Papa diz que vai desacelerar ou se aposentar: ‘Você pode mudar o Papa’

No avião papal (AP) – O Papa Francisco admitiu no sábado que não pode mais viajar como costumava por causa de seus ligamentos do joelho tensos, dizendo que a peregrinação canadense de uma semana Foi um “pequeno teste” que mostrou que ele precisava desacelerar e talvez se aposentar um dia.

Falando a repórteres ao voltar para casa do norte de Nunavut, Francisco, de 85 anos, confirmou que não considerou renunciar, mas disse que “a porta está aberta” e que não há nada de errado com a renúncia do papa..

“Não é estranho. Não é um desastre”, disse ele enquanto estava sentado em uma cadeira de rodas no avião durante uma entrevista coletiva de 45 minutos.

Francis disse que, embora ainda não tenha considerado desistir, ele sabe que precisa pelo menos desacelerar.

“Acho que na minha idade e com essas limitações”, disse ele, “devo poupar (minha energia) para poder servir à Igreja ou, pelo contrário, pensar na possibilidade de me afastar”.

Francisco estava cheio de perguntas sobre o futuro de seu pontificado após a primeira viagem em que usou cadeira de rodas, andador e bengala para se locomover, limitando severamente seu programa e sua capacidade de se misturar com a multidão.

Ele distendeu os ligamentos do joelho direito no início deste ano e a continuação da terapia com laser e magnética o forçou a cancelar uma viagem à África marcada para a primeira semana de julho.

A viagem ao Canadá foi difícil e, por vários momentos, ficou claro que Francis estava com dor enquanto manobrava para cima e para baixo nas cadeiras.

No final de sua turnê de seis dias, ele apareceu de bom humor e espirituoso, apesar de viajar para a borda do Pólo Norte o dia todo. Na sexta-feira, pedir desculpas mais uma vez aos povos indígenas pelas injustiças que sofreram nos internatos da igreja.

READ  EUA buscam mais iates russos ligados a Putin em sanções ampliadas

Francisco descartou a cirurgia no joelho, dizendo que não ajudaria necessariamente, observando que “ainda há vestígios” dele passando por mais de seis horas de sedação em julho de 2021 para remover 33 centímetros de seu intestino grosso.

“Vou tentar continuar nas viagens e estar perto das pessoas porque acho que é uma forma de servir, de estar perto. Mais do que isso, não posso dizer”, disse no sábado.

Em outros comentários sobre o plano papal, Francisco disse:

Ele concordou que tentar erradicar a cultura aborígene no Canadá por meio do sistema de internato administrado pela igreja equivalia a um “genocídio” cultural. Francis disse que não usou o termo durante sua viagem ao Canadá porque não lhe ocorreu. A Comissão Canadense de Verdade e Reconciliação decidiu em 2015 que a remoção forçada de crianças indígenas de suas casas e sua colocação em internatos administrados pela igreja para acomodá-las no cristianismo e no Canadá constituíam um “genocídio cultural”.

“É verdade que não usei a palavra porque não passou pela minha cabeça, mas chamava-se genocídio, certo?” disse Francisco. “Pedi desculpas e pedi perdão por esse ato, que foi um genocídio.”

– Ele sugeriu que não se opunha ao desenvolvimento da doutrina católica sobre o uso de contraceptivos. Os ensinamentos da Igreja proíbem contraceptivos artificiais. Francisco observou que um think tank do Vaticano publicou recentemente as atas de uma conferência onde foi discutida uma emenda “não” ao absoluto da Igreja. Ele enfatizou que a doutrina poderia evoluir com o tempo e que a tarefa dos teólogos era acompanhar esses desenvolvimentos, com o papa decidindo em última instância.

Francisco observou que os ensinamentos da Igreja sobre armas atômicas foram modificados durante seu pontificado para considerar não apenas o uso de armas atômicas, mas a mera posse de armas atômicas imoral e a pena de morte imoral em todos os casos.

READ  Moradores de Tucson espalhados na Polônia para prestar assistência a refugiados ucranianos

– Ele confirmou que espera viajar ao Cazaquistão em meados de setembro para participar de uma conferência inter-religiosa onde poderá se encontrar com o patriarca ortodoxo russo Kirill, que justificou a guerra na Ucrânia. Francisco também disse que queria ir para Kyiv, capital da Ucrânia, embora nenhum voo ainda tenha sido confirmado. Ele disse que espera remarcar sua viagem ao Sudão do Sul, que cancelou devido a problemas no joelho. Ele disse que a etapa do Congo dessa viagem pode ter que ser adiada para o próximo ano devido à estação chuvosa.

___

A cobertura religiosa da Associated Press é apoiada por uma colaboração da Associated Press com a The Conversation US, financiada pela Lilly Endowment Inc. O AP é o único responsável por este conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.