Exclusivo: EUA colocam foco da ONU nos protestos no Irã

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) – Na próxima semana, os Estados Unidos darão destaque aos protestos iranianos desencadeados pela morte de uma jovem sob custódia policial e buscarão maneiras de avançar em investigações independentes e confiáveis ​​sobre os abusos dos direitos humanos iranianos. .

Os Estados Unidos e a Albânia realizarão uma reunião informal do Conselho de Segurança da ONU na quarta-feira, de acordo com uma nota descrevendo o evento, vista pela Reuters. A vencedora do Prêmio Nobel da Paz do Irã, Shirin Ebadi, e a atriz e ativista iraniana Nazanin Bonyadi estão programadas para dar um briefing.

“A reunião destacará a opressão contínua de mulheres, meninas e membros de minorias religiosas e étnicas no Irã”, disse a nota. Ele identificará oportunidades para promover investigações independentes e confiáveis ​​sobre as violações e abusos dos direitos humanos por parte do governo iraniano.

O investigador independente da ONU sobre direitos humanos no Irã, Javed Rehman, também deve falar na reunião, que pode contar com a presença de outros estados membros da ONU e grupos de direitos humanos.

O Irã vem testemunhando protestos desde a morte da curda Mahsa Amini, de 22 anos, sob custódia policial no mês passado. A agitação se transformou em uma revolução popular por iranianos de todas as camadas da sociedade, apresentando um dos desafios mais ousados ​​à liderança religiosa desde a revolução de 1979.

O Irã culpou seus inimigos estrangeiros e seus agentes pela agitação.

A missão do Irã nas Nações Unidas em Nova York acusou os Estados Unidos e seus aliados de usarem indevidamente seu programa para “avançar sua agenda política”.

“Dada sua hipocrisia, padrões duplos e aplicação seletiva dos direitos humanos, achamos que as alegações dos EUA de apoio às mulheres iranianas são enganosas e carentes de boa fé”, disse ela.

READ  Taiwan diz que guerra com a China não é opção 'absoluta', mas fortalece defesas

Grupos de direitos humanos disseram que pelo menos 250 manifestantes foram mortos e milhares foram presos em todo o país. As mulheres tiveram um papel de destaque nos protestos, tirando e queimando lenços de cabeça. O assassinato de várias adolescentes, supostamente durante os protestos, exacerbou a raiva.

“A reunião confirmará o uso ilegal da força continuada contra manifestantes e a acusação do regime iraniano de defensores de direitos humanos e oponentes no exterior por sequestro ou assassinato em violação do direito internacional”, afirmou o memorando sobre a reunião planejada.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, pediu às autoridades iranianas na sexta-feira que abordem as “legítimas queixas da população, inclusive em relação aos direitos das mulheres”.

“Condenamos todos os incidentes que resultaram na morte ou ferimentos graves de manifestantes e enfatizamos a necessidade das forças de segurança evitarem todo o uso desnecessário ou desproporcional da força contra manifestantes pacíficos”, disse Dujarric a repórteres. Os responsáveis ​​devem ser responsabilizados.”

Relatado por Michelle Nichols; Edição por Daniel Wallis

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.