A final da Copa do Mundo de Messi não é apenas uma competição. É um problema, rebelião copa do mundo 2022

oIonel Messi teve a despedida que tanto desejava. Ou teatro, pelo menos. Atacante de domingo – famoso vergonha A nível internacional – a sexta final será disputada com a Argentina. Esta será sua 26ª partida na Copa do Mundo, mais do que qualquer outra pessoa, ele marcou outro recorde. Também será o último.

“Conseguir terminar minha jornada na final me deixa feliz, tudo o que vivi aqui é lindo”, disse Messi ao final de mais uma noite que teve outro momento, como um presente dado: algo para carregar quando ele se for. O que é daqui a quatro dias.

quatro dias. uma noite. Todos “sabiam” que este seria o último Messi Copa do Mundo, a sensação de que você nunca mais o verá, pois ele se apega a todos os jogos. Ele sabia disso também, e isso é parte do motivo pelo qual aconteceu daquele jeito: chame de missão, ou destino, ou simplesmente diversão. Aproveite o dia, não resta muito. No entanto, 16 anos depois de sua estreia, como reserva em este Vitória por 6 a 0 sobre a Sérvia e Montenegro, depois de ouvir que ainda estava afetado. espere o que? Sua final será a última? “Sim, com certeza será”, disse Messi na noite de terça-feira. Muitos anos se passaram até o dia seguinte [World Cup] E eu não acho que vou. Terminar assim é lindo.”

Guia rápido

Catar: além do futebol

Displays

Esta é uma Copa do Mundo como nenhuma outra. Nos últimos 12 anos, o Guardian tem reportado sobre as questões relacionadas ao Catar 2022, desde corrupção e abusos dos direitos humanos até o tratamento de trabalhadores migrantes e leis discriminatórias. O melhor do nosso jornalismo é recolhido na nossa dedicação Catar: além do futebol Casa para quem quer se aprofundar nos assuntos fora de campo.

A reportagem do Guardian vai além do que acontece em campo. Apoie nosso jornalismo investigativo hoje.

Fotografia: Caspar Benson

Obrigado pelo seu feedback.

Então isso é adeus até agora Argentina preocupado. Ainda assim, que caminho a percorrer. Ainda não acabou: o maior jogo de todos os tempos o aguarda. É enorme, claro. Mas mesmo chegando lá senti que algo havia sido alcançado, como se alguma realização tivesse sido alcançada. Por Messi e sobre Messi. Você não sabe o que tem até que (quase) acabe. No final da tarde em Lucille Court, uma repórter de TV argentina no Nível 0 optou por não fazer sua pergunta final. Em vez disso, e você já deve ter visto o clipe, ela o usou para agradecer: “Seja qual for o resultado, você deixou as pessoas felizes”, disse ela. “Você tocou a vida de todos.”

No final, ele também ficou feliz, com mais do que uma pequena ajuda de amigos novos e antigos. No final da Copa América 2016, que foi derrotado pelo Chile na final, ficou para trás. Ele nem sempre se sentiu abraçado, o peso pesado; Ele disse que sentia que tudo era culpa dele. Como lhe disseram aqui: “Você tinha que comer muita merda.” Sim, ele admitiu, mas agora é diferente. “Já faz um tempo que estou gostando muito, de tudo que acontece com a gente. Poder terminar tudo na final me deixa feliz.”

Este era o credo do técnico Lionel Scaloni: o sol nascerá amanhã. Messi abraçou essa mensagem e o tempo que deixou para trás; Tornou-se sua mensagem também, e havia a sensação de que seus companheiros estavam empenhados não apenas no sucesso da Argentina, mas também em sua felicidade, em fazer algum tipo de justiça.

“As pessoas entenderam que isso é algo que temos que aproveitar”, disse Messi. “Fizemos coisas extraordinárias: Copa América, 36 partidas sem perder, final da Copa do Mundo. Obviamente todos queremos vencer, mas é um jogo de futebol e tudo pode acontecer. Espero que seja diferente do Brasil.” [in 2014, when they lost against Germany]. Não sei se este é o meu melhor torneio, mas estou gostando desde que chegamos aqui.”

No Catar, ele tem cinco gols e três assistências. Os momentos estelares aqui são dele. O gol contra o México e o gol contra a Austrália, muito, muito Messi, já foram vistos mil vezes, senão assim. Ajuda ridícula contra a CroáciaInstantaneamente icônico: Josko Gvardiol, o zagueiro de quem todo mundo estava falando, virado do avesso e do avesso, quadris cortados, pernas amarradas em um nó de desenho animado.

Messi lidera as estatísticas do torneio em termos de gols, assistências, chances criadas, dribles e faltas sofridas. Isso ainda não o impediu. Ele jogou cada minuto. Era Maradona. ele acabou Maradona, Na verdade. E não se trata apenas de excelência; Há energia, expressão de compromisso e identidade. o sacrifício. Messi segurou o tendão da coxa por um longo tempo e depois o fez este para gvardiol. Trata-se da recusa absoluta em desistir: foi ele quem anunciou que isso ainda não havia sido feito derrota saudita. Dirigir os puxa. Pode não haver um momento de habilidade como o semifinalista, mas isso não se compara a sua contagem de gols contra o México.

O argentino Lionel Messi comemora após vencer a Croácia por 3 a 0.
Os companheiros argentinos de Lionel Messi querem ajudar seu superastro a terminar sua carreira na Copa do Mundo com o grande prêmio. Foto: Sean Bottrell/Viva/Getty Images

Houve um flash de raiva antes do alvo contra a Austrália. confrontos contra a Holanda. Limite, agressão, timidez, se preferir. O: O que você está olhando, idiota? Os torcedores argentinos adoraram. Parece que Messi também tem. “Sempre foi assim”, insiste Scaloni, e há nele um competidor feroz e raivoso, mas o fato de o treinador ter dito isso ajudou. Eles nunca o sentiram tão perto, nem ele os sentiu assim. Isso não é apenas uma competição, é uma causa. insurgência.

“Às vezes é difícil, não é fácil entrar em campo sabendo que você tem que vencer e se não, você vai para casa. Temos feito isso desde o segundo jogo. Isso tem um custo mental muito alto, e o grupo superou isso.” , “Ele disse. “Jogamos cinco ‘finais’ e temos mais uma.”

Seria errado esquecer como ele os levou às finais antes, mas isso é outra coisa. Parece diferente, parece diferente, se comporta de maneira diferente. Até porque uma geração diferente está viajando com ele, seu papel está mudando e parte do peso do passado é aliviado, deixado para trás. No entanto, também há um legado, diz Scaloni, naquilo que ele deixa. Eles, por sua vez, estavam desesperados para deixá-lo para esta última dança.

“O que ele fez na Copa América foi incrível, mas nunca vi nada parecido com esta Copa do Mundo na minha vida”, disse o goleiro Emiliano Martinez. Christian Romero acrescentou: “É uma loucura. Todo mundo sabe como ele é como jogador, mas ele é o tipo de pessoa que é. Ele é um exemplo, um cara que sempre quer mais. Ele leva muitos golpes, mas sempre se recupera. “

Nos últimos dias, uma foto está circulando: nela, Julian Alvarez, de 11 anos, posa ao lado de seu ídolo, Lionel Messi. Ele agora tem mais 11: seus companheiros desta vez, Messi segurando-o na chave depois que o atacante do Manchester City marcou contra a Croácia.

“As coisas que o Leo consegue fazer são inacreditáveis”, disse, e ele mesmo viu, ali para finalizar um passe impossível, o melhor da competição. Exceto talvez o que Messi deu a Nahil Molina na rodada anterior.

Messi havia feito aquele passe e o desarme lançou Alvarez, correndo e embalando, para fazer o segundo gol. Enquanto isso, foi Enzo Fernandez quem chutou a bola que deu origem ao primeiro gol de Messi, na cobrança de pênalti. E também cresceu vendo o homem que deu a liderança à Argentina, que a agarrou e arrastou para a segunda final da Copa do Mundo, assim como Maradona.

Em 2016, quando Messi estava pensando em se mudar, Fernandez postou uma mensagem no Facebook que havia assinado para ela, pedindo desculpas e obrigado. Foi mostrado: “Como é que a gente, um grupo de pessoas que não vive com a pressão de 1% que vocês fazem, 40 milhões de pessoas fazendo exigências ridículas de perfeição quando não te conhecemos, vão tentar te impressionar? Faça o que você quer, mas pense em ficar e se divertir.”

Agora é, finalmente, o tempo de sua vida e suas vidas levam-nos a todos para uma despedida final.

READ  O basquete feminino do Michigan Wolverines comemora sua primeira Elite Eight na história do programa após a derrota 'deslizante' para o título 'Big Ten'

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *