Equipamento de Matérias Perigosas dos Sapadores Espera Manutenção

Publicidade

Os Bombeiros Sapadores de Coimbra precisam que seja renovado o equipamento de protecção individual, assim como o da própria Viatura de Protecção Multiriscos Especial (conhecida como viatura das matérias perigosas) entregue à Companhia de Coimbra para servir toda a região Centro pelo antigo Serviço Nacional de Bombeiros e cujo equipamento nunca foi substituído.

É preciso que o seja “rapidamente” para que esta viatura, uma das quatro do país “possa actuar na sua plenitude ao serviço da região Centro”, afirmou o Comandante da Companhia de Bombeiros Sapadores (CBS) de Coimbra que é “um dos poucos corpos de bombeiros do país em que todos os elementos têm formação para actuar nesta área”. A única entidade a investir neste equipamento foi a Câmara de Coimbra (cerca de 150 mil euros) e, segundo o Comandante, a “maioria das intervenções são realizadas fora do concelho”.

Paulo Palrilha falava na sessão dos 238 anos da CBS de Coimbra, dirigindo-se a Carlos Tavares, comandante da Distrital da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC – que substitui o Serviço Nacional de Bombeiros), a quem, aliás, já fez sentir “por escrito” a necessidade de repor o material para actuar com matérias perigosas, de quem espera a confirmação do investimento.

No discurso, após a cerimónia que formalizou “um facto histórico nesta companhia” (não acontecia há mais de 15 anos) a promoção de 90 bombeiros, Paulo Palrilha não esqueceu também a necessidade de, ao abrigo do protocolo estabelecido com o INEM, solicitar “uma ambulância com condições para servir a comunidade”. “A população merece ser servida pelos Bombeiros Sapadores num veículo de emergência que possua condições adequadas à prestação de socorro”, afirmou.

E, apesar de agradecer à autarquia, na pessoa do Presidente Manuel Machado, “o esforço financeiro relevante” na aquisição de viaturas (uma ambulância e um tanque táctico florestal) e de fardamento para todos os elementos da CBS, assim como de equipamento de protecção individual florestal, o comandante clarificou que, para 2019, será necessária “uma viatura de limpeza de vias, uma viatura de comando, um novo EPI de incêndios urbanos” assim como “a renovação do equipamento de mergulho”.

Falando perante toda a companhia em parada e na presença de vários representantes de entidades convidadas, entre os quais Jaime Soares ou Fernando Curto, respectivamente presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses e da Associação de Bombeiros Profissionais, Palrilha referiu-se ainda à formação, ministrada por e para Bombeiros Sapadores de Coimbra, mas deu especial destaque a outro facto histórico: o facto de pela primeira vez em 15 anos, haver 19 elementos – que desfilaram na parada e participaram num exercício de demonstração – a fazer recruta para engrossar a companhia.

“A formação é do melhor que existe no país”, afirmou, apontando-a como “um investimento e não um custo”.

Fonte: Ana Margalho|diariodecoimbra

Commentários

Commentários