Eleições francesas de 2024 ao vivo: o partido da Frente Nacional ganha o maior número de assentos, o bloco de Macron está em segundo lugar e o bloco de Le Pen está em terceiro lugar

Aplausos explodiram nas ruas de Paris na noite de domingo, quando os resultados esperados indicaram que a Nova Frente Popular, de esquerda, derrotaria o partido de extrema direita Reunião Nacional nas primeiras eleições parlamentares da França.

Mais tarde, uma grande multidão reuniu-se na Praça da República da capital para celebrar a vitória da coligação de esquerda com o maior número de assentos no parlamento, gritando: “Jovens, esmaguem a Frente Nacional”, um slogan popular da esquerda.

A Aliança França Livre é um agrupamento de vários partidos que vão desde a França Insurgente de extrema esquerda até o Partido Socialista mais moderado e o Partido Ambientalista.

A coligação conquistou 182 assentos na Assembleia Nacional, tornando-se o maior grupo, mas aquém dos 289 assentos necessários para uma maioria absoluta, segundo o Ministério do Interior francês.

Funcionários eleitorais começam a contar votos em Schiltheim, França.

Falando a uma multidão de apoiantes perto da Praça Estalinegrado, Jean-Luc Mélenchon, líder do movimento rebelde francês, disse que os resultados foram um “enorme alívio para a esmagadora maioria da população do nosso país”.

“O nosso povo rejeitou claramente o pior cenário”, disse Mélenchon. “Uma onda maravilhosa de mobilização cívica tomou conta!”

Jean-Luc Mélenchon, líder do partido França Insurgente e membro da Nova Frente Popular, acena aos apoiantes em Paris após o anúncio dos resultados parciais.

No final da noite de domingo, a polícia evacuou a Praça da República, disparando gás lacrimogéneo contra a multidão, a maioria deles jovens.

Mas os manifestantes permaneceram otimistas, pois as fotos mostravam pessoas por toda a cidade aplaudindo e comemorando.

READ  Como o drama político na Itália forçou eleições

As pessoas reagem às expectativas de resultados em Paris.

O clima era ainda mais sombrio para os apoiadores do partido de extrema direita RN.

No parque Bois de Vincennes, em Paris, a atmosfera entusiasmada durante um evento eleitoral para o Partido Nacional Francês deteriorou-se uma hora antes do encerramento das urnas, depois de ter ficado claro que o bloco de extrema-direita ficaria em terceiro lugar na votação.

As pessoas se reúnem na Place de la République, em Paris, para comemorar os resultados das primárias.

Depois de anunciar a oferta, Jordan BardelaO líder do partido Frente Nacional, de 28 anos, disse que a França entrou num estado de “incerteza e instabilidade”.

Apesar da liderança após a primeira volta da votação, o partido de extrema-direita Reunião Nacional, liderado por Marine Le Pen e seus aliados, conquistou 143 assentos.

Na ausência de qualquer partido que consiga obter a maioria, o Parlamento ficará provavelmente paralisado e dividido entre três blocos.

Marine Le Pen, líder do partido de extrema-direita Reunião Nacional, fala aos repórteres em Paris depois de resultados parciais terem mostrado que o seu partido não alcançaria a maioria.

O forte desempenho alcançado pelo Partido do Rally Nacional na primeira volta levantou receios de que a França estivesse prestes a eleger o primeiro governo de extrema-direita desde o regime de Vichy, que cooperou com o inimigo durante a Segunda Guerra Mundial.

Mas os resultados de domingo foram uma grande surpresa e demonstraram o desejo esmagador dos eleitores franceses de impedir a extrema-direita de chegar ao poder – mesmo à custa de um parlamento suspenso.

A reação dos apoiadores do partido de extrema direita Reunião Nacional na França após a divulgação dos resultados parciais em Paris.

A coligação centrista Ensemble do presidente Emmanuel Macron, que caiu para o terceiro lugar na primeira volta de votação no domingo passado, encenou uma forte recuperação para conquistar 163 assentos.

Gabriel Attal, protegido de Macron, anunciou que renunciaria ao cargo de primeiro-ministro na manhã de segunda-feira. Ele pareceu criticar a decisão de Macron de pedir uma votação antecipada, dizendo que “não escolheu” dissolver o parlamento francês.

Multidões se reúnem durante um comício eleitoral noturno na Place de la République, em Paris.

Após as eleições parlamentares, o presidente francês nomeia um primeiro-ministro do partido que conquistou o maior número de assentos. Normalmente, isso significa um candidato do próprio partido do presidente. No entanto, os resultados de domingo significam que Macron enfrenta a perspectiva de ter de nomear uma figura da coligação de esquerda, num raro acordo conhecido como “coabitação”.

Falando aos seus apoiantes perto da Praça Estalinegrado, Mélenchon disse que Macron “tem o dever de convidar a Nova Frente Popular para governar”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *