Pelo menos 15 mortos em protestos contra a ONU no leste da República Democrática do Congo | Notícias da ONU

Autoridades disseram que pelo menos 15 pessoas foram mortas no segundo dia de protestos contra a ONU na região nordeste da República Democrática do Congo.

Os protestos eclodiram na segunda-feira quando multidões tomaram as ruas da principal cidade de Goma, na província de Kivu do Norte, contra a missão das Nações Unidas no país – a Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO) – que acusam de falhando em parar grupos armados por décadas. velha luta.

As manifestações se espalharam ao norte para as cidades de Beni e Butembo na terça-feira.

O porta-voz do governo, Patrick Moaya, disse na terça-feira que cinco pessoas foram mortas em Goma e cerca de 50 ficaram feridas.

O chefe da polícia local, coronel Paul Nujoma, disse que sete civis foram mortos em Butembo.

A missão das Nações Unidas em um declaração.

A ONU diz que os manifestantes “extraíram armas violentamente” da polícia congolesa e dispararam contra as forças de paz.

Tradução: Um capacete azul e dois policiais das Nações Unidas foram mortos nesta terça-feira em Butembo (#Norte Kivu) durante um ataque à base da Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo. Os atacantes agarraram violentamente as armas ao Conselho Nacional Palestino [Congolese National Police] E eles atiraram nos pacificadores.

“As turbas estão jogando pedras e coquetéis molotov, invadindo bases, saqueando, vandalizando e incendiando instalações”, disse o porta-voz adjunto da ONU, Farhan Haq, a repórteres em Nova York.

READ  O soldado russo Vadim Shishimarin é acusado de crimes de guerra no assassinato de um civil ucraniano desarmado.

Ele disse que as forças de paz da ONU e o pessoal da polícia da ONU foram mortos quando sua base em Butembo foi atacada.

“A situação é muito volátil e reforços estão sendo mobilizados”, disse Haq, acrescentando que as forças da ONU foram instruídas a exercer contenção máxima e disparar apenas tiros de advertência.

Mais cedo, Maaya disse no Twitter que as forças de segurança dispararam “tiros de advertência” contra os manifestantes para impedir os ataques a funcionários da ONU.

Um manifestante chuta uma lata de gás lacrimogêneo durante um protesto contra uma missão de paz na República Democrática do Congo nas instalações das Nações Unidas em Goma. [Michel Lunanga/AFP]

A MONUSCO é uma das maiores operações de manutenção da paz do mundo. Mas tem sido regularmente criticado no turbulento Oriente, com muitos acusando-o de não ter feito o suficiente para acabar com o derramamento de sangue de décadas.

Mais de 120 grupos armados vagam pela região volátil, onde massacres de civis e conflitos envolvem milhões de pessoas.

Na agitação de segunda-feira, centenas de pessoas em Goma bloquearam estradas e gritaram slogans hostis antes de invadir a sede da Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO) e uma base de suprimentos lá.

Os manifestantes quebraram janelas e saquearam objetos de valor, enquanto helicópteros transportavam funcionários da ONU do prédio e as forças de segurança disparavam gás lacrimogêneo na tentativa de afastá-los.

As forças de segurança congolesas repeliram uma multidão do lado de fora das instalações, com alguns manifestantes segurando cartazes com os dizeres “Adeus, MONUSCO”.

No hospital CBCA Ndosho, em Goma, o chefe da administração, Serge Kilombero, disse à AFP que 28 pessoas foram baleadas na segunda-feira e mais oito na terça-feira.

Em Beni, 350 quilômetros ao norte, soldados foram mobilizados na estrada para a base de Monosco na terça-feira, enquanto manifestantes queimavam pneus. Lojas, mercados e postos de gasolina foram fechados.

READ  EUA alertam Ilhas Salomão sobre base militar chinesa como eurodeputados culpados pelo comércio | Ásia-Pacífico

Nas proximidades de Butembo, as forças de segurança dispersaram os manifestantes que se reuniram em frente à base da Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUC), disseram testemunhas.

Nujoma, o chefe de polícia local, disse que alguns dos jovens estavam “armados”.

Um policial congolês e um pacificador da Missão de Estabilização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO) tentam deter manifestantes dentro de um depósito de forças de paz da ONU em Goma, província de Kivu do Norte, República Democrática do Congo.
Forças de segurança congolesas repeliram uma multidão do lado de fora da instalação [Arlette Bashizi/Reuters]

Os últimos protestos ocorrem depois que o presidente do Senado, Modeste Bahati Lukwebo, disse a seus apoiadores em Goma, em 15 de julho, que a Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUC) deveria “fazer as malas”.

As manifestações coincidem com o ressurgimento do Movimento 23 de Março – um grupo armado que permaneceu praticamente inativo por anos antes de os combates recomeçarem em novembro passado.

Desde então, os rebeldes fizeram avanços significativos no leste do Congo, incluindo a captura da cidade de Bunagana em Kivu do Norte, na fronteira com Uganda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.