Quênia envia tropas ao Congo para ajudar a acabar com décadas de derramamento de sangue

NAIRÓBI (Reuters) – O presidente do Quênia, William Ruto, enviou tropas para o leste da República Democrática do Congo nesta quarta-feira para se juntar a uma força regional na África Oriental com o objetivo de acabar com décadas de derramamento de sangue.

Os sete países da Comunidade da África Oriental, à qual o Congo aderiu este ano, concordaram em abril em criar uma força conjunta para combater as milícias no leste do Congo. As forças quenianas vão juntar-se a um contingente do Burundi.

Apesar de gastar bilhões de dólares em uma das maiores forças de paz da ONU, mais de 120 grupos armados continuam a operar em vastas áreas do leste do Congo, incluindo os rebeldes do Movimento 23 de Março, que o Congo acusou repetidamente Ruanda de apoiar. Kigali nega essas alegações.

Uganda já enviou tropas ao Congo como parte de um desdobramento separado para caçar militantes ligados ao Estado Islâmico, um dos grupos em conflito no leste do Congo.

“Todos nós temos interesse na estabilidade e segurança da República Democrática do Congo”, disse Ruto em uma cerimônia de despedida na capital do Quênia, Nairóbi.

Ruto disse que as Nações Unidas e a União Africana forneceram apoio “tácito” ao destacamento queniano.

READ  Jornalista russa Marina Ovsianikova foge de prisão domiciliar condena guerra de Putin

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse que o secretário-geral da Reuters, Antonio Guterres, não tem autoridade delegada e que as decisões sobre financiar ou não tais tarefas estão fora de seu alcance.

Uma fonte da ONU disse à Reuters que havia alguma ambiguidade sobre o envio de forças quenianas porque Nairobi queria financiamento internacional, o que exigiria autorização formal do Conselho de Segurança da ONU ou da União Africana.

“Trabalhamos duro para mobilizar a comunidade internacional para apoiar a força da África Oriental”, disse o ministro da Defesa do Quênia, Aden Duale, no evento.

Milhares de pessoas na quarta-feira de manhã fizeram uma manifestação na cidade de Bukavu, no leste do Congo, contra o poder regional porque alguns de seus “inimigos”, disseram eles, são estados membros da Comunidade da África Oriental.

Reportagem adicional de Edwin Waita, Herward Holland e Mukilua Hlachwayo; Reportagem adicional de Crispin Kyalangalilwa; Escrito por Hereward Holanda. Edição por James Macharia Chegg, William MacLean e Sandra Mahler

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.