Líder de El Salvador diz que vai cortar toda a comida para seus companheiros gângsteres

San Salvador, (AFP) – O presidente de El Salvador ameaçou na terça-feira parar de atender a membros de gangues presos enquanto prossegue com sua repressão após uma onda de assassinatos que levou a um estado de emergência e medidas que atraíram condenação internacional.

Falando em uma cerimônia de formatura para novos policiais e soldados, o presidente Neb Bokhel disse que se as gangues “desencadeassem uma onda de crimes, cortaríamos comida nas prisões”.

“Há rumores de que eles (as gangues) querem começar a se vingar de pessoas aleatórias honestas”, disse Bukele. Se o fizessem, não haveria nem uma única refeição nas prisões. Juro por Deus que não vão comer um grão de arroz, vamos ver quanto tempo dura.”

Eles devem permanecer calmos e liberar-se; Pelo menos dentro de casa, eles continuarão vivendo e comendo duas refeições por dia”.

Anteriormente, Bukele havia ordenado que a comida para membros de gangues detidos em prisões salvadorenhas fosse reduzida a duas refeições por dia, confiscou colchões de prisioneiros e postou um vídeo de detentos andando com sapos pelos corredores e descendo escadas.

Após a onda de assassinatos no final de março, Bukele declarou estado de emergência que suspendeu alguns direitos constitucionais e prendeu cerca de 6.000 membros de gangues de rua.

O presidente também ordenou a construção de uma nova prisão de alta segurança, com capacidade para 20.000 detentos.

A medida atraiu críticas de organizações de direitos humanos em El Salvador e no exterior, que alertam que a suspensão de direitos básicos pode abrir a porta para abusos de direitos humanos. O Ministério Público de Direitos Humanos de El Salvador informou ter recebido 67 denúncias relacionadas a direitos humanos, incluindo 33 denúncias relacionadas a prisões arbitrárias.

READ  Rússia invade a Ucrânia e começa a Batalha de Donbass

“Estamos profundamente preocupados com a série de medidas adotadas recentemente em El Salvador em resposta ao aumento dos assassinatos em massa”, disse a porta-voz de direitos humanos da ONU, Liz Throssell, na terça-feira.

“5.747 pessoas foram presas sem mandado de prisão, e algumas delas foram submetidas a tratamento cruel, desumano ou degradante”, disse Throssell.

E, como sempre, Bukele deu de ombros às críticas.

Eu não me importo com o que as organizações internacionais dizem. O presidente disse: Deixe-os vir aqui para proteger nosso povo. Eles podem levar os membros de sua gangue se quiserem, e nós daremos todos eles.

O Congresso de El Salvador também endureceu as penas para crimes cometidos por membros de gangues. As notórias gangues de rua do país controlam efetivamente muitos distritos da capital.

O estado de emergência restringe a liberdade de associação, o direito de ser informado dos direitos no momento da prisão e o acesso a um advogado. O governo também estendeu o período de tempo em que uma pessoa pode ser mantida sem acusação para 15 dias de 72 horas e permitiu que as autoridades interceptassem as comunicações dos suspeitos sem a aprovação de um juiz.

A polícia e os soldados já isolaram bairros procurando bandidos de casa em casa e observando quem entra e sai das áreas.

Em março, Bukele postou um vídeo mostrando guardas com bastões Bailey quase forçando os presos a andar, correr e até descer escadas com os braços atrás do pescoço ou nas costas.

Em uma ocasião, um hóspede algemado desceu um lance de escadas onde um guarda o forçou a descer. O prisioneiro gemeu e depois teve que se levantar para continuar correndo.

READ  Ocidente envia caças ucranianos e armas pesadas em meio a ataque russo em Donbass

Os presos foram despidos de suas roupas íntimas e levaram suas roupas de cama.

Bukele é muito popular. Ele entrou em um vácuo político deixado pelos partidos tradicionais desacreditados da esquerda e da direita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.