Centenas de pessoas foram evacuadas após um incêndio em uma favela perto do elegante distrito de Gangnam, em Seul.

SEUL, 20 Jan (Reuters) – Um incêndio atingiu uma favela na capital sul-coreana, Seul, nesta sexta-feira, destruindo 60 casas, muitas delas feitas de papelão e madeira, e forçando a retirada de cerca de 500 pessoas.

Os serviços de emergência levaram cinco horas para apagar o incêndio que começou antes do amanhecer no vilarejo de Guriong, localizado do outro lado de uma rodovia do afluente distrito de Gangnam, em Seul. Autoridades disseram que nenhuma vítima foi relatada até agora.

Kuryong, lar de cerca de 1.000 pessoas, é uma das últimas favelas remanescentes da capital e se tornou um símbolo de desigualdade na quarta maior economia da Ásia.

Dez helicópteros e centenas de bombeiros, policiais e tropas se uniram aos esforços para apagar o incêndio, que as autoridades disseram ter destruído cerca de um décimo das mais de 600 casas em Kuryong.

“Eu vi um flash da cozinha, abri a porta e as chamas vinham das casas vizinhas”, disse Shin, uma mulher de 72 anos cuja casa foi completamente destruída.

“Então bati em todas as portas próximas e gritei: ‘Fogo!’ Depois liguei para o 119″, disse ela, citando apenas o sobrenome.

Kim Doo-chun, 60, disse que sua família não foi afetada pelo incêndio, mas disse à Reuters que o vilarejo está constantemente em risco de desastre por causa de suas casas de papelão e becos estreitos.

READ  Como o Facebook se torna uma meta

“Se houver um incêndio nesta área, se não respondermos rapidamente, todo o vilarejo estará em risco. Portanto, estamos respondendo juntos há décadas”, disse Kim, que mora na área há 30 anos.

A favela há muito sofre com incêndios e inundações, e os problemas de segurança e saúde são abundantes.

O governo revelou planos para redesenvolvimento e realocação após um grande incêndio no final de 2014, mas esses esforços fizeram pouco progresso em meio a um cabo de guerra de décadas entre proprietários de terras, residentes e autoridades.

Funcionários cívicos no distrito de Seul e Gangnam e desenvolvedores estatais estão em desacordo sobre como compensar os proprietários de terras em Kuryong.

O presidente Yoon Suk-yeol, que foi informado do incêndio na Suíça para o Fórum Econômico Mundial, ordenou todos os esforços para evitar um grande desastre, disse seu porta-voz Kim Yoon-hye.

O prefeito de Seul, Oh Se-hoon, visitou a vila ainda fumegante e pediu às autoridades que se preparassem para realocar as famílias afetadas.

Relatado por Hyeonhee Shin; Edição: Christian Schmollinger, Gerry Doyle e Simon Cameron-Moore

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *