tal como os “malucos” que em 1395 iniciaram esta vontade de organizarem cavalos, baldes e carroças e proverem a nossa segurança. Falar dela também é prover. Bem hajam rapazes, longa vida ao BPS, mais e melhores que estes últimos 11, que só de si foram tremendos. E necessários.”

Amadeu Araújo
Jornalista

Commentários

Commentários