A morte do secretário-geral da OPEP, Muhammad Barkindo

Barkindo, 63 anos, especialista da indústria do petróleo, deveria deixar o cargo no final deste mês após seis anos na primeira posição da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

“Perdemos nosso respeitado Dr. Muhammad Sanusi Barkindo”, escreveu Melle Kyari, CEO da NNPC, no Twitter, acrescentando que ele faleceu na terça-feira.

Kyari acrescentou que a morte é “uma grande perda para sua família imediata, NNPC, nosso país Nigéria, OPEP e a comunidade global de energia”.

Kyari disse que Barkindo morreu horas depois de se encontrar com o presidente nigeriano Muhammadu Buhari e proferir o discurso principal em uma cúpula de energia em Abuja.

Seu mandato como chefe da Opep foi marcado por choques globais que atingiram a indústria.

Durante seu discurso em Abuja, horas antes de sua morte, Barkindo disse que a indústria de petróleo e gás está “sob cerco” e continua a sofrer enormes perdas de investimento nos últimos anos.

“Em um período muito curto de tempo, a indústria experimentou dois grandes ciclos – a severa desaceleração do mercado em 2015 e 2016 e o ​​impacto de longo alcance da pandemia de Covid-19”, disse Barkindo.

A carreira de Barkindo na indústria do petróleo começou em Nigéria No início dos anos oitenta. Ele atuou em vários cargos no NNPC e representou a Nigéria no Conselho do Comitê Econômico da OPEP.

Ele foi o secretário-geral interino da OPEP em 2006, antes de retornar ao cargo 10 anos depois e liderar a organização em um período turbulento no mercado de petróleo, inclusive orientando-a para uma maior cooperação com produtores de petróleo não pertencentes à OPEP.

“Servir como secretário-geral da OPEP por dois mandatos foi uma honra para toda a vida. Nos últimos seis anos, testemunhamos momentos e histórias desafiadoras, que enfatizaram repetidamente a importância da cooperação e do trabalho em equipe”, disse Barkindo. Seu discurso principal é na terça-feira.

READ  Vladimir Putin deve ser parado de uma vez por todas

Diamantino Azevedo, ministro do Petróleo de Angola, membro da OPEP, disse à Reuters que Barkindo sempre buscou consenso a favor da organização.

O conselho anunciou recentemente que, depois de deixar a OPEP, Barkindo deveria se juntar ao think tank dos EUA no Centro de Energia Global do Conselho Atlântico como um membro distinto.

“Esta tragédia é um choque para a família da OPEP. Expressamos nosso pesar e profunda gratidão pelos mais de 40 anos de serviço dedicado que Muhammad Sanusi Barkindo prestou à OPEP. Sua dedicação e liderança inspirarão a OPEP por muitos anos”. A Secretaria disse em um tweet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.