A França está a testemunhar uma elevada participação nas eleições parlamentares antecipadas, à medida que a extrema direita procura obter ganhos

Yara Nardi/AFP/Getty Images

O presidente francês, Emmanuel Macron, votou na primeira volta das eleições parlamentares numa assembleia de voto em Le Touquet, norte de França.



CNN

A França testemunhou a maior participação eleitoral em décadas no primeiro turno das eleições antecipadas Eleições parlamentares Estou quase no fim.

As eleições poderão derrubar a coligação centrista do Presidente Emmanuel Macron e deixá-lo passar os restantes três anos do seu mandato numa parceria incómoda com a extrema direita.

Estimativas publicadas pelo instituto de pesquisas Ipsos indicam que a participação eleitoral total no domingo deverá atingir 65,5%, o nível mais alto observado em França na primeira volta das eleições parlamentares desde 1997. As estimativas representam um aumento de 18 pontos em relação a 2022.

O processo de votação começou às 8h, hora local (2h, hora de Leste), quando a França iniciou o processo de eleição de 577 membros da Assembleia Nacional através de concursos locais em todo o país e nos seus territórios ultramarinos.

Estas eleições ocorrem três anos antes da data em que deveriam ter sido realizadas e três semanas depois de o partido Ennahda de Macron ter sido derrotado pelo partido de extrema-direita Reunião Nacional, o partido de Marine Le Pen, nas eleições para o Parlamento Europeu.

Minutos depois da derrota humilhante, e numa aparente tentativa de enganar os eleitores, Macron disse que não podia ignorar a mensagem enviada pelos eleitores e tomou a decisão “séria e pesada” de convocar eleições. Eleições antecipadas – A França é a primeira desde 1997.

Seja qual for o resultado, Macron prometeu permanecer no cargo até as próximas eleições presidenciais francesas em 2027.

A Assembleia Nacional é responsável pela aprovação das leis nacionais – desde pensões e impostos até imigração e educação – enquanto o presidente define a política externa, europeia e de defesa do país.

READ  Por que Putin está viajando para a China na sua primeira grande viagem ao exterior após o mandado de prisão do Tribunal Penal Internacional?

Yves Hermann/Reuters

A líder da extrema direita, Marine Le Pen, votou na cidade francesa de Henin-Beaumont no domingo.

Quando o presidente e a maioria no Parlamento pertencem ao mesmo partido, as coisas vão bem. Caso contrário, o governo poderá fechar – uma perspectiva que poderá assombrar Paris enquanto se prepara para acolher os Jogos Olímpicos de Verão no próximo mês.

A França estabeleceu recentemente tal governo – conhecido como “Coexistência” – quando o presidente de direita Jacques Chirac convocou eleições antecipadas e teve de nomear o socialista Lionel Jospin como primeiro-ministro, que permaneceu no cargo durante cinco anos.

O primeiro turno de votação exclui os candidatos mais fracos antes do segundo turno, no próximo domingo. Se um candidato obtiver a maioria absoluta dos votos na primeira votação com uma participação de 25%, ele ou ela ganha a cadeira. Normalmente, apenas alguns representantes seriam eleitos desta forma, mas a maioria deles iria para um segundo turno.

Somente poderá concorrer no segundo turno quem obtiver mais de 12,5% dos votos dos eleitores registrados. Esta rodada é frequentemente disputada entre dois candidatos, mas às vezes entre três ou quatro candidatos. Alguns candidatos optam por retirar-se nesta fase para dar aos seus aliados mais hipóteses de vitória.

A maioria dos eleitores escolherá um de três blocos: a coligação de extrema-direita liderada pelo Partido da Reunião Nacional; a Nova Frente Popular, uma coligação de esquerda recentemente formada; E a banda centrista de Macron.

O bloco é liderado pelo RN Jordan BardellA, a líder do partido de 28 anos escolhida por Le Pen, tem-se esforçado por melhorar a imagem de um partido historicamente atormentado pelo racismo e pelo anti-semitismo que se espalhou sob a liderança de décadas do seu pai, Jean-Marie Le Pen.

READ  O vasto interior da China está com pressa para reforçar suas defesas COVID

Até recentemente, a possibilidade de formar um governo de extrema direita era impensável. No passado, os partidos da oposição celebravam casamentos de conveniência numa tentativa de impedir a Frente Nacional – sob o seu antigo nome, Frente Nacional – de entrar no governo. Agora, dentro de algumas semanas, Bardella poderá tornar-se o primeiro-ministro de França – e o mais jovem primeiro-ministro da Europa em mais de dois séculos.

À esquerda, um grupo de partidos anteriormente divididos uniu-se para formar a Nova Frente Popular – uma coligação destinada a reviver a Frente Popular original que impediu os fascistas de chegarem ao poder em 1936. A ampla coligação inclui figuras mais extremistas, como Jean -Luc Mélenchon, três vezes candidato presidencial e líder da França Rebelde, bem como líderes moderados como Raphael Glaxman da Place Public.

Entretanto, o primeiro-ministro francês cessante, Gabriel Attal – que Macron nomeou para o cargo apenas em Janeiro – representa a coligação centrista de Macron. Diz-se que Attal foi um dos últimos membros do círculo íntimo de Macron a tomar conhecimento das eleições antecipadas que se aproximavam.

As pesquisas terminam às 20h, horário local (14h ET), no domingo, e os resultados completos são esperados na segunda-feira.

Correção: Uma versão anterior desta história distorceu o horário de abertura das urnas nas eleições. São 8h, horário local (2h ET), no domingo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *