Descoberta no quintal de paleontólogos revela evidências de humanos primitivos na América do Norte

Sinais de abate podem ser vistos nas costelas do mamute. A costela superior mostra uma fratura do impacto da força contundente, a costela média mostra uma ferida de perfuração e a costela inferior mostra marcas de lascas. (Timothy Rowe et al., Universidade do Texas em Austin)

Tempo estimado de leitura: 4-5 minutos

AUSTIN, Texas – A surpreendente descoberta de fósseis de mamutes no quintal de um paleontólogo levou a uma descoberta ainda mais inesperada.

Os restos mortais de um mamute fêmea de 37.000 anos e seu filhote mostram sinais distintos de abate, fornecendo novas evidências de que os humanos podem ter chegado à América do Norte muito antes do que se pensava anteriormente.

O paleontólogo Timothy Rowe aprendeu sobre os fósseis em 2013, quando um vizinho notou algo emergindo de uma encosta em algumas das propriedades de Roe no Novo México.

Após um exame mais detalhado, Roo encontrou uma presa, um crânio gigante estilhaçado e outros ossos que pareciam ter sido deliberadamente quebrados. Acreditava-se que era o local onde dois mamutes foram massacrados.

“O que temos é incrível”, disse Rowe em um comunicado. “Não é um local atraente com um belo esqueleto ao lado. Tudo está quebrado. Mas essa é a história.”

Rowe, professora da Universidade do Texas na Jackson School of Earth Sciences em Austin, é especialista em paleontologia de vertebrados e geralmente não estuda mamutes ou humanos primitivos. Mas ele não pode deixar de trabalhar na pesquisa por causa da localização da descoberta.

Duas escavações de seis semanas ocorreram no local em 2015 e 2016, mas a análise no laboratório levou muito mais tempo e ainda está em andamento, disse Rowe. Ele é o autor principal de um novo estudo que fornece uma análise do site e suas implicações, que foi publicado na revista Fronteiras em Ecologia e Evolução em julho.


O que temos é incrível. Não é um local atraente com um esqueleto bonito ao seu lado. Tudo está definido. Mas esta é a história.

– Timothy Rowe, paleontólogo


“Ainda tenho que abordar completamente a coincidência cósmica deste site aparecer no meu quintal”, escreveu Rowe em um e-mail.

Análise do site

Vários achados no local retratam o que aconteceu há milhares de anos, incluindo ferramentas ósseas, evidências de fogo, ossos com fraturas e outros sinais de abate de animais por humanos.

Longos ossos de mamute moldados em lâminas descartáveis ​​foram usados ​​para esmagar carcaças de animais antes que o fogo ajudasse a derreter a gordura.

De acordo com o estudo, fraturas por força contundente podem ser vistas nos ossos. Não havia ferramentas de pedra no local, mas os pesquisadores encontraram facas feitas de osso com bordas desgastadas.

Uma análise química do sedimento ao redor dos ossos de mamute mostrou que o fogo foi sustentado e controlado e não causado por um incêndio florestal ou relâmpago. Também havia evidências de ossos quebrados, bem como restos cremados de pequenos animais, incluindo pássaros, peixes, roedores e lagartos.

Close-up de uma pilha de ossos durante a escavação.  Essa mistura aleatória de costelas, ossos quebrados do crânio, molares, fragmentos de ossos e cascalho é uma pilha de lixo de um mamute abatido.  Foi preservado sob o crânio e as presas de um mamute adulto.
Close-up de uma pilha de ossos durante a escavação. Essa mistura aleatória de costelas, ossos quebrados do crânio, molares, fragmentos de ossos e cascalho é uma pilha de lixo de um mamute abatido. Foi preservado sob o crânio e as presas de um mamute adulto. (Foto: Timothy Rowe, Universidade do Texas em Austin)

A equipe de pesquisa usou tomografia computadorizada para analisar os ossos do local, encontrando perfurações que poderiam ter sido usadas para drenar a gordura das costelas e vértebras. Roe disse que os humanos que mataram os mamutes eram meticulosos.

“Eu cavei dinossauros exumados, mas o padrão de desintegração óssea e quebra de abate humano era diferente de tudo que eu já vi”, disse Rowe.

O detalhe mais surpreendente sobre o local é que fica no Novo México – e evidências anteriores sugerem que os humanos nem existiam dezenas de milhares de anos depois.

Trace os primeiros passos humanos

O colágeno retirado de ossos de mamute ajudou os pesquisadores a determinar que os animais foram abatidos no local entre 36.250 e 38.900 anos atrás. Essa faixa etária torna o sítio do Novo México um dos mais antigos construídos por humanos antigos na América do Norte, disseram os pesquisadores.

Os cientistas debatem há anos quando os primeiros humanos chegaram à América do Norte.

Um estudo recente dos restos mortais de um bebê mamute abatido mostra que os humanos viveram na América do Norte dezenas de milhares de anos antes do que se acreditava tradicionalmente.
Um estudo recente dos restos mortais de um bebê mamute abatido mostra que os humanos viveram na América do Norte dezenas de milhares de anos antes do que se acreditava tradicionalmente. (Foto: Serviço Nacional de Parques)

A cultura Clóvis de 16.000 anos é famosa pelas ferramentas de pedra que deixaram para trás. Mas há uma quantidade crescente de evidências que sugerem que locais antigos na América do Norte abrigavam populações pré-Clóvis com uma linhagem genética diferente. Sítios antigos contêm um tipo diferente de evidência, como pegadas preservadas, ferramentas ósseas ou ossos de animais com marcas de corte com mais de 16.000 anos.

“Os humanos estão nas Américas há mais de duas vezes mais tempo do que os arqueólogos há muitos anos”, disse Rowe. “Este site indica que os humanos alcançaram a distribuição global muito antes do que se entendia anteriormente.”


Este site indica que os humanos alcançaram a distribuição global muito antes do que se entendia anteriormente.

– Timothy Rowe, paleontólogo


A localização do local, localizado no interior ocidental da América do Norte, indica que os primeiros humanos chegaram há 37.000 anos, de acordo com o estudo. É possível que esses primeiros humanos viajassem por terra ou ao longo de estradas costeiras.

Rowe disse que queria coletar amostras do local para procurar sinais de DNA antigo.

Mike Collins, professor aposentado da Texas State University em Liberar. “Constitui um caminho que outros podem aprender e seguir.”

Collins não estava envolvido no estudo. Ele liderou a pesquisa no sítio arqueológico de Gault, que contém artefatos de Clovis e pré-Clovis, perto de Austin, Texas.

“Acho que o significado mais profundo da conquista inicial do homem na distribuição global é uma nova questão importante a ser explorada”, disse Rowe. “Nossas novas técnicas forneceram evidências precisas da presença humana no registro arqueológico, e suspeito que existam outros locais de idades semelhantes ou até mais antigas que não foram reconhecidos”.

Últimas histórias científicas

Mais histórias nas quais você pode se interessar

READ  O físico afirma ter resolvido o mistério da consciência

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.