Biden chega à Coreia do Sul com primeira parada na Samsung

BASE AÉREA DE Osan, Coreia do Sul (Reuters) – O presidente Joe Biden chegou à Coreia do Sul nesta sexta-feira, a primeira parada em sua primeira viagem à Ásia como presidente, onde são prováveis ​​suas tentativas de combater a influência da China e construir laços econômicos. As ameaças norte-coreanas foram superadas.

Biden pousou na base aérea dos EUA em Osan, ao sul de Seul. Ele estava programado para conhecer o novo presidente Yoon Seok Yeol, um recém-chegado à política, pela primeira vez pessoalmente. Os dois farão turnê pela Samsung Electronics (005930.KS) Plante juntos na sexta-feira antes de um dia inteiro de eventos no sábado. Consulte Mais informação

Um porta-voz do tribunal disse que o vice-presidente da Samsung Electronics, Jay Y. Lee, foi dispensado de comparecer à audiência de julgamento de fraude contábil na sexta-feira, quando ele deve sediar a turnê do presidente dos EUA. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Confrontar a presença da China na região é um tema importante para Biden na viagem, mas a Coreia do Sul provavelmente adotará um tom cauteloso em público sobre o assunto, já que Pequim é o parceiro comercial número um de Seul.

A Coreia do Sul deverá estar entre os membros inaugurais do Quadro Econômico Indo-Pacífico de Biden (IPEF), que será anunciado durante a viagem para estabelecer padrões para trabalho, meio ambiente e cadeias de suprimentos.

Questionado sobre a oposição de Pequim ao fórum internacional, Yoon disse a repórteres na sexta-feira que a adesão à estrutura não deve entrar em conflito com os laços econômicos da Coreia do Sul com a China.

READ  Indicadores climáticos críticos batem recordes em 2021, diz ONU | crise climatica

“Não precisamos olhar para isso como zero”, disse ele.

Hyundai Motor Company (005380.KS) Ele está trabalhando em planos para construir uma nova fábrica de carros elétricos nos Estados Unidos, e um anúncio pode coincidir com a visita de Biden. Consulte Mais informação

Biden e Yoon também enfrentarão a importante questão da Coreia do Norte. O líder Kim Jong Un abandonou uma moratória nos testes de ICBM e parece pronto para retomar os testes de bombas nucleares, possivelmente enquanto Biden estiver na região.

Questionado sobre a possibilidade de um teste de armas, o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse a repórteres a caminho da Coreia do Sul que a cooperação dos EUA com a Coreia do Sul e o Japão “só será reforçada diante de novas provocações” da Coreia do Norte.

“Estamos preparados para essas possibilidades”, disse Sullivan. Ele disse que os Estados Unidos disseram a aliados e à China que tal provocação durante a visita dos EUA “causaria ajustes na maneira como nossos militares estão posicionados na região”.

Yoon indicou que adotará uma postura mais dura em relação a Pyongyang do que seu antecessor e espera-se que busque a ajuda de Biden. Yun alertou sobre um ataque preventivo se houvesse um sinal de ataque iminente e prometeu reforçar a capacidade de dissuasão no sul. Consulte Mais informação

A Coreia do Norte divulgou seu surto de COVID-19 na semana passada, mas ignorou os pedidos de retorno à diplomacia.

Washington disse que está aberto a conversas diretas com Kim a qualquer momento, mas não ofereceu publicamente novas ideias sobre como persuadir a liderança do país a conversar. Biden decidiu não visitar a zona desmilitarizada fortemente fortificada que separa a Coreia do Sul da Coreia do Norte.

Reportagem adicional de Josh Smith, Hyunhye Shin e Juri Roh em Seul; Edição por Heather Timmons, Cynthia Osterman e Thomas Janowski

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.