Imagens impressionantes revelam a visão mais detalhada da Via Láctea em ondas de rádio: ScienceAlert

Dois grandes programas de pesquisa em astronomia, chamados EMU e PEGASUS, uniram forças para resolver um dos mistérios da nossa Via Láctea: onde estão todos os remanescentes de supernovas?

uma remanescente de supernova É uma nuvem em expansão de gás e poeira que representa o estágio final da vida de uma estrela, depois que ela explodiu como uma supernova. Mas o número de remanescentes de supernovas que detectamos até agora usando radiotelescópios é muito baixo.

Os modelos prevêem cinco vezes, então onde estão os modelos que faltam?

Coletamos observações de dois dos principais radiotelescópios do mundo na Austrália, ou seja, Radiotelescópio ASKAP e a Radiotelescópio Parkes, Moryangpara responder a esta pergunta.

gás interestelar

A nova imagem revela finos tentáculos e aglomerados de nuvens limitados por gás hidrogênio que preenche o espaço entre as estrelas.

Podemos ver locais onde novas estrelas estão se formando, bem como remanescentes de supernovas. Apenas nesta pequena partícula, apenas cerca de um por cento de toda a Via Láctea, detectamos mais de 20 possíveis novos remanescentes de supernova, onde apenas sete eram conhecidos anteriormente.

Imagem ASKAP/EMU (R. Kothes/NRC/E. Carretti/INAF).
Gavinhas verdes detalhadas de gás preenchem os vazios interestelares
ASKAP/EMU mais colagem Parkes/PEGASUS. (R. Kothes/NRC/E. Carretti/INAF).

Essas descobertas foram lideradas pela estudante de doutorado Brianna Ball, da Universidade de Alberta, no Canadá, em colaboração com seu supervisor, Roland Kothes, do Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá, que preparou a imagem.

Essas novas descobertas indicam que estamos um passo mais perto de identificar os restos mortais desaparecidos.

Por que os vemos agora quando não podíamos antes?

O poder de unir forças

eu dirijo o Mapa evolutivo do universo Ou o programa EMU, um projeto ambicioso com a ASKAP para fazer o melhor atlas de rádio do hemisfério sul.

READ  Uma nova ilha aparece no Oceano Pacífico

A UEM medirá cerca de 40 milhões de novas galáxias distantes e maravilhosas buracos negrosPara nos ajudar a entender como as galáxias mudaram ao longo da história do universo.

Os primeiros dados da EMU já levaram a uma descoberta circuitos de rádio individuais (ou “ORCs”)revelado Anomalias raras como “fantasmas dançantes”.

Para qualquer telescópio, a resolução de suas imagens depende do tamanho de sua abertura. Interferômetros como o ASKAP simulam a abertura muito maior de um telescópio. Com 36 pratos relativamente pequenos (cada um com 12 metros e 40 pés de diâmetro), mas a uma distância de 6 quilômetros (4 milhas) conectando o mais distante desses pratos, o ASKAP simula um único telescópio com um prato de 6 quilômetros de largura.

Isso dá ao ASKAP uma boa precisão, mas vem com o custo da perda de emissão de rádio em escalas maiores. Na comparação acima, a imagem ASKAP sozinha parece muito estrutural.

Para recuperar essas informações perdidas, recorremos a um projeto companheiro chamado PEGASUS, liderado por Ettore Caretti, do Instituto Nacional Italiano de Astrofísica.

O PEGASUS usa o telescópio Parkes/Murriyang de 64 metros – um dos maiores radiotelescópios de prato único do mundo – para mapear o céu.

Mesmo com um prato tão grande, a precisão de Parkes é um tanto limitada. Ao combinar informações de Parkes e ASKAP, eles preenchem as lacunas um do outro para nos dar a imagem mais precisa desta região da nossa galáxia, a Via Láctea.

Essa combinação revela a emissão de rádio em todas as escalas para ajudar a revelar os remanescentes de supernovas ausentes.

A correlação de conjuntos de dados de EMU e PEGASUS nos permitirá descobrir mais joias escondidas. Nos próximos anos teremos uma visão inédita de quase toda a Via Láctea, cerca de cem vezes maior que esta imagem inicial, mas com o mesmo nível de detalhe e sensibilidade.

READ  Mars Lander Insight da NASA acaba de tirar a última selfie

Estimamos que pode haver até 1.500 ou mais novos remanescentes de supernovas a serem descobertos. Resolver o mistério desta relíquia perdida abrirá novas janelas para a história da nossa galáxia, a Via Láctea.

A ASKAP e a Parkes são de propriedade e operadas pela CSIRO, a agência científica nacional da Austrália, como parte do Australia National Telescope Facility. A CSIRO reconhece o povo Wajarri Yamatji como os proprietários tradicionais e originais do Inyarrimanha Ilgari Bundara e o CSIRO Murchison Radio Astronomy Observatory, onde está localizada a ASKAP, e o povo Wiradjuri como os proprietários tradicionais do Parkes Observatory.Conversação

Andrew Hopkinsprofessor de astronomia Universidade Macquarie.

Este artigo foi republicado de Conversação Sob Licença Creative Commons. Leia o o artigo original.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.