Coinbase critica SEC por caso de insider trading

Sinalização da Coinbase na Times Square de Nova York durante a oferta pública inicial da empresa na Nasdaq em 14 de abril de 2021.

Robert Nickelsberg | Boas fotos

Coinbase As alegações da Securities and Exchange Commission de que a empresa estava oferecendo títulos não registrados foram adiadas após alegações de fraude contra um ex-funcionário.

Um ex-gerente de produto da Coinbase foi acusado na quinta-feira de duas outras pessoas por fraude eletrônica em conexão com um esquema de informações privilegiadas envolvendo criptomoedas. Este caso é o primeiro caso.

Os promotores dos EUA alegaram que indivíduos conspiraram para lucrar com a listagem da Coinbase antes que novos tokens fossem anunciados publicamente em sua plataforma.

Em uma queixa separada apresentada na quinta-feira, a SEC disse que nove dos 25 tokens supostamente negociados no programa eram títulos.

O diretor jurídico da Coinbase, Paul Grewal, disse na quinta-feira que um Blogue “Coinbase não lista títulos. Fim da história.”

“Sete dos nove ativos incluídos nas acusações da SEC estão listados no site da Coinbase”, disse Grewal em um post no blog. “Nenhum desses ativos são títulos.”

“A Coinbase tem um processo rigoroso para analisar e revisar todos os ativos digitais antes de disponibilizá-los em nossa exchange – que a própria SEC revisou.”

Se certas criptomoedas devem ser consideradas títulos é uma questão controversa que confundiu tanto os reguladores quanto as empresas de criptomoedas.

A empresa de blockchain Ripple, com sede em São Francisco, está atualmente lutando contra uma ação da SEC que exige que o XRP e sua criptomoeda intimamente relacionada sejam tratados como um título.

READ  Videogames: quais são os sucessos de cada plataforma?

Isso leva a um caso histórico da Suprema Corte conhecido como Teste Howie, que considera um ativo seguro se atender a determinados critérios. De acordo com a SEC, um título é definido como “um investimento de dinheiro em uma empresa comum, com uma expectativa razoável de lucro derivado dos esforços de outros”.

A posição da SEC é significativa porque a Coinbase pode ser forçada a classificar algumas das criptomoedas que oferece como instrumentos financeiros regulamentados.

O processo de listagem de valores mobiliários, como ações de uma empresa, envolve requisitos rigorosos de divulgação e registro. As criptomoedas, por outro lado, não são regulamentadas e, portanto, não vêm com o mesmo nível de escrutínio.

A Coinbase é conhecida por ser mais conservadora com sua estrutura de listagem de tokens do que algumas outras exchanges. Tanto a Binance quanto a FTX oferecem mais de 300 moedas, por exemplo, enquanto a Coinbase lista mais de 200, de acordo com dados da CoinGecko.

No entanto, a SEC acredita que a empresa hospeda títulos não regulamentados em sua plataforma, o que a Coinbase nega.

Carolyn Baum, comissária da Commodity Futures Trading Commission, opinou sobre o caso na quinta-feira, chamando as alegações de fraude de valores mobiliários da SEC “um excelente exemplo de ‘regulamentação pela aplicação'”. A CFTC supervisiona a negociação de câmbio.

“As alegações da SEC podem ter implicações de longo alcance além deste caso único, ressaltando o quão importante e urgente é que os reguladores trabalhem juntos”, disse Baum em comunicado. “A clareza regulatória vem do aberto, não do escuro.”

Grewal, da Coinbase, concordou com a avaliação de Pham.

“Em vez de elaborar regras projetadas de maneira inclusiva e transparente, a SEC confiou nesses tipos de ações de execução única para colocar todos os ativos digitais, não títulos, sob sua jurisdição”, disse ele.

READ  Invasores vs. Jaguars marcam, takeaways: Las Vegas inicia forte era de Josh McDaniels e derruba Jacksonville

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.