Eduardo Cabrita, o Testa de Ferro de António Costa

Imagem BPS
Publicidade

Regressam hoje à mesa das negociações a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) e o Ministro da Administração Interna (MAI) Eduardo Cabrita. 

Depois de vários tumultos nos últimos dias entre a LBP e o MAI ninguém acredita que hoje seja possível alcançar uma negociação que permita acabar com o impasse criado entre os Bombeiros e o Governo. 

Eduardo Cabrita é apenas e só o testa de ferro de António Costa, o homem que agarrou num projeto do então ministro da administração interna em 2005/6 e encabeçou-o como se fosse dele, seguindo não só as diretrizes e o alinhamento com mais de uma década como também protegendo o Primeiro Ministro da exposição pública à polémica em torno dos Bombeiros. A verdade, pelo menos aquela que as estruturas de Bombeiros acreditam, é que António Costa não gosta nem quer manter o atual modelo assente em Bombeiros Voluntários e suas associações, pretendendo criar as elites, morfando a imagem de instituições como a GNR  que deixaram o seu foco de polícia criminal e militar e passaram a puxar a sua imagem e comunicação para a proteção e socorro, como se de repente tivessem sofrido uma mutação genética que lhes tira a sua imagem inicial.

Eduardo Cabrita depois de ter mandado levantar um inquérito ao incêndio urbano em São Domingos de Rana, pondo em causa a atuação dos Bombeiros, ter chamado às estruturas de Bombeiros de irresponsáveis e este fim de semana deixar que os órgãos de Comunicação Social dissessem que 3 CDOS não atenderam o telefone da NAV para o acidente com o helicóptero do INEM está demasiado exposto politicamente, não nos parece que tenha condições para negociar o que quer que seja nem tão pouco ordens para isso. Neste momento tem a sua cabeça a prémio e só ainda não caiu porque é pupilo de António Costa e está apenas a seguir as velhas diretivas de mudança do sistema que o então ministro da administração interna em 2006 havia começado a implementar. 

De uma coisa as pessoas podem ter a certeza, o seu socorro está assegurado, prova disso tem sido as milhares de ocorrências a que a estrutura dos Bombeiros tem respondido desde o corte de informações com os CDOS sem qualquer constrangimento, provando a eficácia e a poder das estruturas de Bombeiros.

O Governo, enquanto orgão sustentado por partidos políticos tem se esquecido do mais importante: os Bombeiros Voluntários nasceram da vontade dos cidadãos locais, são as mais próximas entidades locais e aquelas em que os Portugueses mais confiam. 

Apesar de todas as tentativas de desvalorizar a posição e opinião do cidadão culto, informado e sem ideologias políticas cegas (veja-se o presidente da câmara de Gondomar) sabe quem está com eles a todas as horas, em todos os momentos e não responde: “não temos patrulha, está a 20 km porque na localidade ao lado também não há patrulha”.

Os Bombeiros Portugueses, na sua grande maioria uma força não estatal, tem um poder que nenhuma força criada pelo estado alguma vez poderá ter de forma sustentável por isso: ou cai o Ministro ou cedem perante as exigências. 

Pensem bem antes de por mais lenha na fogueira! Afinal: BOMBEIROS DÃO TOTAL CONFIANÇA


Commentários

Commentários