Putin conseguiu o que não queria: o exército da Ucrânia está mais perto do Ocidente

Washington (AFP) – Quanto mais tempo os militares da Ucrânia se defendem dos invasores russos, mais absorvem os benefícios das armas e treinamento ocidentais – exatamente a mudança que o presidente Vladimir Putin queria evitar ao invadir em primeiro lugar.

A lista de armas que chegam à Ucrânia é longa e crescente. Inclui novos drones americanos no campo de batalha e a mais recente artilharia americana e canadense. Além disso, armas antitanque da Noruega e outros; Veículos blindados e mísseis antinavio da Grã-Bretanha. e mísseis antiaéreos Stinger dos Estados Unidos, Dinamarca e outros países.

Se a Ucrânia pudesse afastar os russos, seu arsenal acumulado de armas ocidentais poderia ter um efeito transformador em um país que, como outras ex-repúblicas soviéticas, dependia principalmente de armas e equipamentos da era soviética.

Mas manter essa assistência militar não será fácil. É caro e politicamente arriscado para alguns países fornecedores. Também é retirado dos estoques ocidentais que, em algum momento, precisarão ser reabastecidos. É por isso que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, está se reunindo na terça-feira na Base Aérea de Ramstein, na Alemanha, para encontrar maneiras de mantê-lo funcionando, agora e a longo prazo. Ministros da Defesa e líderes militares de quase 40 países estão participando.

Austin disse que o objetivo não é apenas reforçar as defesas da Ucrânia, mas também ajudá-la a triunfar contra uma força invasora maior.

“Achamos que eles podem vencer se tiverem o equipamento certo, o apoio certo”, disse Austin na segunda-feira na Polônia, depois de retornar de uma visita a Kiev com o ministro das Relações Exteriores, Anthony Blinken, que incluiu discutir as necessidades militares da Ucrânia. Ele também disse que o objetivo era “ver a Rússia tão fraca que não pode fazer as coisas que fez na invasão da Ucrânia”.

READ  Agência de ajuda humanitária de Minneapolis Alight envia equipe à Polônia para ajudar refugiados ucranianos

Apesar de seus fracassos iniciais, os militares russos ainda têm algumas vantagens que serão testadas na região leste de Donbass, acumulando mais tropas de combate e poder de fogo, mesmo enquanto os Estados Unidos e seus aliados da OTAN lutam para obter artilharia e outras armas pesadas naquela região a tempo. . para fazer a diferença.

Com o resultado da guerra em dúvida após dois meses de luta, o Pentágono está entregando 90 dos mais recentes obuses do Exército dos EUA, juntamente com 183.000 rodadas de artilharia – e outras armas avançadas que podem dar aos ucranianos uma vantagem importante nas batalhas iminentes. Os Estados Unidos também estão organizando mais treinamento para os ucranianos em armas importantes, incluindo obuses e pelo menos dois tipos de drones armados.

Na segunda-feira, Austin e Blinken anunciaram US$ 713 milhões em financiamento militar estrangeiro para a Ucrânia e 15 países aliados e parceiros na Europa; Cerca de US$ 322 milhões foram destinados a Kiev, em parte para ajudar a Ucrânia na transição para armas e sistemas de defesa aérea mais avançados. Autoridades disseram que o restante seria dividido entre membros da Otan e outros países que forneceram à Ucrânia suprimentos militares críticos desde o início da guerra com a Rússia.

Este financiamento difere da assistência militar anterior dos EUA à Ucrânia. Não é uma doação de armas e equipamentos do estoque do Pentágono, mas sim dinheiro que os países podem usar para comprar suprimentos de que possam precisar.

Os ucranianos dizem que precisam de mais, incluindo sistemas de defesa aérea de longo alcance, aviões de combate, tanques e sistemas de mísseis de lançamento múltiplo.

“Seria correto dizer que os Estados Unidos estão agora liderando o esforço para garantir a transição da Ucrânia para armas de estilo ocidental, organizando o treinamento de soldados ucranianos”, disse o ministro das Relações Exteriores ucraniano, Dmytro Kuleba, acrescentando: “E estou apenas lamento que não tenha acontecido um ou dois meses atrás. O início da guerra.”

READ  O ministério diz que exibir o símbolo "Z" pode ser um ato criminoso na Alemanha

Philip Breedlove, general aposentado dos EUA que liderou a Otan na Europa de 2013 a 2016, diz que seu breve resumo do que Putin quer na Ucrânia e em outros lugares à margem da Rússia é “armas estendidas, OTAN de volta e os Estados Unidos não mais”.

O que aconteceu é que Putin conseguiu exatamente o que não queria. “Isso traz mais armas, impulsiona a OTAN, aumenta a América na Europa”, disse Breedlove em entrevista.

As complexidades de continuar a ajuda militar ocidental à Ucrânia, mesmo quando suas forças estão totalmente engajadas em uma guerra brutal, são um lembrete do que está em jogo. Putin disse antes de lançar a invasão que Moscou não poderia tolerar o que ele via como uma tentativa ocidental de tornar a Ucrânia um membro de fato da Otan. Ele disse que o interesse da Ucrânia na ocidentalização e ficar fora da órbita da Rússia se deve a “forças externas”, como a pressão dos EUA.

Putin exigiu que a Ucrânia desistisse de ser membro da Otan, após o que ele insistiu que o relógio voltasse para 1997, antes que a Otan começasse a adicionar ex-países soviéticos e aliados aos soviéticos às suas fileiras.

Há pouca possibilidade de a Ucrânia aderir à OTAN, mas a guerra russa aproximou a OTAN da Ucrânia. O resultado foi um aumento nas chances da Ucrânia de estabelecer uma defesa bem-sucedida, mesmo na região leste de Donbass, onde os russos têm certas vantagens e onde separatistas apoiados pela Rússia lutam desde 2014.

___

O escritor diplomático da Associated Press, Matthew Lee, contribuiu para este relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.