Nossa realidade é uma simulação de computador? Uma nova lei da física poderia provar que Elon Musk estava certo

O Dr. Melvin Fopson, físico da Universidade de Portsmouth, propôs uma nova lei da física que pode apoiar a teoria de que o nosso universo é uma realidade simulada. Baseando-se no campo da física da informação, ele sugere que a realidade física consiste em pedaços de informação. Suas últimas pesquisas indicam que esta nova lei, baseada nos princípios da termodinâmica e da dinâmica da informação, tem implicações para a biologia, a física atômica e a cosmologia.

Um novo estudo explora a hipótese do universo de simulação e suas implicações para a ciência e a tecnologia.

a Universidade de Portsmouth Um físico descobriu se uma nova lei da física pode apoiar a muito discutida teoria de que somos apenas personagens num mundo virtual avançado.

A hipótese do universo simulado propõe que o que os humanos vivenciam é na verdade uma realidade artificial, muito parecida com as simulações de computador, nas quais eles próprios são construções.

Esta teoria é muito popular entre uma série de figuras conhecidas, incluindo Elon Musk, e num ramo da ciência conhecido como física da informação, que sugere que a realidade física é composta principalmente por pedaços de informação.

Descobertas pioneiras do Dr. Fopson

Dr. Fopson tem um histórico de pesquisas pioneiras. Ele já havia publicado um estudo sugerindo que a informação tem massa e que todas as partículas elementares – os menores blocos de construção conhecidos no universo – armazenam informações sobre si mesmas, semelhante à forma como os humanos as armazenam. ADN.

Em 2022, ele descobriu uma nova lei da física que pode prever mutações genéticas em organismos vivos, incluindo vírus, e ajudar a avaliar suas prováveis ​​consequências.

Baseia-se na segunda lei da termodinâmica, que afirma que a entropia – uma medida de desordem num sistema isolado – só pode aumentar ou permanecer a mesma.

O Dr. Fopson previu que a entropia nos sistemas de informação também aumentaria com o tempo, mas ao examinar a evolução desses sistemas percebeu que ela permanecia constante ou diminuía. Foi quando ele criou a segunda lei da dinâmica da informação, ou infodinâmica, que poderia influenciar enormemente a pesquisa genética e a teoria da evolução.

Aplicações e efeitos

Um novo artigo foi publicado em 6 de outubro Ofertas AIPestuda as implicações científicas da nova lei em uma série de outros sistemas e ambientes físicos, incluindo física biológica e atômica e cosmologia.

“O que eu queria fazer a seguir era testar a lei e ver se ela poderia apoiar ainda mais a hipótese da simulação, movendo-a do domínio filosófico para a ciência convencional.”
Dr. Melvin Fopson, Escola Universitária de Matemática e Física

Dr. Fopson, da Escola de Matemática e Física da universidade, disse: “Eu sabia então que esta descoberta tinha implicações de longo alcance em várias disciplinas científicas.

“O que eu queria fazer a seguir era testar a lei e ver se ela poderia apoiar ainda mais a hipótese da simulação, movendo-a do domínio filosófico para a ciência convencional.”

As principais conclusões incluem:

  • Sistemas biológicos: A segunda lei da dinâmica da informação desafia a compreensão tradicional das mutações genéticas, sugerindo que estas seguem um padrão governado pela entropia da informação. Esta descoberta tem implicações profundas em campos como a investigação genética, biologia evolutiva, terapias genéticas, farmacologia, virologia e vigilância epidemiológica.
  • Física atômica: Este artigo explica o comportamento dos elétrons em átomos multieletrônicos, fornecendo informações sobre fenômenos como a regra de Hund; O que afirma que a multiplicidade máxima reside na energia mais baixa. Os elétrons se organizam de uma forma que minimiza sua entropia de informação, lançando luz sobre a física atômica e a estabilidade dos produtos químicos.
  • Cosmologia: A segunda lei da termodinâmica revela-se uma necessidade universal, com a aplicação de considerações termodinâmicas ao universo em constante expansão apoiando a sua validade.

“O artigo também fornece uma explicação para a prevalência da simetria no universo”, explicou o Dr. Fopson.

“Os princípios de simetria desempenham um papel importante em relação às leis da natureza, mas até agora houve pouca explicação sobre o motivo disso. Minhas descobertas mostram que a alta simetria corresponde a um estado de menor entropia de informação, o que pode explicar a tendência da natureza em direção a isso.”

“Esta abordagem, onde a informação redundante é removida, é semelhante ao processo de um computador eliminar ou comprimir código em falta para poupar espaço de armazenamento e melhorar o consumo de energia. Como resultado, apoia a ideia de que estamos a viver numa simulação.”

Conectando informações à estrutura do universo

Pesquisas anteriores do Dr. Fopson sugerem que a informação é o alicerce fundamental do universo e tem massa física. Ele ainda afirma que a informação poderia ser a matéria escura que constitui quase um terço do universo, o que ele chama de princípio da equivalência de massa, energia e informação.

O artigo argumenta que a segunda lei da dinâmica da informação dá suporte a este princípio, o que pode validar a ideia de que a informação é uma entidade física, equivalente à massa e à energia.

Dr Fopson acrescentou: “Os próximos passos para completar estes estudos requerem testes experimentais”.

“Uma maneira possível seria Minha experiência do ano passado foi projetada para confirmar o quinto estado da matéria no universo – e mudar a física como a conhecemos – usando colisões de partículas e antipartículas.

Referência: “A Segunda Lei da Informática e suas Implicações para a Hipótese do Universo de Simulação” por Melvin M. Fobson, 6 de outubro de 2023, Ofertas AIP.
doi: 10.1063/5.0173278

READ  Delta IV Heavy da ULA se prepara para lançar o NROL-70. O tempo vai melhorar?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *