Casa 6 de janeiro Discussão com Ginny Thomas na frente do painel para perguntas do grupo

Embora alguns membros tenham levantado a possibilidade de convidar voluntariamente Thomas para comparecer perante o painel, ou levantar a possibilidade de forçar seu testemunho fornecendo uma sapona, há poucas indicações de que a ideia tenha sido levada a sério até agora, acrescentaram as fontes.

Surgiram debates sobre se o testemunho de Thomas seria diretamente relevante para a investigação e se eles deveriam abordá-lo diretamente.

Os membros avaliam o custo político de chamar uma testemunha tão importante e as possibilidades de que a esposa do juiz da Suprema Corte não possa cooperar ou fornecer informações sobre a extremidade óptica. Eles se preocupam que ela possa criar um conflito que possa distraí-los de seu trabalho geral.

Tanto o juiz Thomas quanto Ginny Thomas se recusaram a comentar as perguntas da CNN na sexta-feira.

“Não, obrigado”, disse o juiz Thomas, vestindo uma camisa azul de botão e parado em sua garagem quando a CNN pediu que ele falasse. Gina Thomas saiu sem comentar.

Ginny Thomas ficou sob escrutínio depois que a CNN relatou mensagens de texto que ele trocou com o CEO do ex-presidente Donald Trump, Mark Meadows, entre novembro de 2020 e janeiro de 2021.

As 29 mensagens de texto entre Thomas e Meadows, conhecidas por estarem em poder do grupo, mostram que ele repetidamente pressionou o principal assessor de Trump a continuar a luta para derrotar as eleições de 2020.

Um porta-voz do grupo seleto não comentou especificamente sobre Thomas, mas disse à CNN que o grupo não se recusou a oferecer saponas a ninguém.

READ  Petrolífera Aramco bate recorde de preços do petróleo no primeiro trimestre

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.