Pequim recua do plano de aumentar os requisitos de vacina contra COVID

A cidade de Pequim afrouxou um plano que exigiria que as vacinas contra o Covid entrassem em alguns locais públicos e confirmou que um teste de vírus negativo era suficiente. Na foto aqui está um local de teste de vírus em Pequim, China, na terça-feira, 5 de julho de 2022.

Bloomberg | Bloomberg | Imagens Getty

PEQUIM – A primeira tentativa em larga escala da China de encomendar vacinas contra a Covid parece ter terminado antes mesmo de começar.

Na quarta-feira, capital Pequim anunciou que a partir de segunda-feira, a maioria das pessoas precisará ser vacinada Antes de entrar em locais de encontro social, como academias.

E a prefeitura, quinta-feira, retirou a menção da autorização, segundo o jornal Jornal estatal local, Beijing Daily.

O relatório citou um membro do Escritório de Prevenção e Controle de Vírus da cidade, que confirmou as regras atuais – um teste de vírus negativo nas últimas 72 horas – para entrar em locais públicos. Mas o relatório não mencionou a exigência de vacinação, apenas dizendo que o representante do governo incentivou as pessoas a vacinar voluntariamente.

Quando contatado pela CNBC, um representante do governo da cidade de Pequim confirmou a reportagem do Beijing Daily. A capital não registrou novos casos de COVID-19 na quinta-feira, com ou sem sintomas.

O jornal estatal disse que entrou em contato com o escritório do governo depois que o mandato de vacinação despertou “interesse e suspeita” entre os moradores da cidade, de acordo com a tradução do texto chinês da CNBC.

O relatório inicial do Beijing Daily na quarta-feira provocou muitos comentários no WeChat.

Os comentários mais comuns questionavam como alguém poderia provar que não era “apróprio” para uma vacinação contra a Covid – especialmente em situações complicadas para idosos ou grávidas. Outros pediram esclarecimentos sobre quais espaços públicos eram classificados como “lugares de encontro social” e se isso incluía estações de trem. Outros ainda observam problemas com a incapacidade de integrar registros de vacinação de Hong Kong ou de países estrangeiros ao sistema do Código de Saúde da Cidade de Pequim.

READ  Elizabeth Born: França nomeia primeira primeira-ministra em 30 anos

Na China, apenas as vacinas chinesas produzidas pela Sinopharm ou Sinovac estão disponíveis ao público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.