O Líbano está realizando sua primeira eleição parlamentar desde o colapso financeiro e os bombardeios

  • A votação foi marcada por polêmica, falta de energia e baixa participação
  • Eleitor em Beirute diz que ‘o Líbano merece melhor’
  • Forte Hariri vê o descaso informal
  • Eleitor do Hezbollah diz que está votando por ‘ideologia’

BEIRUTE, 15 Mai (Reuters) – O povo libanês votou no domingo na primeira eleição parlamentar do país desde a crise econômica do país, com muitos dizendo que esperam dar um golpe nos políticos governantes que causaram a crise, apesar das aparências de grandes mudanças.

A eleição é vista como um teste para saber se o Hezbollah fortemente armado e apoiado pelo Irã e seus aliados podem manter sua maioria na assembleia em meio à pobreza e à raiva dos partidos no poder.

Desde que o Líbano votou pela última vez em 2018, sofreu uma desaceleração econômica que o Banco Mundial alega ter sido planejada pela classe dominante e, em 2020, houve uma grande explosão no porto de Beirute.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Mas, embora os analistas acreditem que a raiva do público ajudará os candidatos reformistas a conquistar alguns assentos, as expectativas de uma grande mudança no equilíbrio de poder permanecem baixas, com o sistema político sectário inclinando-se a favor dos partidos estabelecidos. consulte Mais informação

Nabil Chaya, 57, que votou com seu pai em Beirute, disse que “o Líbano merece coisa melhor”.

“Isso não é meu direito, é meu dever – acho que vai fazer a diferença. Houve uma conscientização das pessoas. É tarde demais? Talvez, mas as pessoas acham que a mudança é necessária.”

O colapso marca a pior crise no Líbano desde a guerra civil de 1975-90, que derrubou mais de 90% da moeda, mergulhou três quartos da população na pobreza e paralisou os poupadores dos depósitos bancários.

READ  2022 PGA Championship Leaderboard, vencedor: Justin Thomas se junta a Will Saladoris no playoff para a segunda grande vitória

Como sinal de colapso, houve uma queda de energia no domingo em assembleias de voto em todo o país.

No sul do Líbano, reduto político do movimento xiita Hezbollah, Rana Karib disse que perdeu seu dinheiro na crise financeira, mas estava votando no grupo.

Uma mulher de 30 anos que votou no vilarejo de Yatar, elogiando o Hezbollah por expulsar as forças israelenses do sul do Líbano em 2000, disse: “Votamos por uma ideologia”.

Combates e outros confrontos interromperam a votação em vários distritos, de acordo com uma agência de notícias estatal, que será retomada após a intervenção das forças de segurança. O ministro do Interior, Bassam Mawlavi, disse que os incidentes são “aceitáveis”.

As tensões eram particularmente altas entre o Hezbollah e as forças libanesas, um partido cristão afiliado à Arábia Saudita.

A LF opõe-se fortemente ao arsenal do Hezbollah e, ​​embora a maioria tenha recuado antes de domingo, o Hezbollah procurou apresentar candidatos xiitas em áreas de dominação.

Depois de votar nas eleições parlamentares de 15 de maio de 2022 em Beirute, Líbano, as mulheres seguram seus passaportes libaneses e posam como se estivessem apontando dedos de tinta. REUTERS/Mohamed Azakir

A LF alegou que partidários do Hezbollah atacaram seus representantes em várias assembleias de voto e que pelo menos quatro pessoas ficaram feridas no distrito sul de Jesin.

Um funcionário do Hezbollah disse que o grupo não tinha presença em Jesse e mais tarde a declaração do partido culpou a LF por iniciar confrontos em outros distritos.

órbita do Irã

No último referendo de 2018, o Hezbollah e seus aliados – o Movimento Patriótico Livre (FPM) do presidente Michael Aun, incluindo um partido cristão – conquistaram 71 dos 128 assentos no parlamento.

Esses resultados arrastaram o Líbano ainda mais para a órbita do Irã liderado por muçulmanos xiitas e minaram a influência da Arábia Saudita liderada por muçulmanos sunitas.

READ  China inicia exercício militar 'ilegal e irresponsável' com fogo real - Taiwan

O Hezbollah disse que espera algumas mudanças na atual estrutura parlamentar, embora espere que seus oponentes, incluindo o LF, ganhem assentos do FPM. consulte Mais informação

Adicionando uma pitada de incerteza, o boicote do líder sunita Saad al-Hariri deixou um vazio que os aliados e inimigos do Hezbollah querem preencher.

Em Beirute, principal reduto de Hariri, os moradores reservaram um tempo para se abster de votar, e alguns foram nadar.

A votação em alguns centros terminou às 19:00 (16:00 GMT). Os resultados não oficiais serão divulgados durante a noite.

Duas horas antes do encerramento da votação, o Ministério do Interior anunciou que 32% dos votos haviam sido emitidos.

Em comparação, mais de 60% dos votos dos imigrantes na semana passada foram registrados. Analistas esperam que ele já enfrente uma série de objeções, especialmente em distritos onde os recém-chegados assumem os partidos estabelecidos.

“Vamos ver muita controvérsia onde quer que haja uma competição acirrada onde a margem eleitoral possa ser superada pela oposição”, disse o especialista em eleições Amal Hamdan.

O próximo parlamento terá que nomear um primeiro-ministro para formar um gabinete – o que pode levar meses. Qualquer atraso impedirá as reformas necessárias para resolver a crise e abrir o apoio do Fundo Monetário Internacional e dos países doadores.

O primeiro-ministro Najib Mikoti, que assinou um projeto de acordo com o Fundo Monetário Internacional em abril sob a condição de reformas, disse que estaria pronto para retornar como primeiro-ministro se estiver determinado a formar um gabinete em breve.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório de Maya Kepili, Laila Passam, Timor Azhari e Lina Najem; Escrito por Tom Perry e Maya Cabley; Edição: William Mallard, Kenneth Maxwell, William McLean

READ  Elon Musk enfrenta longa batalha legal com o Twitter após descumprir acordo

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.