Exclusivo: Pelo menos US $ 1 bilhão em fundos de clientes ausentes na empresa de criptografia FTX – Fontes

  • O fundador da FTX, Fred Bankman, transferiu secretamente US$ 10 bilhões em fundos para a Trading Company Alameda – Fontes
  • Bankman-Fried mostra planilhas para colegas que revelaram mudança de fundos para a Alameda – Fontes
  • As planilhas indicaram que entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões em fundos de clientes não foram contabilizados – fontes
  • Executivos criaram ‘porta dos fundos’ para manutenção de registros que frustraram bandeiras vermelhas – fontes
  • Desconhece-se o paradeiro dos fundos desaparecidos – fontes

NOVA YORK (Reuters) – Pelo menos 1 bilhão de dólares em fundos de clientes desapareceram da falida exchange de criptomoedas FTX, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto.

As duas fontes disseram à Reuters que o fundador da exchange, Sam Bankman Fred, transferiu secretamente US$ 10 bilhões em fundos de clientes da FTX para a trading Alameda Research, de Bankman Fried.

Uma grande proporção desse total desapareceu desde então, disseram eles. Uma fonte estimou o valor perdido em US$ 1,7 bilhão. O outro disse que a diferença variou entre US$ 1 bilhão e US$ 2 bilhões.

Embora se saiba que a FTX transferiu fundos de clientes para a Alameda, os fundos ausentes foram relatados aqui pela primeira vez.

A brecha financeira nos registros que Bankman-Fried arquivou com outros altos executivos no último domingo foi revelada, segundo as duas fontes. Eles disseram que os registros forneceram uma descrição atualizada da situação na época. Ambas as fontes ocuparam cargos seniores na FTX até esta semana e disseram que foram informadas sobre as finanças da empresa por funcionários seniores.

A FTX, com sede nas Bahamas, entrou com pedido de falência na sexta-feira, após uma onda de saques de clientes no início desta semana. Um acordo de resgate com a exchange rival Binance falhou, precipitando o colapso da criptomoeda mais popular nos últimos anos.

READ  Ações do Alibaba caem após Jack Ma Ant Group dizer que não há planos de abrir o capital

Em mensagens de texto para a Reuters, Bankman-Fried disse que “não concordava com a descrição” da transferência de US$ 10 bilhões.

“Nós não contamos um segredo”, disse ele. “Ficamos confusos na designação interna e a interpretamos mal”, acrescentou, sem entrar em detalhes.

Questionado sobre o dinheiro desaparecido, Bankmann-Fried respondeu: “????”

A FTX e a Alameda não responderam aos pedidos de comentários.

Em um tweet na sexta-feira, Bankman-Fried disse que estava “combinando” o que aconteceu no FTX. “Fiquei chocado ao ver as coisas se desenrolarem do jeito que aconteceram no início desta semana”, escreveu ele. “Estarei escrevendo, em breve, um post mais completo sobre o jogo por jogo.”

As perdas na Alameda estavam no centro dos problemas da FTX que a maioria dos executivos da FTX desconhecia, informou a Reuters anteriormente.

As retiradas de clientes dispararam no último domingo depois que Changpeng Zhao, CEO da gigante das exchanges de criptomoedas Binance, disse que a Binance venderia toda a sua participação no token FTX, no valor de pelo menos US$ 580 milhões, “devido a descobertas recentes”. Quatro dias atrás, o canal de notícias CoinDesk informou que grande parte dos US$ 14,6 bilhões em ativos da Alameda eram mantidos no token.

No domingo, Bankman-Fried realizou uma reunião com vários executivos na capital das Bahamas, Nassau, para calcular quanto financiamento externo ele precisa para cobrir a escassez de FTX, disseram as duas pessoas familiarizadas com as finanças da FTX.

Bankman-Fried confirmou à Reuters que a reunião ocorreu.

Bankman-Fried mostrou várias planilhas aos chefes das equipes regulatórias e jurídicas da empresa que revelaram que a FTX havia transferido cerca de US$ 10 bilhões em dinheiro de clientes da FTX para a Alameda, disseram as duas pessoas. Eles disseram que as planilhas mostram quanto dinheiro a FTX emprestou à Alameda e para que foi usado.

READ  Toys 'R' Us está chegando a todas as lojas da Macy's nesta temporada de férias

As fontes disseram que os documentos mostram que entre um e dois bilhões de dólares desse dinheiro não foi contabilizado no patrimônio da Alameda. As tabelas de dados não indicavam para onde o dinheiro foi transferido e as fontes disseram não saber o que aconteceu com ele.

Em um exame subsequente, as equipes jurídica e financeira da FTX também descobriram que Bankman-Fried implementou o que as duas pessoas descreveram como uma “porta dos fundos” no sistema de contabilidade da FTX, que foi construído usando software sob medida.

Eles disseram que a “porta dos fundos” permitiu que Benkman Fried executasse ordens que poderiam alterar os registros financeiros da empresa sem alertar outras pessoas, incluindo auditores externos. Essa configuração, disseram eles, significava que a transferência de US$ 10 bilhões em fundos para a Alameda não levou a conformidade interna ou alertas contábeis na FTX.

Em sua mensagem de texto à Reuters, Bankman-Fried negou a implementação de uma “porta dos fundos”.

Uma fonte familiarizada com a investigação disse à Reuters na quarta-feira que a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA está investigando a manipulação de fundos de clientes pela FTX.com, bem como suas atividades de empréstimo de criptomoedas. A fonte disse que o Departamento de Justiça e a Commodity Futures Trading Commission também estão investigando.

A falência da FTX foi uma reversão impressionante para Bankman-Fried. O empresário de 30 anos criou a FTX em 2019 e a levou a se tornar uma das maiores exchanges de criptomoedas, acumulando uma fortuna pessoal estimada em US$ 17 bilhões. A FTX em janeiro foi avaliada em US$ 32 bilhões, com investidores como SoftBank e BlackRock.

A crise ecoou no mundo das criptomoedas, com as principais moedas caindo de preço. O crash do FTX leva a comparações com os grandes crashes comerciais anteriores.

READ  O mercado de urso trouxe "medo e incerteza" para a Geração Z. Como eles lidam.

A FTX disse na sexta-feira que entregou o controle da empresa a John J. Ray III, especialista em reestruturação que liderou a liquidação da Enron Corp – uma das maiores falências da história.

(Reportagem de Angus Berwick). Edição por Baritush Bansal e Janet McBride

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.