À medida que o gelo derrete, a “zona da morte” do Monte Everest desiste dos seus fantasmas

Nas encostas sagradas do Monte Everest, as alterações climáticas estão a fazer cair neve e gelo, expondo cada vez mais os corpos de centenas de montanhistas que morreram tentando realizar o sonho de alcançar o cume da montanha mais alta do mundo.

Entre aqueles que escalaram a imponente montanha do Himalaia este ano, não havia nenhuma equipe com o objetivo de alcançar o pico de 8.849 metros (29.032 pés), mas arriscando suas vidas para derrubar alguns corpos.

Cinco corpos congelados ainda não identificados, incluindo um que era apenas restos de esqueletos, foram recuperados como parte de uma campanha de limpeza de montanhas no Nepal, no Monte Everest e nos picos vizinhos de Lhotse e Nuptse.

É um trabalho difícil, perigoso e difícil.

A equipe de resgate levou horas para remover o gelo com machados, e a equipe às vezes usava água fervente para liberar o gelo.

“Devido aos efeitos do aquecimento global, (cadáveres e lixo) tornaram-se mais visíveis à medida que a cobertura de neve diminui”, disse Aditya Karki, major do Exército do Nepal, que liderou a equipa de 12 soldados e 18 alpinistas.

Mais de 300 pessoas morreram na montanha desde o início das expedições na década de 1920, oito delas somente nesta temporada.

Ainda há muitos corpos, alguns escondidos sob a neve ou engolidos por fendas profundas.

Outros, ainda usando equipamentos de escalada coloridos, tornaram-se marcos no caminho para o cume.

Os apelidos incluem “The Green Boot” e “Bela Adormecida”.

– ‘Zona da morte’ –

“Há um impacto psicológico”, disse Karki à AFP.

“As pessoas acreditam que estão entrando no espaço divino quando escalam montanhas, mas se virem cadáveres subindo, isso pode ter um efeito negativo.”

READ  O atestado de óbito da rainha Elizabeth diz que ela morreu de 'velhice', mas o que isso realmente significa?

Muitos deles estão dentro da “zona da morte”, onde o ar rarefeito e os baixos níveis de oxigênio aumentam o risco do mal da altitude.

Os alpinistas devem ter seguro, mas qualquer missão de resgate ou recuperação está repleta de riscos.

Um dos corpos, coberto de gelo até o tronco, levou 11 horas para os alpinistas libertá-lo.

A equipe teve que usar água quente para desmontá-lo e retirá-lo com seus machados.

“É muito difícil”, disse Tshering Gangpo Sherpa, que liderou a missão de recuperação dos corpos.

“Extrair o corpo é uma parte, largá-lo é outro desafio.”

Sherpa disse que alguns dos corpos ainda pareciam como no momento da morte, totalmente vestidos, com fitas e cintos.

Um deles parece ter sido intocado, restando apenas uma luva.

A recuperação de corpos em grandes altitudes é um tema controverso para a comunidade de escalada.

Esta operação custa milhares de dólares e cada corpo requer oito socorristas.

O corpo pode pesar mais de 100 kg (220 lb) e, em grandes altitudes, a capacidade de uma pessoa de transportar cargas pesadas é gravemente afetada.

– “Vira cemitério” –

Mas Karki disse que esforços de resgate eram necessários.

“Temos que trazê-los de volta tanto quanto possível”, disse ele. “Se continuarmos a deixá-los para trás, as nossas montanhas transformar-se-ão num cemitério.”

Freqüentemente, os corpos são embrulhados em um saco e depois colocados em um trenó de plástico para serem arrastados.

Sherpa disse que baixar um único corpo do pico de 8.516 metros do Monte Lhotse, a quarta montanha mais alta do mundo, estava entre os desafios mais difíceis até agora.

Ele acrescentou: “O corpo estava congelado, com as mãos e as pernas abertas”.

READ  Zelensky adverte que os russos podem explodir uma usina nuclear para deter as forças ucranianas

“Tivemos que carregá-lo para o Acampamento Três como estava, e só então ele poderia ser levado para ser colocado em um trenó para ser rebocado.”

Rakesh Gurung, do departamento de turismo do Nepal, disse que os corpos foram inicialmente identificados e que as autoridades aguardam “testes detalhados” para a confirmação final.

Os corpos recuperados estão agora na capital, Katmandu, e aqueles que não foram identificados provavelmente serão cremados.

– Alpinistas perdidos –

Apesar dos esforços de recuperação, a montanha ainda guarda os seus segredos.

O corpo de George Mallory, o alpinista britânico que desapareceu enquanto tentava chegar ao cume em 1924, só foi encontrado em 1999.

Nem seu parceiro de escalada, Andrew Irvine, nem sua câmera foram encontrados, o que poderia fornecer evidências de um sucesso no cume que reescreveria a história do montanhismo.

A campanha de limpeza, que teve um orçamento de mais de 600 mil dólares, também recorreu a 171 guias e carregadores nepaleses para devolver 11 toneladas de lixo.

Barracas fluorescentes, equipamentos de escalada descartados, cilindros de gás vazios e até dejetos humanos cobrem o caminho que leva ao cume.

“As montanhas nos deram muitas oportunidades para os montanhistas”, disse Sherpa.

“Sinto que temos que retribuir a eles, temos que remover o lixo e os cadáveres para limpar as montanhas.”

Hoje, as missões estão sob pressão para remover os resíduos que produzem, mas o lixo histórico permanece.

“Os montanhistas poderão trazer o lixo de volta este ano”, disse Karki. “Mas quem vai trazer o antigo?”

PM/PJM/RSC/CWL

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *