Putin diz que a Rússia e a Coreia do Norte se ajudarão mutuamente se forem atacadas, levando os laços a um “novo nível”



CNN

A Rússia e a Coreia do Norte reforçaram os laços para um “novo nível”, disse Vladimir Putin, prometendo ajudar-se mutuamente se qualquer um dos países for atacado, numa nova parceria “inovadora” anunciada durante a rara visita do presidente russo ao país recluso.

Milhares de Norte-coreanos Gritos de “Olá Putin” se espalharam pelas ruas largas da cidade russo Bandeiras norte-coreanas e buquês de flores, enquanto Putin abria sua cerimônia Primeira visita à Coreia do Norte em 24 anos Com um espetáculo cuidadosamente pensado para influenciar a ditadura.

O casal assinou então a nova parceria estratégica para substituir os acordos anteriores assinados em 1961, 2000 e 2001, segundo a agência de notícias russa TASS. “O Acordo de Parceria Abrangente assinado hoje inclui, entre outras coisas, a prestação de assistência mútua em caso de agressão contra uma das partes deste acordo”, disse Putin após a reunião.

Gavriil Grigorov/Pool/AFP/Sputnik/Getty Images

O líder norte-coreano Kim Jong Un e o presidente russo Vladimir Putin saem de uma recepção na Praça Kim Il Sung, em Pyongyang, em 19 de junho.

Ele disse que o acordo inclui “também os campos político, comercial, de investimento, cultural e de segurança”, descrevendo o acordo como “um documento verdadeiramente inovador”.

Putin disse que os exercícios conjuntos envolvendo os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão eram “hostis” em relação à Coreia do Norte e descreveu a política dos EUA como “confrontacional”. Enquanto isso, Kim descreveu a nova “aliança” como um “momento decisivo no desenvolvimento das relações bilaterais”.

Mas o acordo entre os dois líderes autoritários também levantou muitas questões – incluindo se a dissuasão nuclear da Rússia se estende agora à Coreia do Norte, e vice-versa, ou se os dois países irão agora realizar exercícios militares conjuntos.

Putin foi recebido com celebrações esmagadoras numa recepção com o seu homólogo na Praça Kim Il Sung, no coração da capital norte-coreana, onde soldados, militares e crianças carregando balões aplaudiram tendo como pano de fundo grandes imagens de cada líder.

Os dois líderes apresentaram os seus dirigentes e permaneceram juntos durante a execução do hino nacional russo antes de entrarem numa limusine aberta, sorrindo e acenando para a multidão. Cenas de pompa e fanfarra foram uma constante ao longo do dia, que terminou com Kim escoltando Putin até seu avião no final da noite, antes de sua viagem ao Vietnã.

A oferta reflecte a dependência da Coreia do Norte em relação a Moscovo e provavelmente pretendia lembrar ao Ocidente que Putin ainda tem influência significativa em pelo menos algumas partes do mundo, após a sua invasão total da Ucrânia em 2022.

READ  Europa adota sanções preliminares contra a Rússia por causa da crise na Ucrânia

Esta relação também é importante para a Rússia. Vários governos acusaram Pyongyang de fornecer armas a Moscovo em seu nome A guerra brutal na UcrâniaEsta é uma acusação que ambos os países negaram, apesar das fortes evidências de tais transferências.

Imagens Stringer/Getty

O presidente russo, Vladimir Putin (R), e o líder supremo da Coreia do Norte, Kim Jong Un, participam de uma recepção em 19 de junho de 2024 em Pyongyang, Coreia do Norte.

Na quarta-feira, Putin deu a Kim um Urus enquanto os dois líderes trocavam presentes, de acordo com a mídia estatal russa – a segunda vez que Putin deu ao seu homólogo este modelo de carro. Segundo o assessor de Putin, Yuri Ushakov, o líder russo também presenteou Kim com um jogo de chá. Ushakov não especificou o que Putin recebeu, mas disse que eram “bons presentes também”.

Putin chegou à Coreia do Norte nas primeiras horas de quarta-feira, hora local, exactamente 24 anos depois do dia em que visitou Pyongyang pela última vez, numa visita que anuncia o aprofundamento da aliança entre os dois países face à hostilidade partilhada em relação ao Ocidente e às preocupações internacionais sobre seus laços crescentes. Cooperação militar.

Em comentários antes das conversações entre os dois, Kim expressou o seu “total apoio e solidariedade com as lutas do governo russo, do seu exército e do seu povo”, referindo-se especificamente à guerra de Moscovo na Ucrânia “para proteger a sua soberania, integridade e estabilidade territorial”. .” ”

Kim acrescentou: “A situação continua complexa e em constante mudança, mas gostaria de aproveitar esta oportunidade para reiterar que continuaremos a fortalecer a comunicação estratégica com a liderança (russa) e a participar estreitamente nela”.

Putin elogiou as relações entre os dois países como baseadas na “igualdade e no respeito mútuo” e disse que o esperado novo acordo bilateral “formará a base das relações entre os dois países durante muitos anos”, segundo a agência estatal russa TASS. Ele também acrescentou que espera que Kim visite Moscou para a próxima reunião.

A relação florescente suscitou preocupações tanto em Seul como em Washington, não só sobre as transferências de armas da Coreia do Norte para a Rússia, mas também sobre a possibilidade de Moscovo transferir tecnologia militar superior para ajudar o programa de armas de Pyongyang, que está sob pesadas sanções.

READ  O príncipe William continuará a priorizar o cuidado de Kate Middleton e de seus filhos antes de seus deveres reais em tempo integral, depois que decidiu limpar sua agenda para apoiar sua esposa enquanto ela se recuperava de uma cirurgia.

Vladimir Smirnov/Sputnik/Pool/Reuters

O presidente russo Vladimir Putin e o líder norte-coreano Kim Jong Un participam de uma recepção oficial na Praça Kim Il Sung em Pyongyang, Coreia do Norte, em 19 de junho de 2024.

Imagens de vídeo da chegada do líder russo Kim, o líder da terceira geração da família que governou a Coreia do Norte com mão de ferro, mostraram-no recebendo Putin no aeroporto nas primeiras horas da manhã de quarta-feira.

Esta visita histórica representa um grande impulso para Kim, que permanece isolado no cenário mundial e não recebeu outro líder mundial na sua capital desde o início da epidemia.

Isto ocorre num momento em que as tensões continuam elevadas na Península Coreana, onde Kim intensificou nos últimos meses o seu tom beligerante e descartou uma política de longa data que buscava a reunificação pacífica com a Coreia do Sul, em meio à preocupação em Pyongyang sobre o reforço da coordenação entre os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão. .

A mídia estatal norte-coreana pareceu desempenhar um papel importante no fortalecimento do relacionamento próximo entre Kim e Putin, descrevendo-os como “trocando seus pensamentos profundos reprimidos e abrindo suas mentes para desenvolver relações (Coréia do Norte e Rússia) de forma mais afirmativa”. Aeroporto para Kumsusan State Guesthouse onde Putin está hospedado.

A viagem de Putin surge na sequência da visita histórica de Kim à Rússia no ano passado, onde os dois líderes foram amplamente vistos como abrindo este novo capítulo na sua relação construída com base na necessidade de Putin de armas norte-coreanas para a sua ofensiva em curso.

A Rússia recebeu mais de 10 mil contêineres – o equivalente a… 260.000 toneladas métricas Munições ou materiais relacionados com munições – da Coreia do Norte desde setembro, de acordo com os Estados Unidos declaração Em fevereiro. As forças russas também dispararam pelo menos 10 mísseis fabricados na Coreia do Norte contra a Ucrânia desde setembro passado, disse também uma autoridade dos EUA. Ele disse em março.

O líder russo é amplamente visto como alguém que procura garantir este apoio contínuo, que pode ser particularmente urgente com o atraso na chegada da ajuda militar dos EUA à Ucrânia.

Putin também procurou vincular a reunião de hoje às relações históricas entre Moscovo e Pyongyang. A agência de notícias oficial russa TASS citou Kim dizendo que “as façanhas das gerações anteriores” foram “uma boa base para o desenvolvimento das relações” entre os dois países.

READ  O Hamas afirma que dois reféns israelenses morreram, enquanto o exército israelense descreve os vídeos como “tortura psicológica” para as famílias dos prisioneiros

ITAR-TASS/AFP

O presidente russo, Vladimir Putin, à direita, aperta a mão do líder norte-coreano Kim Jong Il, após sua chegada a Pyongyang, quarta-feira, 19 de julho de 2000.

A última visita de Putin a Pyongyang foi em 2000 para se encontrar com o falecido pai e antecessor de Kim, Kim Jong Il. Esta viagem, que ocorreu semanas depois de Putin ter inaugurado o seu primeiro mandato como presidente, fez dele o primeiro chefe de Estado russo a visitar a Coreia do Norte.

Kim, o mais velho, então Ele visitou Moscou em 2001Ele fez uma maratona de nove dias de viagem de trem pela Rússia para participar da reunião, naquela que foi sua segunda viagem ao exterior depois de uma visita anterior à China.

Em 2000, os dois países também assinaram um novo acordo de cooperação. Em contraste com o documento de 1961 entre a União Soviética e a Coreia do Norte, esta nova iteração não incluiu referência à assistência de defesa militar mútua, mas foi vista como um passo importante no relançamento da relação tensa e estreitamente interligada.

Os dois vizinhos desfrutam de relações profundas na Península Coreana. O avô de Kim, Kim Il Sung, subiu ao poder no final da década de 1940 como parte dos esforços soviéticos para instalar um governo controlado pelos comunistas no norte para rivalizar com o governo apoiado pelos EUA no sul, após a derrota do Exército Imperial Japonês durante a Segunda Guerra Mundial.

Mas a relação integral azedou e transformou-se nas décadas seguintes, com o colapso da União Soviética e o novo Estado da Rússia estabelecendo relações diplomáticas com Seul e apoiando múltiplas sanções da ONU ao programa de armas da Coreia do Norte.

A última vaga de diplomacia surge num momento em que as frustrações partilhadas com o Ocidente aproximaram os dois países – uma tendência que os observadores dizem ter sido agora acelerada pela guerra na Ucrânia e que viu a Coreia do Norte ganhar um amigo poderoso no Conselho de Segurança da ONU.

Em março, Moscou Vetou uma resolução da ONU Renovar a monitorização independente das violações das sanções do Conselho de Segurança por parte da Coreia do Norte – levantando preocupações sobre o enfraquecimento do controlo do programa de armas ilegais de Kim.

Esta história foi atualizada.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *