Ambulâncias Recusam Doentes por Dívidas dos Hospitais

Publicidade

As empresas privadas e as corporações de bombeiros estão a recusar transportar doentes não urgentes com credencial dos hospitais, como aconteceu no Hospital São João do Porto.

As empresas privadas e as corporações de bombeiros estão a recusar transportar doentes não urgentes com credencial dos hospitais, ou seja, pagos pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS), avança o Jornal de Notícias.

De acordo com o mesmo diário, os prestadores admitem que os preços tabelados (especialmente para trajectos curtos) não compensa. A somar o problema das dívidas dos hospitais, o serviço torna-se “incomportável”, citando os prestadores, que pagam 70 euros num viagem curta de ida e volta. Desta forma, muitos doentes não urgentes ficam sem meio de transporte.

Um exemplo são as ambulâncias “Salvavida” no Hospital de São João, no Porto, que avisaram o estabelecimento, po escrito, que o transporte com credencial cessaria a partir de dia 15. Na mesma missiva, esta medida deve-se a facturas em atraso. Ao JN, o responsável pela empresa, Paulo Tavares, diz que o hospital tem uma factura pendente de 2016 e várias de Janeiro deste ano, num total de 24 mil euros.

O Hospital de S. João nega ter facturas em atraso de 2016 e garante ter pago até Julho deste ano. O administrador Renato Matos admite que há problemas com o transporte de doentes não urgente, mas refere que está relacionado com o baixo valor tabelado. “Os preços não compensam e nos últimos dois anos as empresas têm recusado fazer estes serviços”, explicou.

Fonte: Alexandre Malhado|sabado

Commentários

Commentários