Greg Norman foi desclassificado do British Open

LONDRES – Ainda nesta primavera, Greg Norman, que ergueu a Claret Cup duas vezes para vencer o British Open, pediu uma isenção especial para jogar no torneio desta semana em St Andrews, na Escócia.

A resposta foi inequívoca: Não.

E não é apenas que Norman, cujo papel na nova série LIV Golf o tornou um pária em alguns círculos de golfe, não tem lugar no campo para Norman, acontece que Norman nem foi convidado para jantar.

A R&A, que organiza o Open, no fim de semana se tornou o último canto de golfe a dizer que jogou Norman no exílio, removendo-o temporariamente até mesmo do tradicional jantar de ex-campeões do Open Championship. A mudança fez do torneio desta semana, o último dos quatro grandes torneios de golfe deste ano, o mais recente ponto de discussão quando jogadores e executivos se enfrentaram publicamente na LIV Golf, a liga rebelde financiada pela Arábia Saudita que já fez o esporte de Norman ser enfaticamente governado.

Em uma declaração educada, mas firme, a R&A deixou claro que havia escolhido um lado. Ela disse que ligou para Norman “para informá-lo de que decidimos não convidá-lo para comparecer nesta ocasião”.

“O 150º Open é um marco muito importante para o golfe e queremos garantir que o foco permaneça em celebrar o torneio e sua herança”, disse R&A. “Infelizmente, não achamos que será o caso se Greg comparecer. Esperamos que, quando as condições permitirem, Greg possa comparecer novamente no futuro.”

A Leaf Golf, principal financiadora do fundo soberano saudita, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Mas Norman, CEO da LIV, disse Resumo de golfe australiano Ele ficou desapontado e achou a decisão “trivial”.

READ  Como a letra Z se tornou um símbolo russo pró-guerra

“Eu pensei que a equipe de R&A estaria acima de tudo por causa de sua posição no golfe mundial”, disse Norman, que teve suas vitórias de simples em aberturas de Grand Slam em 1986 no Turnberry e em 1993 no Royal St. George.

A confusão pública entre Norman, 67, e R&A começou em abril, quando ele expressou confiança na mídia australiana de que poderia obter uma isenção das regras do Open – que permitem que ex-campeões entrem nessa qualificação por conta própria se tiverem 60 anos. Ou menos — e jogue a 150ª rodada do torneio, que começa na quinta-feira no Old Stadium em St Andrews, Escócia.

Logo voltou a notícia de que a R&A não ofereceria tal isenção a Norman. (O conselho é flexível: concordou em aceitar Mark Kalkavica, o profissional de 62 anos que venceu o Royal Tron em 1989, porque o Campeonato Aberto que deveria ser sua despedida em 2020 foi cancelado devido à pandemia de coronavírus. Ele estava se recuperando de uma cirurgia no verão passado.)

Mas o interesse e o escrutínio de Norman só aumentou nos meses em que negociou, atraindo grandes campeões como Dustin Johnson, Phil Mickelson e Patrick Reed para a série LIV, cortando seus laços com o PGA Tour e transformando o golfe em um caldeirão de nitidez. Suas declarações em maio rejeitaram o assassinato e o desmembramento da Arábia Saudita Jornalista do The Washington Post ao dizer: “Olha, todos nós cometemos errosNova crítica.

Norman não é o primeiro grande campeão a perder um punhado de vencedores anteriores este ano devido à indignação ligada à Arábia Saudita. Mickelson, tricampeão de Masters, estava ausente do evento quando foi realizado no Augusta National Golf Club em abril, depois de denunciar o “horrível registro de direitos humanos” da Arábia Saudita, mas disse que o LIV era uma “oportunidade única na vida para reformular como opera.” PGA Tour”.

READ  Momentos do Mundial 2022: Portugal derrota a Suíça por 6-1

Mickelson deve jogar em St Andrews esta semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.