Honduras mantém relações com a China após encerrar o reconhecimento de Taiwan

O ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, cumprimenta o ministro das Relações Exteriores de Honduras, Eduardo Enrique Reina, durante a cerimônia de estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países na Diaoyutai State Guesthouse em Pequim, China, em 26 de março de 2023. Foto de Lintao Zhang/Pool via Reuters

PEQUIM (AP) – Honduras estabeleceu relações diplomáticas com a China neste domingo, depois de romper relações com Taiwan, um país cada vez mais isolado, agora reconhecido por apenas 13 Estados soberanos.

Os ministros das Relações Exteriores da China e de Honduras assinaram uma declaração conjunta em Pequim – uma decisão que o Ministério das Relações Exteriores da China saudou como “a escolha certa”.

A vitória diplomática da China ocorre quando as tensões aumentam entre Pequim e os Estados Unidos, incluindo a crescente assertividade da China em relação à autônoma Taiwan e sinais de crescente influência chinesa na América Latina. O anúncio de novas relações entre China e Honduras ocorreu depois que os governos de Honduras e Taiwan fizeram anúncios separados de corte de relações.

China e Taiwan travam uma batalha por reconhecimento diplomático desde sua separação em meio à guerra civil em 1949, com Pequim gastando bilhões para obter reconhecimento por sua política de “uma China”.

A China reivindica Taiwan como parte de seu território, a ser controlada pela força se necessário, e recusa a maioria dos contatos com países que mantêm relações oficiais com a democracia insular. Ele ameaça retaliar os estados apenas pelo aumento de contatos.

Consulte Mais informação: Por que as relações entre China e Taiwan são tão tensas?

O ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, disse que o estabelecimento de relações prova que aderir à política de “uma China” conquista o coração das pessoas e é a “tendência geral”.

READ  Assessor de Navalny diz que ele pode estar a “dias” de ser libertado em uma troca de prisioneiros antes de sua morte

“Informamos firmemente às autoridades de Taiwan que o envolvimento em atividades separatistas pela independência de Taiwan é contrário à vontade e aos interesses da nação chinesa e contrário à tendência da história, e está condenado a um beco sem saída”, disse ele.

O Ministério das Relações Exteriores de Honduras disse em comunicado no Twitter que seu governo reconhece “apenas uma China no mundo” e que Pequim “é o único governo legítimo que representa toda a China”.

Ela acrescentou: “Taiwan é uma parte inalienável do território chinês e, a partir de hoje, o governo de Honduras informou Taiwan para cortar relações diplomáticas e prometeu não estabelecer nenhum relacionamento ou contato oficial com Taiwan”.

O ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, disse em entrevista coletiva no domingo que Taiwan encerrou suas relações com Honduras para “proteger sua soberania e dignidade”.

Wu disse que a presidente hondurenha Chiomara Castro e sua equipe sempre tiveram “fantasias” sobre a China e levantaram a questão de mudar as relações antes da eleição presidencial hondurenha em 2021. As relações entre Taiwan e Honduras já foram estáveis, disse ele, mas a China também. Honduras não deixou de ser sorteada.

Wu disse que Honduras pediu a Taiwan bilhões de dólares em ajuda e comparou suas propostas com a China. Acrescentou que há cerca de duas semanas o governo hondurenho pediu US$ 2,45 bilhões a Taiwan para construir um hospital e uma represa e cancelar dívidas.

“O governo de Castro rejeitou a ajuda e as relações de longa data oferecidas por nossa nação e manteve negociações para estabelecer relações diplomáticas com a China. Nosso governo sente dor e arrependimento”, disse ele.

A presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, disse que seu governo não “entraria em uma competição sem sentido pela diplomacia do dólar com a China”.

READ  O soldado russo Vadim Shishimarin é acusado de crimes de guerra no assassinato de um civil ucraniano desarmado.

“Nos últimos anos, a China usou continuamente vários meios para suprimir a participação internacional de Taiwan, escalar a intervenção militar e perturbar a paz e a estabilidade na região”, disse ela em uma gravação de vídeo.

Consulte Mais informação: Delegação dos EUA se reúne com o presidente de Taiwan, reafirmando o compromisso da ilha

A porta-voz de seu escritório, Olivia Lynn, disse em um comunicado que os dois lados mantêm relações há mais de 80 anos.

Analistas alertaram sobre as implicações para as relações recém-formadas entre a China e Honduras. Graco Perez, analista político baseado em Honduras, disse que a narrativa de Pequim destacaria os benefícios, incluindo investimento e criação de empregos, “mas tudo isso seria fictício”.

Peres observou que alguns outros países estabeleceram tais relações, mas “não está claro se foi isso que foi mostrado”.

Durante décadas, a China investiu bilhões de dólares em projetos de investimento e infraestrutura em toda a América Latina. Este investimento traduziu-se numa força crescente para a China e num número crescente de aliados.

Em Honduras, veio na forma da construção de um projeto de barragem hidrelétrica no centro de Honduras construído pela empresa chinesa SINOHYDRO com aproximadamente US$ 300 milhões em financiamento do governo chinês.

Honduras é o nono aliado diplomático que Taipei perdeu para Pequim desde que Tsai assumiu o cargo em maio de 2016.

Consulte Mais informação: O presidente de Taiwan renuncia ao cargo de líder do partido depois de perder as eleições locais

Taiwan ainda mantém relações com Belize, Paraguai e Guatemala na América Latina e com a Cidade do Vaticano. A maioria de seus parceiros restantes são nações insulares no Caribe e no Pacífico Sul, junto com Eswatini na África do Sul.

READ  Nigel Farage está concorrendo como candidato reformista do Reino Unido em Clacton

Alguns desses reconhecimentos diplomáticos foram obtidos por meio de assistência financeira e técnica a Taiwan nas décadas de 1980 e 1990 após seu extraordinário crescimento econômico, Lorenzo Majorelli, professor do Departamento de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade Jorge Tadeo Lozano em Bogotá, Colômbia, escreveu em sua pesquisa.

Em 1998, Taiwan criou um fundo de ajuda de US$ 240 milhões para seus aliados da América Central na esperança de manter seu apoio. Majorelli escreve que as empresas taiwanesas também foram incentivadas a investir na América Central para consolidar os laços políticos.

Tsai está programado para começar a viagem de 10 dias na quarta-feira com visitas à Guatemala e Belize. Na semana passada, Lynn disse que sua delegação também faria paradas em Nova York e Los Angeles. O vice-ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Alexander Yu, disse anteriormente que o objetivo da visita de Tsai é destacar a amizade da ilha com os dois países latino-americanos.

Wu disse não ter evidências de que o momento do anúncio esteja relacionado à viagem de Tsai, mas observou que “a China parece estar fazendo isso de propósito”.

Apesar da campanha de isolamento da China, Taiwan mantém fortes relações informais com mais de 100 outros países, sendo o mais importante deles os Estados Unidos. Os Estados Unidos não têm relações diplomáticas com Taiwan, mas confirmaram que Taipei é um parceiro importante na região do Indo-Pacífico.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *