Biden revela novo plano econômico para a América Latina em cúpula de reinicialização destruída pela oposição

LOS ANGELES (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta quarta-feira uma proposta de nova parceria econômica dos Estados Unidos com a América Latina com o objetivo de combater a crescente influência chinesa, no início de uma cúpula regional marcada por divergências e desdém pela lista de convidados.

Ao sediar a Cúpula das Américas em Los Angeles, Biden procurou tranquilizar os líderes reunidos sobre o compromisso de seu governo com a região, apesar das preocupações persistentes de que Washington, às vezes, ainda está tentando ditar isso para seus vizinhos mais pobres do sul.

A fila de chefes de Estado e de governo visitantes foi reduzida para 21 depois que Biden descartou Cuba, Venezuela e Nicarágua, levando o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador e vários outros líderes a se afastarem em protesto.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Temos que investir para garantir que nosso comércio seja sustentável e responsável na criação de cadeias de suprimentos mais resilientes, seguras e sustentáveis”, disse Biden na cerimônia de abertura.

Biden está buscando oferecer uma alternativa à China para os países latino-americanos que exigem maior participação econômica dos EUA, incluindo mais investimentos e aproveitando os acordos comerciais existentes.

No entanto, a Parceria das Américas para a Prosperidade Econômica, que aparentemente ainda está em andamento, não oferece alívio tarifário e, de acordo com um alto funcionário do governo, inicialmente se concentrará nos “parceiros com ideias semelhantes” que os Estados Unidos já têm. acordos comerciais. O funcionário acrescentou que as negociações devem começar no início do outono.

Biden delineou seu plano quando lançou a cúpula, que foi concebida como uma plataforma para mostrar a liderança americana na revitalização das economias latino-americanas e abordar níveis recordes de imigração irregular na fronteira EUA-México.

READ  Naftali Bennett dissolve o governo israelense ao realizar novas eleições

Mas sua agenda foi prejudicada por um boicote parcial de líderes ressentidos com a decisão de Washington de se livrar de seus principais oponentes de esquerda na região.

Como resultado, Biden deu as boas-vindas a um grupo maior do que o normal de secretários de Estado sentados na frente de seus líderes nacionais enquanto dignitários caminhavam um após o outro em um tapete vermelho cercado por uma guarda de honra militar.

Autoridades dos EUA esperam que a cúpula e uma reunião paralela de empresários abram o caminho para uma maior cooperação, à medida que os governos que lutam com a alta inflação trabalham para trazer as cadeias de suprimentos esticadas pela pandemia do COVID-19 para mais perto de casa.

Biden também usou seu discurso para prever a declaração da cúpula de sexta-feira sobre imigração, chamando-a de “abordagem nova, integrada e inovadora” com responsabilidade compartilhada em todo o hemisfério. Mas deu poucos detalhes.

Mesmo enquanto Biden aborda prioridades como tiroteios em massa, inflação alta e a guerra na Ucrânia, a autoridade dos EUA disse que o presidente está tentando pressionar as metas competitivas do governo contra a China ao lançar a Nova Parceria para a região.

O plano dos EUA também propõe a revitalização do Banco Interamericano de Desenvolvimento e a criação de empregos de energia limpa

No entanto, o governo parece estar agindo com cautela, percebendo que a iniciativa que promove empregos no exterior pode enfrentar oposição protecionista dos EUA.

READ  Arqueólogos descobrem antiga cidade maia em canteiro de obras

Desafio da China

Obviamente, o desafio da China é uma consideração importante.

Os dados mostraram que a China ampliou a diferença nos Estados Unidos em termos de comércio em grande parte da América Latina desde que Biden assumiu o cargo em janeiro de 2021.

Uma análise exclusiva da Reuters dos dados comerciais das Nações Unidas de 2015-2021 mostra que, fora do México, o maior parceiro comercial dos Estados Unidos, a China ultrapassou os Estados Unidos na América Latina e aumentou sua vantagem no ano passado. Consulte Mais informação

“O melhor antídoto para a invasão da região pela China é garantir que entregamos nossa visão positiva para a região economicamente”, disse o funcionário do governo.

Assessores de Biden retrataram a cúpula como uma oportunidade para os Estados Unidos reafirmarem sua liderança na América Latina após anos de negligência comparativa sob seu antecessor, Donald Trump.

Mas as tensões diplomáticas eclodiram nesta semana quando Washington optou por não convidar os três países, que diz estar violando os direitos humanos e os valores democráticos.

López Obrador rejeitou sua exigência de convidar todos os países e disse que ficaria longe, desviando a atenção dos objetivos do governo dos EUA e das divisões regionais.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse a repórteres que a escolha de alguns líderes de não comparecer reflete suas “próprias decisões” e que o trabalho substantivo continuará a ser realizado.

O presidente cubano, Miguel Diaz-Canel, disse que os Estados Unidos não têm “autoridade moral” para fazer palestras sobre democracia e agradeceu a López Obrador por sua “solidariedade”.

Os líderes da Guatemala e Honduras, dois dos países que mais enviam imigrantes para os Estados Unidos, também ficaram em casa, levantando questões sobre o significado da próxima declaração conjunta de imigração.

READ  Mísseis russos atingem a Ucrânia, diz Kyiv

No entanto, líderes de mais de 20 países, incluindo Canadá, Brasil e Argentina, estão participando da cúpula organizada pelos Estados Unidos pela primeira vez desde sua sessão inaugural em 1994.

Biden usará o encontro desta quinta-feira com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro para falar sobre mudanças climáticas e também discutirá o tema “eleições abertas, transparentes e democráticas” no Brasil. Consulte Mais informação

Bolsonaro, um admirador populista de Trump que teve relações frias com Biden, levantou dúvidas sobre o sistema eleitoral do Brasil, sem fornecer evidências, antes das eleições de outubro, de que as pesquisas de opinião mostram que ele perdeu para seu rival de esquerda Luis Inácio Lula da Silva.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Trevor Honeycutt, Dyna Beth Solomon, Matt Spitalnick, Dave Graham, Humira Pamuk; reportagem adicional de Jeff Mason, Steve Holland e Dave Sherwood. Escrito por Matt Spitalnick e Dave Graham; Edição por Grant McCall e Richard Boleyn

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.