Fim-chefe da OMS da pandemia de COVID ‘se aproximando’

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reuters) – O chefe da Organização Mundial da Saúde disse nesta quarta-feira que o mundo nunca esteve em melhor posição para acabar com a pandemia de Covid-19, em sua previsão mais otimista até agora sobre a crise de saúde que já matou mais de uma pessoa. pessoa. Seis milhões de pessoas.

“Ainda não chegamos lá. Mas o fim está à vista”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a repórteres em uma entrevista coletiva virtual.

Foi a avaliação mais otimista da agência da ONU desde que declarou uma emergência internacional em janeiro de 2020 e começou a chamar o COVID-19 de pandemia três meses depois.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

O vírus, que surgiu na China no final de 2019, matou quase 6,5 milhões de pessoas e infectou 606 milhões, interrompendo as economias globais e inundando os sistemas de saúde.

A disseminação de vacinas e tratamentos ajudou a interromper mortes e hospitalizações, e a variante Omicron, que surgiu no final do ano passado, causou doenças menos graves. A agência das Nações Unidas informou que as mortes por COVID-19 na semana passada foram as mais baixas desde março de 2020.

Na quarta-feira, ele novamente pediu aos estados que permaneçam vigilantes, comparando a pandemia a uma maratona.

“Agora é a hora de correr um pouco mais e garantir que cruzemos a linha e colhamos os frutos de todo o nosso trabalho duro.”

Tedros disse que os países precisam examinar mais de perto e fortalecer suas políticas para combater o COVID-19 e vírus futuros. Ele também pediu aos países que vacinem 100% dos grupos de alto risco e continuem testando o vírus.

READ  Atriz Ai Weiwei alerta contra arrogância em tempos 'complicados'

A Organização Mundial da Saúde disse que os países precisam manter suprimentos adequados de equipamentos médicos e profissionais de saúde.

“Esperamos que haja ondas futuras de infecção, potencialmente em diferentes pontos de tempo ao redor do mundo devido a diferentes subvariáveis ​​ômícrons ou mesmo diferentes variáveis ​​preocupantes”, disse Maria Van Kerkhove, epidemiologista-chefe da OMS.

Com mais de um milhão de mortes só este ano, a pandemia continua sendo uma emergência globalmente e na maioria dos países.

“A onda de verão do COVID-19, liderada por Omicron BA.4 e BA.5, mostrou que a pandemia está longe de terminar, pois o vírus continua a se espalhar na Europa e além”, disse um porta-voz da Comissão Europeia.

Um porta-voz da OMS disse que a próxima reunião de especialistas da OMS para decidir se a pandemia continua sendo uma emergência de saúde pública de interesse internacional está marcada para outubro.

emergência global

“Provavelmente é justo dizer que a maior parte do mundo está indo além da fase de emergência da resposta à pandemia”, disse Michael Head, pesquisador sênior em saúde global da Universidade de Southampton.

Ele disse que os governos agora estão analisando a melhor forma de gerenciar o COVID como parte de seus cuidados e vigilância de saúde de rotina.

Europa, Reino Unido e Estados Unidos aprovaram vacinas visando a variante Omicron, além do vírus original, enquanto os países se preparam para lançar campanhas de inverno de apoio.

READ  China envia tropas à Rússia para participar do exercício "Vostok"

Nos Estados Unidos, o COVID-19 foi inicialmente declarado uma emergência de saúde pública em janeiro de 2020, e esse status foi renovado a cada três meses desde então.

O Departamento de Saúde dos EUA deve renová-lo novamente em meados de outubro, pelo que os especialistas em políticas esperam ser a última vez antes de expirar em janeiro de 2023.

Autoridades de saúde dos EUA disseram que a pandemia ainda não acabou, mas as novas vacinas bivalentes representam uma mudança importante na luta contra o vírus. Eles preveem que uma única vacina anual, semelhante à vacina contra a gripe, deve fornecer um alto grau de proteção e devolver o país à normalidade.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Manas Mishra e Khushi Mandwara em Bengaluru, Ahmed Abul-Enein em Washington e Jennifer Rigby em Londres; Edição por Shonak Dasgupta, William MacLean, Josephine Mason e Elaine Hardcastle

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.