Conversas de Trump em 6 de janeiro: promotores se preparam para batalha judicial para conseguir que ex-funcionários da Casa Branca deponham

O privilégio executivo que os promotores esperam do ex-presidente está em questão à medida que a investigação criminal se aprofunda nas fileiras de funcionários que tiveram contato direto com funcionários da Casa Branca para proteger certas informações de um grande júri federal. Trunfo.

Uma briga no tribunal de privilégio executivo imediatamente colocaria a investigação do Departamento de Justiça em uma posição mais agressiva do que a investigação de Mueller – uma investigação criminal importante de anos sobre Trump como presidente. Ele acabou não sendo acusado.

Diante da situação inusitada de processar um ex-presidente por atos praticados no exercício do cargo, o enfrentamento da questão do privilégio reflete a preocupação do Judiciário. Isso pode trazer uma das primeiras grandes batalhas judiciais sobre a separação de poderes no julgamento criminal de 6 de janeiro.

Ex-assessores de Pence testemunham

A tentativa de Trump de manter o sigilo mais recentemente veio no testemunho do grande júri federal Marcar Curto e Greg Jacobs, um assessor próximo do ex-vice-presidente Mike Pence.

Antes de seu recente depoimento ao júri, os promotores, juntamente com os advogados de Short e Jacobs, delinearam algumas perguntas que evitariam para evitar possíveis problemas de privilégios, e o People disse que foi informado sobre o assunto, com a expectativa de que retornaria a essas perguntas. mais tarde.

Merrick Garland não descartou indiciar Trump e outros na audiência de 6 de janeiro

Nenhum dos dois responderia a perguntas sobre seu contato direto com Trump ao testemunhar no julgamento criminal nas últimas semanas, segundo duas pessoas familiarizadas com o assunto.

Tanto Short, ex-conselheiro-chefe de Pence, quanto Jacobs, seu ex-conselheiro-chefe, participaram de uma reunião no Salão Oval de 4 de janeiro de 2021, onde Trump pressionou Pence a seguir um plano apresentado pelo advogado John Eastman para bloquear a certificação. Resultados eleitorais.

READ  Ucrânia: dedo do meio de Putin 'no ataque da ONU a Kiev

Apesar das questões de privilégios, as testemunhas passaram horas respondendo a perguntas do grande júri sobre a campanha de pressão contra Pence da qual Trump fazia parte, evitando perguntas diretas sobre o ex-presidente, segundo pessoas informadas sobre o assunto.

Perguntas dos promotores indicaram que os investigadores estavam se concentrando no papel de Trump e Eastman, do advogado de Trump Rudy Giuliani e outros em um esquema mais amplo para bloquear a certificação dos resultados das eleições e organizar eleitores falsos para manter Trump. Ele permaneceu no cargo apesar de perder a eleição, de acordo com a Interpretação do Povo.

A abordagem de Jacob e Short tem sido até agora com o judiciário De acordo com o que eles fizeram Ele evitou responder a algumas perguntas sobre o que Trump disse em 6 de janeiro, de acordo com uma fonte do Comitê de Seleção da Câmara.
O painel de 6 de janeiro expande seu interesse em usar a 25ª Emenda contra Trump com Mnuchin e outras entrevistas do gabinete

A extensão do privilégio executivo do ex-presidente para proteger depoimentos em uma investigação criminal permanece lei indefinida, e funcionários do Departamento de Justiça esperam que Trump tente fundamentar suas alegações em uma audiência do Comitê Seleto da Câmara em 6 de janeiro.

E claramente, dado o privilégio e as barreiras ao acesso a outras testemunhas, os promotores ainda estão nos estágios iniciais de investigar qualquer papel direto de Trump. Os promotores parecem estar mais envolvidos em sua investigação sobre os associados de Trump que planejaram o esquema para mantê-lo no cargo, disseram as pessoas.

Short é representado por Emmett Flood, um proeminente advogado de Washington conhecido como um acérrimo defensor do privilégio presidencial.

Um advogado da Flood and Jacobs se recusou a comentar esta história. Um advogado que lida com questões de privilégios para Trump não respondeu às perguntas da CNN na quinta-feira.

READ  Anúncios diretos: a Rússia ocupa a Ucrânia

Anteriormente, os tribunais decidiram contra os esforços de Trump para proteger seus documentos da Casa Branca de serem entregues ao Comitê Seleto da Câmara.

O governo Biden optou em grande parte por não apresentar reivindicações de privilégios em 6 de janeiro, tornando as alegações de Trump como ex-presidente mais fracas do que seriam se ele ainda estivesse no cargo.

Se outra batalha judicial sobre o processo do grande júri de 6 de janeiro para investigar Trump for adiante, as autoridades que supervisionam a investigação acreditam que o Departamento de Justiça tem uma forte chance de vencer essa briga.

Os tribunais geralmente acham que as reivindicações de privilégios executivos são mais facilmente resolvidas em investigações criminais do que em investigações do Congresso.

Tentativas anteriores de furar o privilégio executivo

Em 1974, a Suprema Corte decidiu liberar as fitas de Watergate durante o impeachment do então presidente Richard Nixon, apesar de uma ordem executiva presidencial, uma decisão histórica que acelerou a presidência de Nixon.

E durante o governo Clinton, um tribunal federal de apelações em DC decidiu várias vezes contra privilégios executivos – e o fez de forma relativamente rápida. A Suprema Corte não estava no caminho dos investigadores criminais na época.

O ex-conselheiro da Casa Branca Neil Eccleston disse esta semana que “acho que o Departamento de Justiça terá facilidade em vencer isso” se surgir um problema com Trump tentando bloquear a investigação do DOJ. Eccleston discutiu questões de privilégio no tribunal em nome da Casa Branca na década de 1990.

“Isso vai acontecer em dias. Não vai demorar muito”, acrescentou Eggleston.

Eccleston descreveu a decisão de Nixon como um teste de equilíbrio que os juízes devem aplicar, onde a necessidade de confidencialidade do presidente é muitas vezes insuficiente para superar as demandas de uma investigação federal do grande júri.

READ  8 melhores jogos para seu novo Xbox 2021

A investigação sobre Clinton, conduzida pelo então advogado especial Kenneth Starr, terminou a favor do Departamento de Justiça menos de cinco meses depois que o governo Clinton esperava mantê-la em segredo do escritório do advogado da Casa Branca. E uma investigação criminal separada em um membro do gabinete de Clinton, onde os investigadores vasculharam documentos e levaram dois anos para chegar a um veredicto final.

Nos últimos meses, no caso dos Arquivos Nacionais de Trump contra investigadores da Câmara, a Suprema Corte resolveu a disputa em três meses.

Esta história foi atualizada com detalhes adicionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.