Rússia diz que 82.000 recrutas de alistamento de emergência já estão na Ucrânia | Ucrânia

O ministro da Defesa russo disse que 82.000 recrutas já foram enviados Ucrâniarefletindo o que o Ocidente descreveu como um esforço desesperado para deter o contra-ataque de Kyiv com forças mal treinadas.

Sergei Shoigu disse ao presidente, Presidente russo Vladimir Putinque outros 218.000 estavam treinando no quartel, e que a polêmica “mobilização parcial” havia terminado, embora não fosse possível verificar os números citados.

A reunião entre os dois foi transmitida pela televisão estatal russa, com Shoigu dizendo a Putin: “A tarefa que você definiu (mobilização) de 300.000 pessoas foi concluída. Nenhuma outra medida está planejada”.

O esboço de emergência começou em setembro, depois que a Ucrânia conquistou uma série de vitórias no noroeste perto de Kharkiv, levando alguns russos a protestar e outros a fugir País. Dezenas de recrutas foram mortos depois de serem jogados nas linhas de frente para proteger as tropas mais experientes na retaguarda.

O Ministério da Defesa do Reino Unido disse na sexta-feira que a Rússia está buscando consolidar seus ganhos atuais após oito meses de luta dura, contando com uma “força severamente incompleta e mal treinada” que “só é capaz de realizar operações defensivas”.

Mas, apesar da análise crítica, há indicações de que o aumento do uso de recrutas pela Rússia retardou o progresso da Ucrânia tanto no leste quanto no sul do país, com o outono se aproximando do inverno.

“O progresso das forças ucranianas não está indo tão rápido quanto gostaríamos”, disse Serhiy Hayday, governador ucraniano da região de Luhansk Oriental, em entrevista à televisão, porque a Rússia conseguiu restaurar suas reservas e poços.

Milhares de recrutas foram espalhados em lugares como Bakhmut, onde Hayday disse que foram mortos ou feridos rapidamente depois de serem jogados na batalha contra os ucranianos. “A média de ‘vida’ dos indivíduos mobilizados é de cerca de duas semanas”, acrescentou o governador.

READ  Sessão do parlamento francês suspensa devido a legislador gritar 'Volte para a África'

O Estado-Maior da Ucrânia disse na sexta-feira que até 1.000 recrutas russos foram enviados através do rio Dnipro para fortalecer Kherson, mostrando que o Kremlin não está pronto para abandonar a cidade sem qualquer tipo de luta. As tropas serão enviadas para as casas dos moradores que fugiram da guerra.

Há uma semana, a Rússia parecia temer perder a cidade e transferiu oficiais comandantes pela margem leste do rio – e começou evacuando civisuma prática que a Ucrânia disse equivaler a deportação forçada.

A Ucrânia retomou uma série de aldeias perto de Kherson no início de outubro, mas o ministro da Defesa, Oleksiy Reznikov, alertou no início desta semana que as chuvas de outono “nos atrasaram um pouco” e que o progresso estava se tornando gradual.

Os moradores dizem que o terreno entre as cidades de Mykolaiv e Kherson, controladas pela Ucrânia, é especialmente difícil porque a terra plana é cortada por grandes canais de irrigação, alguns dos quais secaram, mas em ambos os casos é facilmente fortificado.

Especialistas militares ocidentais previram há muito tempo que o ritmo dos combates diminuirá em novembro, à medida que as chuvas torrenciais espalharam o solo e tornaram cada vez mais difícil para os veículos blindados operarem fora de estrada. Você não pode reviver a batalha novamente até as profundezas do inverno, quando o solo congela.

O governador de Kherson nomeado pela Rússia disse no início desta semana que a tumba e os restos mortais do príncipe Grigory Potemkin, que já foi primeiro-ministro e amante da governante do século 18 Catarina, a Grande, foram removidos de uma catedral em Kherson e movidos para os territórios ocupados.

“Nós transferimos os restos mortais de Sua Majestade o Príncipe Potemkin da Igreja de Santa Catarina e do próprio memorial para a margem esquerda” a leste do rio Dnipro, disse Volodymyr Saldo, segundo a agência oficial de notícias russa.

Outra autoridade russa disse que a evacuação de civis de Kherson havia terminado. “O trabalho foi concluído para organizar a população que parte para a margem esquerda do rio Dnipro para áreas seguras na Rússia”, disse Sergei Aksyonov, chefe da Crimeia nomeado por Moscou, na quinta-feira, após uma visita à região.

A Força Aérea da Ucrânia disse que derrubou mais de 300 drones kamikaze Shahed-136 até agora, embora esse número seja apenas uma fração das 2.400 aeronaves que o país acredita que a Rússia adquiriu de Teerã.

A Rússia usou a dificuldade de detectar drones para ajudar a atingir as usinas de energia e a rede elétrica da Ucrânia em outubro. Quedas de energia, destinadas a desestabilizar o fornecimento de energia, tornaram-se rotina em muitas das principais cidades do país.

Vitali Klitschko, prefeito de Kyiv, disse que a rede elétrica da cidade estava operando em “modo de emergência”, com o fornecimento de eletricidade reduzido pela metade em comparação com os níveis anteriores à guerra. Quatro horas de queda de energia Anunciado dentro e ao redor da capital.

Oleg Sinihopov, governador da região de Kharkiv, anunciou no Telegram que um apagão de uma hora começará na segunda-feira, inclusive na capital regional, que é a segunda maior cidade da Ucrânia.

O gabinete presidencial da Ucrânia disse que pelo menos quatro civis foram mortos e 10 ficaram feridos nos últimos ataques russos, e bombardeios pesados ​​danificaram dezenas de prédios de apartamentos e linhas de energia perto da cidade de Nikopol, no sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.