Cientista de laser russo morre dois dias depois de ser preso por traição

  • Cientista doente preso em cama de hospital
  • A família diz que a acusação ‘ridícula’ foi baseada em palestras na China
  • O advogado pretende apresentar uma queixa legal

LONDRES (Reuters) – Um cientista russo preso na Sibéria na semana passada por suspeita de traição e levado de avião para Moscou apesar de sofrer de câncer de pâncreas avançado morreu, disseram advogados e um membro da família neste domingo.

O físico Dmitry Kolker, 54, foi retirado de sua cama de hospital, onde foi alimentado por um tubo, e colocado em um voo de mais de quatro horas para Moscou, onde os advogados disseram que ele foi levado para a prisão de Lefortovo e depois morreu em um hospital próximo. .

Seu primo, Anton Dyanov, disse à Reuters dos Estados Unidos que a acusação contra o especialista em laser de que ele havia traído os segredos de Estado da China não era razoável.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Ele era um cientista, amava seu país, estava trabalhando em seu país apesar dos muitos convites das principais universidades e laboratórios para trabalhar no exterior. Ele queria trabalhar na Rússia, queria ensinar estudantes lá”, disse ele.

“Essas acusações são muito absurdas, muito cruéis e incomuns para serem impostas a um homem tão doente. Eles sabiam que ele estava em seu leito de morte e decidiram prendê-lo.”

A família e os advogados disseram que Kolker foi preso e sua casa revistada pelo FSB. Eles disseram que as acusações de traição – que podem levar a uma sentença de até 20 anos – são baseadas em palestras que Kolker deu na China, embora o conteúdo tenha sido aprovado pelo FSB.

READ  Delegado da ONU visita Xinjiang, China, onde arquivos policiais detalham abuso de uigures

A Reuters não recebeu uma resposta a um pedido de comentário enviado por e-mail do FSB.

O advogado Alexander Fedulov disse à Reuters que tentou entrar em contato com as autoridades em nome de Kolker, mas foi removido do Departamento de Investigação do FSB e da prisão.

Ele disse que apresentará uma queixa legal na segunda-feira sobre as circunstâncias da prisão de Kolker.

No sábado, a agência de notícias oficial TASS disse que a Rússia havia detido um segundo cientista em Novosibirsk por suspeita de traição ao Estado. Não ficou claro se os dois casos estavam relacionados. Consulte Mais informação

Vários cientistas russos foram presos e acusados ​​de traição nos últimos anos por supostamente passarem materiais sensíveis a estrangeiros. Críticos do Kremlin dizem que as prisões muitas vezes resultam de paranóia infundada.

O primo Dianov disse que Kolker também era um pianista e organista muito talentoso e se apresentou na Rússia e na Europa.

Lutando contra as lágrimas, ele disse: “Para mim, alguém que vem produzindo coisas tão bonitas não pode fazer o que acusa. E isso eu vou lembrar para sempre.” “Isso é o que Dima é para mim e para o resto da família.”

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reuters Report Editing por Alexandra Hudson)

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.