Preços do petróleo caem mais de 3% devido à oferta dos EUA, menor demanda na China

(Reuters) – Os preços do petróleo caíram mais de 3 por cento em negociações voláteis nesta terça-feira, em meio a temores de um aumento na oferta dos EUA em meio a uma desaceleração econômica e menor demanda chinesa por combustível.

Os futuros de petróleo Brent caíram US$ 2,37, ou 3,6%, para US$ 89,25 por barril às 12h29 EST (1629 GMT).

Os contratos futuros de petróleo do West Texas Intermediate caíram US$ 3,12, ou 3,7%, para US$ 82,34, depois de subir mais de US$ 1 no início da sessão.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A China, maior importador mundial de petróleo bruto, adiou indefinidamente a divulgação dos indicadores econômicos que deveriam ser divulgados nesta terça-feira, sinalizando ao mercado que a demanda pelo combustível é significativamente menor na região. Consulte Mais informação

“Não é um bom sinal que a China tenha decidido não divulgar números econômicos”, disse John Kilduff, sócio da Again Capital LLC em Nova York.

A analista da CMC Markets, Tina Teng, disse que o compromisso da China com sua política livre de COVID continua levantando dúvidas sobre o crescimento econômico do país.

Os preços do petróleo também foram pressionados por relatos de que o governo dos EUA continuará liberando petróleo bruto das reservas.

Fontes disseram à Reuters na segunda-feira que o governo Biden planeja vender petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo em uma tentativa de diminuir os preços dos combustíveis antes das eleições parlamentares do próximo mês.

Além disso, uma pesquisa preliminar da Reuters na segunda-feira mostrou que os estoques de petróleo bruto dos EUA devem aumentar pela segunda semana consecutiva.

READ  Futuros Dow Jones: o que fazer quando o rali do mercado cai; Prazo de entrega da Tesla

A Energy Information Administration disse que a produção na Bacia Permiana do Texas e do Novo México, a maior bacia de óleo de xisto dos EUA, deve aumentar cerca de 50.000 barris por dia para um recorde de 5,453 milhões de barris por dia este mês.

Analistas da ANZ Research disseram em nota que os investidores estavam aumentando suas posições compradas em contratos futuros depois que a Opep+ concordou em cortar a produção em 2 milhões de barris por dia.

Vários membros do grupo de produção de petróleo apoiaram o corte depois que a Casa Branca acusou a Arábia Saudita de forçar alguns países a apoiar a medida, acusação que Riad nega.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Rowena Edwards em Londres Reportagem adicional de Isabel Qua em Cingapura Edição de David Goodman, Ed Osmond e Nick McPhee

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.