Em um tribunal sufocante nas Bahamas, Bankman-Fried luta contra a prisão

NASSAU (Reuters) – Estradas fechadas, um tribunal sufocante e vários atrasos marcaram a primeira aparição pessoal de Sam Bankman Fried desde o colapso de sua empresa de criptomoedas.

A sessão do tribunal nas Bahamas, que durou seis horas, viu Bankman Fried, vestido com um terno em vez de sua tradicional camiseta, pedindo fiança para contestar sua extradição para os Estados Unidos. Estado unido.

Foi uma queda impressionante para o chefe da criptomoeda, com a Forbes uma vez estimando que ele valesse até US$ 26,5 bilhões.

“Não estou renunciando”, disse Bankman-Fried quando perguntado se renunciaria ao seu direito a uma audiência de extradição.

Foi um comentário raro em uma audiência amplamente tratada por advogados que discutiam o processo. Em outro comentário, Bankman-Fried se referiu à noite de sua prisão como “agitada”.

Houve grande expectativa antes do aparecimento de Bankman-Fried, que deu inúmeras entrevistas à mídia desde o colapso de sua empresa, mas não foi amplamente visto em público.

O dia começou com Bankman-Fried entrando no tribunal longe da entrada principal e fotógrafos e repórteres se aglomerando para uma foto.

A presidente do tribunal das Bahamas, Joy Ann Ferguson-Pratt, contribuiu com idéias espirituosas que muitas vezes deixaram o tribunal rindo, uma vez zombando “Eu não nasci ontem” quando os advogados de defesa interpretaram a lei.

O fato de Ferguson Pratt esquecer repetidamente o sobrenome do réu levou ao riso.

“Samuel”, ela disse antes de se atrasar, já que o bilionário magnata da criptomoeda a mencionou uma vez pelo nome: “Bankman Fried”.

As pessoas no tribunal se abanaram para se refrescar do calor tropical enquanto o sol entrava pelas janelas.

A audiência foi adiada duas vezes, uma vez para consultar sobre a jurisdição do tribunal para conceder fiança, e novamente à tarde.

READ  O 'ponteiro de batom' está de volta - e os varejistas estão tentando ganhar dinheiro

Também incluiu uma extensa discussão sobre os medicamentos de Bankman-Fried, que seu advogado disse serem para condições como depressão, insônia e transtorno de déficit de atenção.

No início do processo, Bankman-Fried pediu para trocar o adesivo Emsam, um esparadrapo colocado na pele e usado para tratar depressão em adultos. Ele pediu para sair do tribunal por um tempo para tomar remédios.

Bankman-Fried admitiu que não levou o remédio quando foi preso, o que atribuiu a “uma noite emocionante”.

Seus pais, Joseph Bankman e Barbara Fried, às vezes pareciam frustrados com os argumentos apresentados pela promotoria, que o descrevia como um risco desenfreado.

O advogado de defesa de Bankman-Fried observou que Bankman-Fried passou semanas nas Bahamas depois que seu negócio faliu sem tentar deixar o país.

No final da sessão, ele abaixou a cabeça e abraçou os pais. Uma van esperava do lado de fora da quadra para buscá-lo.

Reportagem adicional de Jared Higgs em Nassau e Brian Ellsworth em Miami; Edição por Megan Davies, Nolene Walder e Sam Holmes

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *