Quaoar tinha um anel “impossível”, então os astrônomos encontraram dois

Os cientistas ainda não entendem completamente como a poeira e o gás no início do sistema solar se fundiram em luas e planetas.

Como o primeiro anel ao redor de Quaoar, anunciado em fevereiro por uma equipe de astrônomos, o segundo anel fica além do que é conhecido como Limite de Roche. O material que orbita próximo a essa distância tende a ser dilacerado pelas forças das marés. Assim, um anel dentro do limite de Roche tenderia a permanecer um anel, enquanto um anel de detritos fora do limite de Roche normalmente se fundiria em uma lua.

Para Quaoar, o limite da Roche foi calculado em 1.100 milhas. O segundo anel, a uma distância de 1.500 milhas do centro de Quaoar, está ainda mais perto do que o anel anunciado em fevereiro, que tem um raio de cerca de 2.500 milhas.

Quaoar (pronuncia-se KWA-wahr, o nome da divindade criadora dos nativos Tongva que vivem em Los Angeles) orbita o Sol no Cinturão de Kuiper, uma região de detritos congelados além de Netuno que inclui Plutão.

O anel não é visível nas imagens do telescópio. Em vez disso, os astrônomos o encontraram indiretamente, quando estrelas distantes passaram por trás de Quaoar, bloqueando a luz das estrelas. De 2018 a 2021, Quaoar passou na frente de quatro estrelas, e os astrônomos na Terra puderam observar eclipses de sombra, também conhecidos como eclipses estelares.

Eles também notaram algum escurecimento na luz das estrelas antes e depois do flash da estrela, indicando a presença do primeiro anel.

Outra ocultação ocorreu em 9 de agosto do ano passado, e os astrônomos mais uma vez apontaram telescópios, grandes e pequenos, para Quaoar na esperança de aprender mais sobre o anel.

READ  Uma temível nova espécie de estegossauro pode ser a mais antiga descoberta no mundo

As novas observações revelaram mais detalhes, incluindo um núcleo estreito e denso no anel com apenas alguns quilômetros de largura, cercado por material envelopado mais disperso. As notas também revelaram o segundo episódio.

Outro desaparecimento ocorrerá em 13 de maio, visível por telescópios nos Estados Unidos e no Canadá.

“Este evento inclui uma estrela brilhante e será útil para melhor delimitar a forma do Quaoar, bem como uma boa oportunidade para obter mais detalhes sobre esses dois anéis notáveis”, disse o Sr. Pereira.

Uma possível explicação para os anéis distantes de Quaoar é a presença da lua Weywot. A lua pode ter causado perturbações gravitacionais que impediram que as partículas do anel se acumulassem em luas adicionais. Ambos os anéis ocorrem em locais próximos ao que é conhecido como ressonância com Weywot, e a ressonância pode vir a ser mais importante do que o limite de Roche para determinar se os anéis se transformam em luas ou permanecem anéis.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *