Ossétia do Sul georgiana cancela referendo sobre adesão à Rússia | notícias da Ossétia do Sul

O novo presidente de fato da região separatista abandona o plano de seu antecessor de realizar a votação em 17 de julho.

O líder da região separatista da Ossétia do Sul, na Geórgia, cancelou os planos de realizar um referendo sobre a adesão à Rússia que seu antecessor havia marcado para 17 de julho.

A Ossétia do Sul estava no centro A Guerra Russo-Georgiana de 2008 O Kremlin mais tarde reconheceu a região como um estado independente e estabeleceu bases militares lá.

Em um decreto emitido na segunda-feira, o chefe de fato do enclave controlado por Moscou, Alan Gaglev, levantou “incertezas sobre as consequências legais da questão submetida ao referendo”.

O decreto também enfatizou que “a inadmissibilidade de uma decisão unilateral de realizar um referendo sobre questões que afetam os direitos e interesses legítimos da Federação Russa”.

Gaglov “ordenou realizar consultas sem demora com o lado russo sobre toda uma série de questões relacionadas à maior integração da Ossétia do Sul e da Federação Russa”.

Em 13 de maio, o antecessor de Gagalov, Anatoly Bibilov, assinou um decreto sobre a realização do referendo, indicando a “aspiração histórica” ​​da região de se juntar à Rússia, disse seu gabinete na época.

Bibilov perdeu sua candidatura à reeleição no início deste mês. A Rússia expressou a esperança de que Gaglov mantivesse a “continuidade” das relações com Moscou.

Tbilisi já havia denunciado os planos da Ossétia do Sul de realizar um referendo sobre a adesão à Rússia como “inaceitáveis”.

A Ossétia do Sul, com uma população de apenas 50.000 habitantes, separou-se da Geórgia no início dos anos 1990 em uma sangrenta guerra civil.

Em agosto de 2008, as forças russas lançaram uma invasão em grande escala da Geórgia, que lutava contra milícias pró-Rússia na Ossétia do Sul, depois de bombardear aldeias georgianas.

READ  Zelensky visita soldados feridos em hospital de Kiev

A luta terminou cinco dias depois com um cessar-fogo mediado pela União Europeia, mas matou mais de 700 pessoas e deslocou dezenas de milhares de georgianos.

O rescaldo da guerra viu o Kremlin reconhecer a independência da Ossétia do Sul e de outra região separatista, a Abkhazia, que desde então permaneceu sob controle militar russo.

O conflito marca o ápice das tensões com o Kremlin sobre a tentativa firmemente pró-ocidental de Tbilisi de se juntar à União Europeia e à Otan.

Em março, o promotor do Tribunal Penal Internacional com sede em Haia, Karim Khan, solicitou mandados de prisão para três atuais e ex-funcionários da Ossétia do Sul em conexão com crimes de guerra cometidos contra georgianos étnicos.

Os crimes alegados incluíam tortura, tratamento desumano, detenção ilegal, ultraje à dignidade pessoal, tomada de reféns e transporte ilegal de pessoas.

No ano passado, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos decidiu que a Rússia era responsável por violações de direitos humanos após a guerra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.