Putin diz a Orbán que a Ucrânia deve render-se se quiser a paz – Euractiv

O presidente russo, Vladimir Putin, disse a Viktor Orban na sexta-feira (5 de julho) que a Ucrânia deve efetivamente render-se se quiser a paz, numa visita do líder húngaro a Moscovo que irritou a União Europeia, os Estados Unidos e Kiev.

Putin estava recebendo Orban – o líder mais amigável da UE em Moscou – para conversações no Kremlin, que o presidente russo descreveu como uma “conversa realmente útil e franca” sobre o conflito na Ucrânia.

Vários funcionários da União Europeia criticaram a visita surpresa do primeiro-ministro húngaro, dizendo que ameaçava minar a posição do bloco de 27 nações no conflito, e sublinharam que o primeiro-ministro húngaro não representa Bruxelas.

O primeiro-ministro húngaro Orban visita Moscou dias após sua visita a Kiev

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, viajou para Moscovo na quinta-feira (4 de julho) para se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin, poucos dias depois da sua visita a Kiev, numa viagem que lhe valeu uma forte repreensão de responsáveis ​​e diplomatas da UE.

Putin disse em declarações após uma reunião bilateral que os dois líderes “conversaram sobre possíveis formas de resolver” o conflito na Ucrânia.

O líder do Kremlin repetiu a sua exigência de que a Ucrânia retire todas as suas forças das áreas anexadas por Moscovo e disse que Kiev “não está pronto para abandonar a ideia de travar uma guerra até um final vitorioso”.

Putin disse no início das conversações que queria “discutir as nuances que se desenvolveram” em relação ao conflito na Ucrânia com Orban, que visitou Kiev no início desta semana.

Por sua vez, Orbán disse perceber que “as posições estão muito distantes” entre os dois lados.

Ele disse: “O número de passos necessários para acabar com a guerra e alcançar a paz é muitos”.

READ  Putin pode ter desejado restaurar o Império Russo, mas seu poder sobre os antigos estados soviéticos está diminuindo à medida que sua invasão da Ucrânia vacila.

A visita ocorre dias depois de a Hungria assumir a presidência rotativa da União Europeia, e Putin ter dito a Orbán que esperava que ele definisse “a posição dos parceiros europeus” sobre a Ucrânia.

O governo ucraniano criticou a reunião, sublinhando que não teve participação no seu planeamento.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros em Kiev afirmou num comunicado: “A decisão de realizar esta viagem foi tomada pelo lado húngaro sem qualquer acordo ou coordenação com a Ucrânia”.

Não há mandato da UE

Os líderes da União Europeia atacaram Orban durante a viagem.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, escreveu no Twitter: “A desescalada não impedirá Putin”.

“Só a unidade e a determinação são o caminho para alcançar uma paz abrangente, justa e duradoura na Ucrânia.”

O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, disse num comunicado: “A visita de Orbán a Moscovo ocorre exclusivamente no âmbito das relações bilaterais entre a Hungria e a Rússia”.

Ele acrescentou: “Orbán não recebeu nenhuma autorização do Conselho da União Europeia para visitar Moscou”.

A União Europeia manifestou a sua forte oposição ao ataque militar russo na Ucrânia e impôs 14 rondas de sanções sem precedentes a Moscovo.

“Esta posição exclui contactos oficiais entre a União Europeia e o Presidente Putin. Portanto, o primeiro-ministro húngaro não representa de forma alguma a União Europeia”, disse Borrell.

“Vale a pena notar que o Tribunal Penal Internacional indiciou o Presidente Putin e emitiu um mandado de prisão contra ele pelo seu papel em relação à deportação forçada de crianças da Ucrânia para a Rússia.”

O Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, já havia sublinhado a posição comum de que “quaisquer discussões sobre a Ucrânia não podem ocorrer sem a Ucrânia”.

A Casa Branca também criticou a visita, qualificando-a de “improdutiva”, e a aliança militar da NATO, da qual a Hungria é membro, distanciou-se dela.

READ  As ações de Hong Kong subiram cerca de 3% depois que relatórios disseram que a cidade estava considerando flexibilizar uma lei Covid

A porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que a visita de Orban “não promoverá a causa da paz e é improdutiva no avanço da soberania, integridade territorial e independência da Ucrânia”.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse que Orban informou a aliança sobre a sua viagem, mas sublinhou que o líder húngaro “não representa a OTAN nestas reuniões. Ele representa o seu país”.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse à televisão estatal russa que a visita foi ideia de Orban, e as autoridades russas só ouviram falar da viagem na quarta-feira – um dia depois de Orban visitar Kiev.

Dentro da UE, a condenação de Orbán não foi unânime. O primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, que apareceu em público na sexta-feira pela primeira vez desde o atentado contra a sua vida em maio, apoiou a visita de Orban a Moscovo, dizendo que teria se juntado ao seu homólogo húngaro na sua visita se a sua saúde o permitisse.

“Notícias preocupantes”

A presidência húngara da União Europeia por seis meses dá ao país da Europa Central o controle sobre a agenda e as prioridades do bloco para os próximos seis meses.

A visita de Orban a Moscovo ocorre dias depois de o nacionalista de direita ter feito uma visita surpresa a Kiev, onde instou a liderança da Ucrânia a trabalhar para um rápido cessar-fogo com a Rússia.

O líder húngaro sublinhou na sexta-feira que a paz não pode ser alcançada sem diálogo.

“Se apenas nos sentarmos em Bruxelas, não seremos capazes de nos aproximar da paz. É necessário tomar medidas”, disse Orbán durante a sua entrevista regular à rádio estatal húngara, quando questionado sobre a sua visita à Ucrânia na terça-feira.

O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, expressou descrença na visita de Orban a Moscovo, enquanto o primeiro-ministro finlandês, Petteri Orbo, descreveu-a como “notícias perturbadoras”.

READ  Ucrânia bombardeia forças russas no sul perto de Kyiv

Esta é a primeira visita de um líder europeu a Moscovo desde a visita do chanceler austríaco Karl Nehmmer em abril de 2022.

A última reunião entre Orban e Putin foi em outubro de 2023, em Pequim, onde discutiram a cooperação no domínio da energia.

(Editado por Georgi Gotev)

Leia mais com Euractiv

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *