A investigação canadense sobre alegações de interferência eleitoral na China foi descartada

  • Escrito por Nadine Youssef
  • BBC News, Toronto

legenda da foto,

O primeiro-ministro Justin Trudeau foi pressionado a abrir um inquérito público sobre alegações de interferência.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, endossou a recomendação de um relator especial de realizar audiências públicas sobre a interferência estrangeira nas eleições.

Na terça-feira, o relator indicado pelo governo se absteve de recomendar uma consulta pública formal.

Este conselho vem em resposta às alegações de que a China tentou interferir nas recentes eleições federais no Canadá.

Trudeau enfrentou pressão para abrir um inquérito público e os legisladores da oposição condenaram a decisão.

O primeiro-ministro David Johnston, ex-governador-geral do Canadá, nomeou em março um relator especial para investigar as alegações de interferência, que a China nega.

Em entrevista coletiva na terça-feira, Johnston disse que os governos estrangeiros estão “sem dúvida tentando influenciar os candidatos no Canadá”.

No entanto, ele disse que uma investigação pública não seria possível devido à sensibilidade da inteligência envolvida.

Johnston disse que chegou a suas conclusões depois de revisar relatórios classificados e entrevistar políticos seniores e oficiais de inteligência.

Johnston disse: “O que me permitiu determinar se realmente houve interferência que não poderia ser divulgada publicamente.” “Uma revisão geral da inteligência secreta não pode simplesmente ser conduzida.”

Em vez disso, em um relatório sobre as alegações, ele recomendou a realização de audiências públicas para discutir o que descreveu como “sérias deficiências na forma como a inteligência é transmitida das agências de segurança para vários departamentos do governo” no Canadá sobre a detecção e dissuasão de interferência estrangeira.

As alegações de interferência estrangeira decorrem de um fluxo constante de relatórios, a maioria baseados em informações vazadas, na mídia canadense nos últimos meses, que detalham as alegações de interferência chinesa nas eleições federais mais recentes do país, em 2019 e 2021.

Acredita-se que o esforço não tenha mudado o resultado de nenhuma das eleições gerais, mas abalou a política canadense.

Em uma coletiva de imprensa na terça-feira, Trudeau endossou as recomendações das audiências públicas de Johnston.

“Um debate agudo é um dos pilares da democracia”, disse ele.

Nossas instituições estão sendo questionadas e todos os níveis de governo são responsabilizados. Mas a democracia não é um jogo.

fonte de imagem, Getty Images

legenda da foto,

O ex-governador geral canadense David Johnston recomendou uma investigação formal sobre as alegações de interferência chinesa

O relatório de Johnston também criticou algumas reportagens da mídia sobre as alegações de interferência, dizendo que se baseavam em informações limitadas e careciam de contexto.

E embora o governo Trudeau tenha enfrentado acusações de que falhou em agir em casos específicos de interferência, Johnston disse que não encontrou nenhum exemplo do primeiro-ministro ou de outros “desconsiderando intencionalmente informações, conselhos ou recomendações sobre intervenção estrangeira”.

O líder do Partido Conservador, Pierre Poiliver, criticou o relatório de Johnston, acusando o relator especial de ser amigável com Trudeau em vez de ser imparcial no dossiê.

“Precisamos de um ano inteiro de investigação para chegar ao fundo da influência de Pequim em nossa democracia”, disse Poiliver em entrevista coletiva.

O líder do NDP, Jagmeet Singh, chamou o relatório de “incrivelmente decepcionante” e disse que seu partido continua pedindo uma investigação.

Johnson chamou os ataques à sua integridade de “acusações infundadas”.

Alegações de interferência chinesa na política canadense ganharam as manchetes nos últimos meses.

Relatórios de inteligência também detalharam acusações de que Pequim atacou um membro do parlamento e sua família em Hong Kong depois que o político acusou a China de abusos dos direitos humanos. Em resposta, o Canadá declarou o diplomata Zhao Wei “persona non grata” no início deste mês e ordenou que ele saísse. País.

No dia seguinte, a China ordenou a deportação da diplomata canadense em Xangai, Jennifer Lynn Lalonde.

A China negou repetidamente qualquer interferência na política canadense, acusando o Canadá de “calúnia e difamação” após expulsar seus diplomatas.

Esta questão prejudicou as relações diplomáticas entre os dois países.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *