Manifestantes israelenses bloqueiam estradas e exigem cessar-fogo para devolver os reféns

Tel Aviv (Israel) (AFP) – Marcando o aniversário de nove meses do início da guerra em Gaza, manifestantes israelenses bloquearam rodovias em todo o país no domingo, pedindo a renúncia do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e pressionando por um cessar-fogo para trazer devolver dezenas. Dos reféns detidos pelo Hamas.

As manifestações ocorrem em meio a esforços de longo prazo para negociar uma trégua Ganhou impulso na semana passada Mas, ao mesmo tempo, o Hamas recuou na sua principal exigência de obter um compromisso israelita para acabar com a guerra. O movimento armado ainda quer que os mediadores garantam um cessar-fogo permanente, enquanto Netanyahu prometeu continuar a lutar até que Israel destrua as capacidades militares e governamentais do Hamas.

“Qualquer acordo permitirá a Israel regressar e lutar até que todos os objetivos da guerra sejam alcançados”, disse Netanyahu num comunicado divulgado no domingo, o que provavelmente aumentará as preocupações do Hamas sobre a proposta.

O “dia da desativação” começou domingo às 6h29, ao mesmo tempo em que os militantes do Hamas dispararam os primeiros foguetes contra Israel no ataque de 7 de outubro que desencadeou a guerra. Os manifestantes bloquearam estradas principais e manifestaram-se em frente às casas dos ministros do governo.

Perto da fronteira com Gaza, manifestantes israelitas lançaram 1.500 balões pretos e amarelos, simbolizando cidadãos que foram mortos e raptados.

Hannah Gollan disse que veio protestar contra o “abandono devastador de nossas comunidades por nosso governo”. Ela acrescentou: “Hoje se passaram nove meses, desde este dia negro, e ainda ninguém em nosso governo assume a responsabilidade”.

Militantes palestinos mataram cerca de 1.200 pessoas No ataque repentino As forças de ocupação capturaram outros 250 palestinos. O ataque retaliatório israelita resultou na morte de mais de 38 mil palestinianos, segundo o Ministério da Saúde da Faixa de Gaza, que não faz distinção entre combatentes e civis nas suas estatísticas.

Cerca de 120 reféns continuam detidos pelo Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), depois de mais de 100 reféns terem sido libertados no âmbito do acordo de cessar-fogo alcançado em Novembro passado. Israel já concluiu que mais de 40 dos restantes reféns estão mortos e há receios de que esse número aumente à medida que a guerra continua.

READ  De celas de prisão a unidades especiais: os novos recrutas da Rússia

Os Estados Unidos conseguiram reunir o mundo em torno de uma proposta de cessar-fogo faseado, em que o Hamas libertaria os restantes prisioneiros em troca de um cessar-fogo permanente e da retirada das forças israelitas de Gaza. Mas o Hamas quer garantias dos mediadores de que a guerra terminará, enquanto Israel quer a liberdade de retomar os combates se as conversações sobre a libertação do lote final de reféns continuarem.

Israel continua a combater grupos de militantes palestinianos em Gaza, depois de meses de pesados ​​bombardeamentos e operações terrestres que destruíram as principais cidades do enclave e deslocaram a maioria dos seus 2,3 milhões de residentes, muitas vezes várias vezes. No domingo, Israel emitiu novas ordens de evacuação para partes da Cidade de Gaza, que foram alvo de pesados ​​bombardeamentos e foram em grande parte esvaziadas no início da guerra.

Corpos encontrados com as mãos amarradas

O Hospital Nasser, na cidade de Khan Yunis, ao sul da Faixa de Gaza, disse que os corpos de três palestinos foram recuperados na área de passagem de Kerem Shalom com Israel. Um comunicado do hospital dizia que eles estavam algemados e um repórter da Associated Press viu um dos corpos com as mãos amarradas.

Abdul Hadi Ghabayen, tio de um dos mortos, disse que estavam a trabalhar para garantir a chegada de ajuda humanitária e carregamentos comerciais através da travessia. Acrescentou que viu soldados detendo-os no sábado e que os corpos apresentavam sinais de espancamento e um deles tinha uma perna partida.

O exército israelense disse que estava examinando esses relatórios.

Milhares de palestinos foram presos desde o início da guerra e muitos foram libertados. Bem como alguns israelenses que trabalharam em centros de detençãoOs detidos dizem que foram torturados e mantidos em condições duras. As autoridades israelenses negam maus tratos aos prisioneiros.

READ  Letônia e Estônia se retiram do Grupo de Cooperação da China

Entretanto, os ataques aéreos israelitas que continuaram durante toda a noite e até domingo mataram pelo menos 13 palestinianos, incluindo o subsecretário do Ministério do Trabalho no governo amplamente desmantelado liderado pelo Hamas.

Ihab Al-Ghussein estava entre as quatro pessoas mortas em um ataque a uma escola que virou abrigo na cidade de Gaza, de acordo com a Defesa Civil, um grupo de socorristas do governo do Hamas. O Hamas lamentou a sua perda num comunicado e disse que um ataque no início da guerra destruiu a sua casa e matou a sua esposa e filha.

Os militares israelenses disseram que bombardearam um complexo armado “na área de um prédio escolar”, bem como uma instalação de fabricação de armas do Hamas próxima, na Cidade de Gaza, após tomar medidas para mitigar os danos aos civis.

O exército israelita anunciou separadamente que um dos seus oficiais foi morto numa batalha na cidade de Rafah, a sul da Faixa de Gaza, elevando para 680 o número total de soldados israelitas mortos desde o início da guerra.

Israel troca tiros com o Hezbollah

O grupo militante libanês Hezbollah disse na manhã de domingo que disparou dezenas de projéteis em direção ao norte de Israel, visando áreas a mais de 30 quilômetros (20 milhas) da fronteira, uma profundidade maior do que a maioria dos lançamentos. A Autoridade Nacional de Resgate de Israel informou que um homem de 28 anos ficou gravemente ferido.

Outro ataque perto da fronteira resultou em três feridos, um deles gravemente, segundo o Galilee Medical Center. A mídia israelense informou que a pessoa gravemente ferida era um cidadão americano. Não houve confirmação imediata do exército.

READ  Mineração em alto mar: Noruega aprova uma prática controversa

O Hezbollah começou a disparar foguetes e morteiros após a eclosão da guerra em Gaza. O âmbito e a intensidade dos ataques e contra-ataques israelitas aumentaram nas últimas semanas, aumentando o receio de uma guerra total que resultaria em danos massivos às infra-estruturas civis. Consequências sérias Para pessoas de ambos os lados da fronteira.

Mediadores dos Estados Unidos, Egipto e Qatar intensificaram os seus esforços na semana passada para mediar um acordo entre Israel e o Hamas. Hezbollah disse Irá parar os seus ataques se for alcançado um cessar-fogo em Gaza.

O acordo alcançado pelo Hamas no sábado poderá levar à primeira cessação dos combates desde Novembro e abrir caminho para novas conversações, embora todas as partes tenham alertado que um acordo ainda não estava garantido.

O acordo provisório proposto por Washington começaria com um cessar-fogo “completo e abrangente” durante seis semanas, durante o qual idosos, doentes e mulheres reféns seriam libertados em troca da libertação de centenas de prisioneiros palestinianos. Durante estes 42 dias, as forças israelitas retirar-se-ão das zonas densamente povoadas de Gaza e permitirão que os deslocados regressem às suas casas no norte de Gaza.

Os palestinianos, cansados ​​da guerra na Faixa de Gaza, pareciam pessimistas, depois de casos anteriores em que os dois lados pareciam estar perto de chegar a um acordo.

Heba Radhi, mãe de seis filhos que vive numa tenda na cidade de Deir al-Balah, no centro da Faixa de Gaza, desde que fugiu da sua casa na Cidade de Gaza, disse: “Vivemos nove meses de sofrimento no cessar-fogo. tornou-se um sonho inatingível.”

___ O relatório foi preparado por Magdy do Cairo. A redatora da Associated Press, Natalie Melzer, em Jerusalém, contribuiu para este relatório.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra em https://apnews.com/hub/Israel-Hamas-War

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *