Polícia faz batida violenta na Universidade de Lima e fecha Machu Picchu em meio à agitação peruana | Peru

Dezenas de policiais invadiram uma universidade em Lima no sábado, quebrando portões com veículos blindados, disparando gás lacrimogêneo e detendo mais de 200 pessoas que vieram à capital peruana para participar de protestos contra o governo.

Imagens mostraram dezenas de pessoas caídas no chão na Universidade de San Marcos após a repentina operação policial. Os estudantes disseram que foram empurrados, chutados e espancados com cassetetes enquanto eram forçados a sair de seus dormitórios.

Incursão policial na Universidade de San Marcos – a mais antiga da As Americas – é o mais recente de uma série de insultos que levaram a crescentes pedidos de renúncia da presidente Dina Boulwart após seis semanas de agitação que custou 60 vidas, deixando pelo menos 580 feridos e mais de 500 presos.

Em meio a manifestações e bloqueios de estradas que paralisaram grande parte do país, as autoridades peruanas ordenaram no sábado o fechamento “até novo aviso” da fortaleza inca em Machu Picchu e da Trilha Inca que leva ao sítio arqueológico do Patrimônio Mundial – a maior atração turística do Peru que atrai mais de um milhão de visitantes anualmente.

O Ministério do Turismo do Peru disse que equipes de resgate retiraram no sábado mais de 400 turistas presos no famoso local.

A conta do ministério no Twitter, juntamente com fotos de um trem e passageiros, postou: “Esta tarde, 418 visitantes nacionais e estrangeiros foram transportados de Machu Picchu para… Cusco.”

a demonstrações Começou no início de dezembro para apoiar o ex-presidente deposto Pedro Castillo, mas passou a exigir a renúncia de Boulwart, o fechamento do Congresso e novas eleições. Boluarte era vice-presidente de Castillo e o substituiu após sua tentativa conferência do obturador Ele governa por decreto em 7 de dezembro.

READ  As ruas estão desertas nas cidades da China, à medida que um novo surto do vírus Corona se aproxima
Pessoas detidas no campus da Universidade de San Marcos, em Lima. Foto: Juan Mandamiento/AFP/Getty Images

Vários dos detidos na operação de sábado viajaram do sul do Peru para a capital para participar da manifestação de quinta-feira apelidada de Captura de Limaque começou pacificamente, mas degenerou em batalhas contínuas entre manifestantes e a tropa de choque em meio a arremessos de pedras e gás lacrimogêneo.

em uma declaração sobre TwitterO Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu às autoridades peruanas que “garantissem a legalidade e a proporcionalidade”. [police] Intervenção e garantias de um julgamento justo.” Ela destacou a importância da presença dos promotores ausentes desde as primeiras horas da operação.

Estudantes que moram nas residências disseram que foram violentamente forçados a sair de seus quartos por policiais armados, que arrombaram as portas e usaram empurrões e chutes para retirá-los.

Esteban Godofredo, um estudante de ciências políticas de 20 anos, recebeu tratamento médico para ferimentos na perna. “Ele me bateu com o bastão e me jogou no chão e começou a me chutar”, disse Godofredo enquanto estava sentado no gramado do lado de fora da casa com uma panturrilha direita gravemente machucada.

Esteban Godofredo, um estudante, está sendo tratado por uma lesão na perna
Esteban Godofredo, um estudante, está sendo tratado por uma lesão na perna. Fotografia: Dan Collins/The Guardian

Vídeos vistos pelo Guardian mostraram estudantes confusos e aterrorizados lotados do lado de fora de seus corredores, alguns ainda de pijama, enquanto a tropa de choque gritava ordens e insultos. Os jovens foram obrigados a ficar encostados na parede ou ajoelhados em fila.

Eles apontaram suas armas para nós e gritaram: Saia. “Nem tivemos tempo de pegar nossas carteiras de identidade”, disse Jenny Fuentes, uma estudante de 20 anos. “Eles nos fizeram ajoelhar. Muitas meninas estavam chorando, mas nos mandaram calar a boca.”

“Eles não nos disseram por que fomos forçados a deixar nossos quartos”, disse ela. O grupo de cerca de 90 alunos, que havia permanecido no campus durante as férias de verão para trabalhar e estudar, caminhou até o pátio principal, a 10 minutos a pé, onde as outras pessoas estavam detidas.

Várias horas depois da invasão, eles não foram autorizados a voltar para seus quartos, que estavam sendo revistados pela polícia.

Itens que a polícia peruana disse pertencer a manifestantes detidos que estavam hospedados no campus da Universidade San Marcos, em Lima.
Itens que a polícia peruana disse pertencer a manifestantes detidos que estavam hospedados no campus da Universidade San Marcos, em Lima. Fotografia: Dan Collins/The Guardian

“Eu era um estudante em San Marcos [University] A polícia a baniu do campus desde a década de 1980, disse Susil Paredes, congressista.

“A polícia entrou no dormitório da universidade, os quartos das alunas que nada tinham a ver com os manifestantes. Ameaçaram-nas e tiraram-nas dos seus quartos enquanto dormiam.”

Paredes disse que foi um flashback das incursões regulares da polícia e das forças armadas na universidade estadual nas décadas de 1980 e 1990, quando o campus era visto como um foco de vandalismo durante a luta do estado contra os rebeldes do Sendero Luminoso inspirados por Mao.

“Não estamos neste momento, deveríamos estar sob um governo democrático que deve respeitar os direitos básicos”, disse Paredes.

AFP contribuiu para este relatório

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *