Israelenses se reúnem em três cidades contra as reformas legais de Netanyahu

TEL AVIV (Reuters) – Dezenas de milhares de israelenses se manifestaram em três grandes cidades neste sábado contra os planos do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para uma reforma judicial, com organizadores acusando-o de minar a governança democrática semanas depois de ser reeleito.

Netanyahu, que lidera uma coalizão nacional-religiosa com uma forte maioria parlamentar, quer controlar a Suprema Corte no que ele descreveu como a restauração do equilíbrio dos três ramos do governo.

Os críticos dizem que as reformas propostas prejudicariam a independência judicial, fomentariam a corrupção, sufocariam os direitos das minorias e negariam ao sistema judiciário de Israel a credibilidade que ajuda a afastar as acusações de crimes de guerra cometidos no exterior. Entre os opositores estão o presidente do Supremo Tribunal Federal e o procurador-geral do país.

Depois que o presidente Isaac Herzog implorou aos políticos polarizadores para “diminuir o calor” nos debates, os organizadores das manifestações – que ocorreram sob a chuva fria do inverno – buscaram expressar uma nota de unidade nacional.

O ex-ministro da Defesa de centro Benny Gantz, que compareceu ao comício em Tel Aviv, disse que, como outras figuras da oposição, não deveria ser combatido.

A faixa de um manifestante dizia: “Preservamos nossa casa comum”. Outro disse que Netanyahu era culpado de um “golpe legal”.

A mídia israelense colocou o número em cerca de 80.000, com milhares a mais em protestos em Jerusalém e Haifa.

READ  Uma ligação vazada revela uma troca de tiros entre Putin e Macron

Imagens nas redes sociais mostraram uma pequena exibição de bandeiras palestinas em desafio aos aliados de extrema direita de Netanyahu. Um deles, o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir, disse à TV Kan que deseja que essas bandeiras sejam removidas, mas aguarda a opinião do promotor público antes de ordenar qualquer repressão da polícia.

Netanyahu, de 73 anos, sinalizou na sexta-feira flexibilidade no plano de reforma, dizendo que seria implementado “com consideração cuidadosa ao ouvir todas as posições”.

As pesquisas diferiram nas opiniões públicas sobre as reformas. A TV Channel 13 descobriu na semana passada que 53% dos israelenses se opõem à mudança da estrutura de nomeações nos tribunais, enquanto 35% a apoiam. Mas o Canal 14 TV na quinta-feira encontrou 61% a favor e 35% contra.

Os críticos da Suprema Corte dizem que ela é exagerada e não representativa do eleitorado. Seus defensores defendem o tribunal como um meio de equilibrar uma sociedade dividida.

“Dezenas de milhares de pessoas participaram das manifestações desta noite. Nas eleições realizadas aqui, há dois meses e meio, milhões compareceram”, escreveu Miki Zohar, parlamentar sênior do partido conservador Likud de Netanyahu, no Twitter.

“Prometemos mudanças às pessoas, prometemos governança, prometemos reformas – e faremos isso.”

Escrito por Dan Williams; Edição por Christina Fincher e Mark Potter

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.